Novo estudo revela fatos surpreendentes sobre A garota com brinco de pérolas

Johannes Vermeer, Girl With A Pearl Earring (1665). Photo: via Wikipedia Commons.

Após dois anos de estudos, o museu Mauritshuis, em Haia, revelou novas descobertas surpreendentes sobre o A garota com brinco de pérolas, a obra-prima holandesa da Era de Ouro de Johannes Vermeer.

Pesquisadores descobriram que o artista, de fato, pintou a garota com cílios, que desde então desapareceram da pintura. Enquanto isso, o fundo escuro da tela mostrava originalmente uma cortina verde. 

O museu divulgou as conclusões de seu projeto de pesquisa “A garota no centro das atenções ”, iniciado em 2018, durante uma apresentação on-line ontem. (A instituição está atualmente fechada como parte dos isolamentos de saúde pública.)

“Não, não descobrimos quem era essa jovem ou se ela realmente existia”, disse a diretora do museu Martine Gosselink em um comunicado em  vídeo. “Mas chegamos um pouco mais perto dela.”

O museu usou novos avanços tecnológicos que foram desenvolvidos desde a última vez em que a pintura foi estudada, em 1994, como técnicas não invasivas de imagem e digitalização, microscopia digital e análise de amostras de tinta. A pesquisa ocorreu nas galerias do museu, dentro de uma sala de vidro construída para a ocasião.

Um pesquisador da galeria Mauritshuis em Haia coloca a menina de Johannes Vermeer com um brinco de pérola dentro de um scanner.  Foto de Bart Maat / ANP / AFP via Getty Images.

Um pesquisador da galeria Mauritshuis em Haia coloca a menina de Vermeer com um brinco de pérola dentro de um scanner. Foto de Bart Maat / ANP / AFP via Getty Images.

Graças à varredura por fluorescência de raios X macro e ao exame microscópico, os pesquisadores conseguiram provar que Vermeer pintava minúsculos pêlos ao redor dos dois olhos e que havia detalhes de cortinas dobrados atrás dela. Anteriormente, pensava-se que a falta de cílios e o vazio informe do fundo indicavam que Vermeer estava pintando um rosto idealizado, e não uma pessoa real.

A descoberta desses detalhes ocultos, que não são mais visíveis ao olho humano, “coloca a garota em um espaço definido e nos aproxima muito dela”, disse o conservador e líder de projeto Mauritshuis, Abbie Vandivere.

Os pesquisadores também foram capazes de identificar as fontes dos pigmentos utilizados na pintura a óleo. Havia chumbo branco no Peak District no norte da Inglaterra, azul ultramarino de lápis-lazúli no Afeganistão atual, vermelho cochonilha feito de insetos no México e na América do Sul. Graças a um comércio próspero de produtos globais, Vermeer provavelmente conseguiu comprar esses materiais distantes em sua cidade natal, Delft.

“É surpreendente a cor ultramarina de alta qualidade que Vermeer usou no lenço da menina”, disse Vandivere. “Este pigmento azul era mais valioso que o ouro no século XVII.”

A pérola na menina de Johannes Vermeer, com um brinco de pérola, com ampliação de 140x.  Foto de Hirox Europe, Jyfel.

Ampliação de 140 vezes. Foto de Hirox Europe, Jyfel.

Quando o museu investigou a pintura pela última vez, descobriu que um segundo destaque na pérola não foi pintado por Vermeer, mas na verdade era um floco de tinta que havia caído e se recolocado na tela. Desta vez, eles notaram a maneira como ele renderizou o brinco, adicionando apenas algumas pinceladas de pigmento no fundo para criar a ilusão da jóia.

“Ele não tem contorno e também não tem gancho para pendurá-lo na orelha da garota”, disse Vandivere.

Agora, toda a pintura pode ser examinada de perto on-line , ampliando cada detalhe até 140 vezes.

Esquerda: Microfotografia digital 3D do olho direito da menina.  Imagem cedida por Hirox Europe, Jyfel  Direita: O mapa de fluorescência de raios X macro (MA-XRF) para ferro (Fe) mostra que a Vermeer pintou os cílios usando uma tinta marrom.  Ambas as imagens são mostradas com ampliação de 140x.  Imagem cortesia de Annelies van Loon, Mauritshuis / Rijksmuseum.

Esquerda: Microfotografia digital 3D do olho direito da menina. Imagem cortesia de Hirox Europe, Jyfel. Direita: O mapa de fluorescência de raios-X para ferro mostra que a Vermeer pintou os cílios usando uma tinta marrom. Imagem cortesia de Annelies van Loon, Mauritshuis / Rijksmuseum

A investigação da tela também revelou a ordem em que foi pintada. Vermeer primeiro usou linhas pretas para delinear a composição, antes de pintar o rosto, a jaqueta e o colar da menina. O lenço azul e o brinco de pérola foram os elementos finais adicionados à tela, exceto pela assinatura do artista.

“O fato de ela ainda ser um mistério mantém as pessoas curiosas e a mantém empolgante e renovada”, disse Vandivere. “É bom que alguns mistérios permaneçam e todos possam especular sobre ela. Permite às pessoas a sua própria interpretação pessoal da menina. Todo mundo sente sua própria conexão com a maneira como ela encontra seus olhos.”

Por Sarah Cascone

Fonte e tradução: Artnet news

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …