Novo livro coleta as melhores obras de arte recriadas do #GettyChallenge – e reflete sucesso do projeto

Edvard Munch, O Grito (1893). Recriação: @wanderwithnada.

A compreensão do público sobre a história da arte foi surpreendentemente sofisticada

Nesta primavera, quando as pessoas ao redor do mundo estavam se acostumando à vida em confinamento, o Museu Getty pediu aos seguidores das mídia sociais que participassem de um desafio. As regras eram simples: recrie sua obra de arte favorita com três itens em sua casa e publique uma imagem dela online.

Você sem dúvida viu exemplos: quarentena entediada desenhava noites estreladas em massas secas ou imitava temas do Velho Mestre usando rolos de papel higiênico; vestiam seus cães como garotas de brincos de pérola e ou as selfies personalizadas de Frida Kahlo.

O projeto foi um exemplo raro de arte visual atravessando a ampla consciência cultural em grande escala. Além disso, conseguiu fazê-lo de uma maneira que parecia demonstrativamente inclusiva, comunitária e educacional – adjetivos que aparecem em quase todas as declarações de missão de museus.

Mas por que esse truque específico da mídia social – que certamente não era o único do gênero – ressoava tanto com os quarentenários?

Édouard Manet, Jeanne (Primavera) (1881). Recriação: Jeannette Hulick.

Um novo livro que reúne centenas de imagens enviadas para o #GettyChallenge pode oferecer algumas respostas.

Off The Walls, como o título do livro, não pretende explicar o fervor que o projeto inspirou. Mas mostra os resultados em um único local. E agora que já passou algum tempo desde que essas recriações lúdicas dominaram nossos feeds, podemos examiná-los de maneira mais objetiva e fazer algumas suposições informadas.

“Acho que há algo de profundo em lidar com esse trauma mundial pelo qual estávamos passando”, diz a diretora assistente de conteúdo digital da Getty, Annelisa Stephan – uma das duas pessoas que estão por trás da iniciativa. “Foi curativo para algumas pessoas, olhando de fora, apenas para ver como as pessoas positivas – reagiam sobre o trabalho uma da outra. Pareceu uma nota de positividade que eu acho que era nutritiva em um cenário da COVID e da situação política.”

Francisco de Goya e Lucientes, Saturno devorando seu filho (ca. 1820-1823). Recriação: Mark Butterfield. Fotografia por Cleo Butterfield.

Inspirada na @tussenkunstenquarantaine, uma conta do Instagram com sede na Holanda, creditada como a primeira a apresentar o desafio da quarentena de recreação artística, a Getty lançou sua própria campanha em 25 de março. É difícil quantificar números, dada a maneira como o desafio foi engajado na Internet , mas Stephan estima que mais de 100 mil pessoas em todo o mundo enviaram suas fotos montadas. Em termos de gostos, ações e formas de engajamento mais passivo, ela diz que alcançou facilmente dezenas de milhões. O objetivo de uma campanha normal em museus como esta? Cerca de 25 ou 30 participantes.

“Em um milhão de anos, não tínhamos ideia de que isso ocorreria”, diz Stephan.

Alonso Sánchez Coello, Ana de Mendoza da Cerda, princesa de Éboli (século XVI). Recriação: Laura Belconde.

Imagens individuais também e as conexões temáticas que eles compartilharam com outros esforços de recreação podem nos induzir à dinâmica psicossocial que transformou o simples desafio da mídia social em um fenômeno global, explica Stephan. O papel higiênico estava em toda parte, é claro, assim como latas de comida – lembranças óbvias da vida em casa. Mas o que mais? E as obras de arte que estão sendo referenciadas? Eles eram pinturas famosas de pestilência e guerra ou cenas pastorais de escapismo quântico?

A compreensão pública da história da arte era surpreendentemente sofisticada. Os retratos dos mestres holandeses Rembrandt e Van Eyck, que usavam espelhos (na moldura e, provavelmente, fora dela) para pintar suas complexas composições, eram populares, sugerindo que os recriadores estavam de acordo com as camadas de perspectiva envolvidas em tirar e compartilhar uma selfie. O surrealismo também foi grande, pois os quarentenários recorriam frequentemente a Dalí, Magritte e De Chirico em busca de inspiração – o que faz sentido, dada a estranheza do momento.

Gustave Courbet, O Homem Desesperado (Auto-Retrato) (1843-1845). Recriação: Peter Adam Rebadomia.

Outros exemplos foram mais literais, mas não menos competentes: The Desperate Man (Self-Portrait) de Gustave Courbet fez várias aparições, assim como American Gothic de Grant Wood. O Grito de Munch foi uma escolha importante, mas quem entre nós não se sentiu afetado por essa ansiedade expressionista nesta primavera?

Off the Walls: Inspired Re-Creations of Iconic Artworks será lançado nos Estados Unidos em setembro. Todos os lucros do livro serão doados para Artist Relief, uma iniciativa de emergência que oferece recursos para artistas nos Estados Unidos.

Fonte e tradução: Artnet News

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …