Nuno Ramos estreia performance inspirada em gravuras de Goya sobre a guerra

Os Desastres da Guerra | FOTO: Matheus Jose Maria

Terceiro episódio de A Extinção É Para Sempre – projeto multilinguagem e inédito idealizado pelo artista, compositor, diretor e escritor Nuno Ramos e realizado pelo Sesc São Paulo, com apoio do Goethe-Institut – a performance Os Desastres da Guerra estreia em 16 de julho e terá três apresentações transmitidas ao vivo diretamente do teatro do Sesc Vila Mariana .

O trabalho é inspirado na série de gravuras homônimas do espanhol Francisco de Goya, 82 imagens, realizadas entre 1810 e 1814, em que o pintor retratou cenas de fome, miséria e violência testemunhadas por ele durante a Guerra Peninsular.

Na criação de Nuno Ramos, as obras de Goya transformam-se em quadros-vivos. Em cena, os performers recriam as imagens do pintor espanhol enquanto interpretam cinco depoimentos sobre casos de miséria e violência do estado brasileiro. São relatos reais de casos de chacina e terror, ocorridos em locais como o Complexo da Maré e a comunidade do Jacarezinho, no Rio de Janeiro.

Os Desastres da Guerra | FOTO: Matheus Jose Maria

Soma-se a tudo isso um elemento sonoro: os depoimentos foram transpostos para o braile e, então, relidos como partituras musicais. Assim, as histórias quase impronunciáveis contadas pelo elenco são acompanhadas por sua transposição em braile, projetada nas paredes, e também por sua interpretação musical – uma sonoridade percussiva, tocada ao vivo.

“A gente achou uma espécie de musicalidade rigorosa e científica da palavra através do braile. Eu senti que o texto era violento demais, e o braile o torna mais precioso, mais difícil de entender”, explica Nuno. Formam-se, então, várias camadas e modulações entre as vozes e a percussão.

Por fim, entra em cena um ator com deficiência visual, que ajuda a descrever textos e detalhes da performance e representa uma consciência coletiva – da nossa cegueira social.

“O espetáculo é uma tentativa de deslocamento, para várias linguagens, desse acesso quase impossível à violência civil do país, que é uma coisa que vem da nossa formação mesmo”, afirma Nuno. “Para vocalizar isso, precisei de várias instâncias mediadoras, que vão se distorcendo umas às outras. E o trabalho virou uma espécie de reza, uma litania, um murmúrio”, complementa o artista.

Os Desastres da Guerra | FOTO: Matheus Jose Maria

CHAMA

Também em julho, o projeto A Extinção É Para Sempre abre inscrições para o público participar da obra CHAMA. Inaugurada em maio, a obra foi criada como um monumento virtual de luto, uma chama eterna e ininterrupta em memória aos mortos que permanecerá acesa durante um ano, a obra agora está aberta a colaborações de pessoas públicas ou anônimas, artistas, coletividades ou instituições do mundo inteiro.

Por meio do formulário de inscrição disponível no site sescsp.org.br/aextincaoeparasempre , o público opta por uma data e horário para transmitir sua chama, que pode ser produzida da forma que preferir e transmitida ao vivo pela plataforma do projeto.

A ideia dessa alternância de chamas é utilizar o fogo como um ritual e também um chamado, uma convocação geral ao luto, à pausa e à dignificação de cada perda. Como explica Nuno Ramos: “CHAMA é um memorial aos mortos”. Há um fogo principal – a “chama-mãe”, criada pelo artista -, que nunca se apaga, instalado no Sesc Avenida Paulista. A obra está sendo transmitida ao vivo no site do projeto desde o dia 25 de maio desse ano, no mesmo espaço virtual onde serão veiculadas as demais chamas.

A Extinção É Para Sempre, CHAMA | FOTO: Eduardo Ortega

A EXTINÇÃO É PARA SEMPRE

Trata-se de um projeto que une diversas linguagens artísticas e busca expressar uma resposta urgente às incertezas do presente: o momento político e social e a situação pandêmica que o mundo atravessa. O projeto multilinguagem e inédito é idealizado pelo artista, compositor, diretor e escritor Nuno Ramos e realizado pelo Sesc São Paulo, com apoio do Goethe-Institut. Organizado em sete episódios e com colaboração de nomes das artes visuais, da dança, do teatro e do cinema, o laboratório teve início em janeiro de 2021 e seguirá com desdobramentos ao longo de um ano.

“Estamos vivendo um misto de queda sem fim com ataque por todos os lados. O projeto é uma tentativa de reagir, com balas múltiplas, a um ataque múltiplo, de manter a linguagem viva em vários níveis”, afirma Nuno Ramos. “É também uma forma de fazer arte ‘a quente’, uma produção em movimento, que vá contra o atual estado de apatia e responda aos assuntos que percorrem o espaço público hoje – como o luto, a violência, a ameaça às instituições e a relativização da nossa história”, completa.

