Novo estudo descobre os motivos dos delírios de Van Gogh antes do suicídio

Um estudo pioneiro sobre a saúde psiquiátrica de Vincent van Gogh nos anos anteriores ao seu suicídio descobriu que o artista estava delirando, em parte devido à abstinência do álcool após cortar sua orelha e ser internado no hospital.

Um artigo publicado por pesquisadores no International Journal of Bipolar Disorders apontou para evidências de que Van Gogh era cada vez mais dependente de vinho e absinto de 1886 até sua morte em 29 de julho de 1890 aos 37 anos.

Os últimos três anos da vida do artista foram alguns dos mais produtivos, durante os quais o artista holandês pintou mais de 30 autorretratos e a série de sete pinturas de girassóis.

Depois de dar ouvidos a uma mulher em um bordel, Van Gogh foi hospitalizado três vezes consecutivas em Arles, França, entre dezembro de 1888 e maio de 1889, e posteriormente transferido para o asilo de Saint-Rémy-de-Provence em maio de 1889.

Durante duas de suas internações, Van Gogh escreveu que sofreu “alucinações insuportáveis”, ansiedade e pesadelos. Ele descreveu como uma “febre ou loucura mental ou nervosa, não sei bem o que dizer ou como nomear”.

Os pesquisadores sugerem que os sintomas estão ligados a um período forçado sem álcool. Eles acrescentam que os dois delírios relacionados à abstinência foram seguidos por “episódios depressivos graves (dos quais pelo menos um com características psicóticas) dos quais ele não se recuperou totalmente, levando finalmente ao suicídio”.

“Aqueles que consomem grandes quantidades de álcool em combinação com a desnutrição, correm o risco de comprometimento da função cerebral, incluindo problemas mentais”, escreveram os pesquisadores. “Além disso, a interrupção abrupta do consumo excessivo de álcool pode levar a fenômenos de abstinência, incluindo delírio.

“Portanto, é provável que pelo menos a primeira breve psicose em Arles nos dias após o incidente na orelha durante o qual ele provavelmente parou de beber abruptamente, foi na verdade um delírio de abstinência de álcool. Só mais tarde em Saint-Rémy, quando foi forçado a minimizar ou mesmo parar de beber, provavelmente conseguiu e também não teve mais problemas de abstinência.”

O artigo esvazia uma série de outras teorias relacionadas à saúde mental de Van Gogh. Um dos primeiros diagnósticos após sua morte foi esquizofrenia, mas os pesquisadores descobriram que ele não exibia nenhum sintoma psicótico antes do incidente no ouvido aos 35 anos, nem durante os intervalos entre seus episódios psicóticos nos últimos 15 meses de vida. Eles observam a falta de sintomas relevantes, como diminuição da expressão emocional.

Os pesquisadores também sugerem que é improvável que Van Gogh tivesse sífilis, mesmo tendo recebido tratamento para gonorréia e Theo morrido seis meses depois dessa infecção. Eles não encontraram nenhuma sugestão de sífilis nos papéis dos médicos de Van Gogh.

Eles também duvidam da teoria de que ele sofreu envenenamento por monóxido de carbono de lâmpadas a gás em sua casa em Arles. “Não há outros relatos de (possível) envenenamento por monóxido de carbono em Arles”, disse o estudo.

Os autores, porém, não descartam que ele teve epilepsia nos últimos meses, “resultando em uma expressão altamente variável de ansiedade, delírios e alucinações”.

O estudo acrescentou: “Apesar de todos esses problemas que contribuíram para suas doenças, nós também gostaríamos de enfatizar que Van Gogh não foi apenas um grande e influente pintor, mas também um homem inteligente com uma enorme força de vontade, resiliência e perseverança.”

Fonte: The Guardian

Compartilhar:
Notícias - 30/11/2020

Instituto Bardi e Carbono Galeria lançam edição de personagem de Lina bo Bardi

Para celebrar os 35 anos do Polochon criado por Lina Bo Bardi, a Carbono Galeria e o Instituto Bardi têm …

Notícias - 30/11/2020

BNDES lança chamada para Patrimônio Cultural

Analisando o ano de 2020 e entendendo as necessidades da área de cultura, que também foi fortemente impactada pela pandemia, …

Notícias - 27/11/2020

Inscrições abertas para curso de introdução à arte-educação inclusiva

Já estão abertas as inscrições para a segunda turma do curso Introdução à Arte/Educação, Tecnologia Assistiva e Deficiência, do projeto …

Notícias - 27/11/2020

As obras cheias de tesouros de Sonia Gomes

Em seu estúdio São Paulo, a artista Sonia Gomes move-se de uma escultura para outra, embrulhando pano e dobrando arame …

Notícias - 27/11/2020

Galerias brasileiras se preparam para a Miami Art Week

A partir do dia 02 de dezembro a cidade de Miami, nos EUA, inicia sua semana dedicada à arte contemporânea, conhecida …

Notícias - 27/11/2020

Primeiro festival de realidade aumentada da América Latina acontece em São Paulo

Reconhecida mundialmente por sua relevância na cena de arte urbana, São Paulo recebe a primeira edição do Fest.AR – Graffitis …

Notícias - 27/11/2020

Sesc Piracicaba abre 15ª Bienal Naïfs do Brasil

Em 28 de novembro, o Sesc São Paulo abre ao público em sua unidade de Piracicaba a 15ª Bienal Naïfs …

Notícias - 25/11/2020

Estátua de Marilyn Monroe gera polêmica em Palm Springs

Uma escultura de Marilyn Monroe segurando sua saia desobediente é fonte de um debate acalorado em Palm Springs, Califórnia. O …

Notícias - 25/11/2020

Bicicleta desaparece de obra de Banksy

Uma bicicleta sem uma das rodas que acompanhava um mural de Banksy em Nottingham desapareceu, provocando tristeza e frustração na …

Notícias - 24/11/2020

Em meio a pico de casos de coronavírus, museus começam a fechar nos EUA

Em meio a uma onda de paralisações dos museus dos EUA, todas as oito instalações reabertas da Instituição Smithsonian na …

Notícias - 24/11/2020

7° Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel - Conheça os premiados

O Instituto Tomie Ohtake, com o apoio da AkzoNobel, divulga os três projetos premiados, via vídeo em suas redes sociais, …

Notícias - 24/11/2020

EAV Parque Lage lança edital para curso on-line com bolsas

Em resposta à pandemia de Covid-19, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV) atua de forma propositiva e …