“Em meio à imprecisão e complexidade do momento atual, realizar tal proposta, com apoio do Goethe-Institut, é matizar possibilidades para uma travessia coletiva mais acolhedora, abastecida pelas múltiplas camadas que envolvem o fazer artístico-cultural e as descobertas infindas que a arte proporciona”, reflete Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo. Configurado como um laboratório artístico, o projeto tem promovido diálogos sobre as proposições com artistas de diversas origens e linguagens, como a escritora Noemi Jaffe, o cineasta Jorge Bodanzky, a diretora Tarina Quelho, a atriz Edna de Cássia, o coreógrafo Eduardo Fukushima e o encenador Antonio Araujo.

Nuno, que costuma trabalhar com diversos registros, explica que, aqui, o instinto “foi logo ir juntando muita gente”. “Temos de fazer, na cultura, o que a representação política não tem conseguido fazer, que é uma abertura, uma capacidade de contaminação entre o que pareceria incongruente. Isso tudo tem de somar agora, mostrar a força que as diferenças têm quando pisam num mesmo chão”, ele pontua.

Em cada um dos sete episódios, a equipe artística é reorganizada. Há participações pontuais e também um núcleo que perpassa todo o projeto. Ele é composto por Tarina Quelho, coreógrafa e diretora Tarina Quelho, o músico Romulo Fróes e os performers Allyson Amaral, Tenca Silva, Nilcéia Vicente, Ivy Souza e Leandro Souza. Esse grupo fixo, que nasceu de uma busca por novas parcerias, também irá ajudar a criar um diálogo entre todas as obras. “As ideias são muito diferentes entre si, mas formam um todo, e a gente vai carregando as ideias de um episódio para outro”, explica Nuno.

Os dois primeiros episódios, o monumento virtual CHAMA e a performance Chão-Pão, podem ser vistos pelo site do projeto (sescsp.org.br/aextincaoeparasempre). Os próximos trabalhos seguem em desenvolvimento no laboratório artístico e seus desdobramentos públicos estarão sujeitos às possibilidades de interação que as mudanças no contexto da pandemia venham a permitir nos próximos meses. Conheça mais sobre o projeto clicando aqui.

Compartilhar:
Notícias - 23/09/2021

Paço das Artes abre inscrições para a Temporada de Projetos 2021/2022

Estão abertas as inscrições para a Temporada de Projetos 2021/2022, iniciativa do Paço das Artes, instituição da Secretaria de Cultura …

Notícias - 23/09/2021

Curta!On oferece documentários sobre artes visuais

Quem é apaixonado pelas artes visuais pode conhecer ou se aprofundar na vida, na obra e no processo criativo de …

Notícias - 22/09/2021

Arqueólogos descobrem arte em cavernas mais antiga do que as já registradas

Uma equipe de cientistas internacionais descobriu impressões antigas de mãos e pés que podem mudar nossa compreensão da arte rupestre …

Notícias - 22/09/2021

Edital seleciona artistas brasileiros para ilustrar relatório que será apresentado na ONU

Divulgar artistas brasileiros/as que abordam temas relacionados a direitos humanos em suas obras. Esse é o objetivo do edital Olhares …

Notícias - 22/09/2021

Trabalho póstumo de Christo e Jeanne-Claude é inaugurado em Paris

O sonho final, não realizado em vida, do artista Christo de “empacotar” o Arco do Triunfo em Paris finalmente se …

Notícias - 17/09/2021

Barbara Kruger e MArk Bradfort integram lista de 100 pessoas mais influentes de 2021 da Revista Time

Os artistas Barbara Kruger e MArk Bradfort figuram na lista de 100 pessoas mais influentes de 2021 da Revista Time. …

Notícias - 17/09/2021

Samsung fecha parceria com grandes museus para serviço de arte na TV

A Samsung Electronics Co. anunciou que assinou uma parceria com o Museu do Louvre para expandir seu serviço de assinatura …

Notícias - 17/09/2021

Professor de história da arte descobre obra do barroco italiano em igreja de Nova York

Um professor de história da arte em Westchester, Nova York, descobriu uma rara pintura barroca italiana em uma igreja local. …

Notícias - 17/09/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2022

A Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, divulga a …

Notícias - 16/09/2021

Artistas contemporâneos ocupam mobiliário urbano do Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro continua lindo e ganhou ainda mais cor com a exposição a céu aberto Arte Atua, que …

Notícias - 16/09/2021

"Ópera é chato", afirma Marina Abramovic na estreia de seu trabalho em Londres

“A ópera é chata”, afirmou Marina Abramovic em uma sala cheia de jornalistas na abertura de uma exposição de suas …

Notícias - 15/09/2021

Galerias comemoram bons resultados na ArtRio

A ArtRio encerrou sua 11ª edição, realizada em formato presencial, na Marina da Gloria, Rio de Janeiro, e em plataforma …