Museu em Roterdã inaugura ambicioso projeto e abre sua reserva técnica para visitação

FOTO: Iris van den Broek

O Depot [depósito] Boijmans Van Beuningen deve abrir suas portas no dia 6 de novembro de 2021 – tornando toda a coleção de arte internacionalmente conhecida do Museu Boijmans Van Beuningen acessível ao público. Os museus em todo o mundo geralmente exibem apenas 6 a 10 por cento de suas coleções; o resto está na reserva técnica. Depot Boijmans Van Beuningen rompe com essa tradição oculta e torna visíveis todas as obras de arte invisíveis – uma inovação mundial. No icônico depósito de arte espelhado projetado pelo MVRDV, os 151.000 artefatos do museu estarão localizados no coração da cidade de Roterdã. Neste edifício, a coleção pode ser vista em massa e o cuidado, manuseio e restauração de artefatos tomam o centro das atenções. O visitante pode observar o que acontece nos bastidores de um museu, o que acarreta a conservação e o manejo de uma coleção. O que acontece no depósito não é de forma alguma encenado: o ‘back office’ do museu tornou-se sua ‘recepção’ e o cuidado com a coleção tornou-se parte do programa público. Além dos vários espaços para armazenamento e cuidado, a reserva técnica de arte de Rotterdam acomoda vários compartimentos privados e a uma altitude de 34 metros há um restaurante e espaço para eventos – bem como uma floresta no telhado. A venda de ingressos online já começou através do site do museu.

FOTO: Ossip van Duivenbode

A história do depósito

As reservas técnicas de arte nos porões do adjacente Museum Boijmans Van Beuningen eram inseguras, superlotados e antiquados. A partir de 2015, os depósitos do museu foram gradualmente esvaziados e os artefatos armazenados em cinco depósitos externos, na Holanda e no exterior. Como as enchentes estavam se tornando um problema mais frequente, realojar a coleção inestimável de mais de 151.000 artefatos nos subsolos do museu não era uma opção. A única solução foi um depósito externo. Toda a coleção do museu está agora acessível sob o mesmo teto em um depósito aberto no centro da cidade, em vez de ser trancado no meio de uma área industrial.

“Este é um prédio em funcionamento, onde cuidamos da melhor maneira possível de nossa coleção de arte mundial, enquanto ela permanece acessível ao público. A coleção de arte do museu pode ser vista mais uma vez em um só lugar, pela primeira vez desde 1935. Estamos convencidos que tornar a coleção acessível mostra o quanto nos preocupamos com ela e como a mantemos. Isso é algo de que os residentes de Roterdã podem se orgulhar, algo que eles vão querer ver com seus próprios olhos, já que são coproprietários desse enorme tesouro de arte”, explicam Sjarel Ex e Ina Klaassen, diretores do Depot Boijmans Van Beuningen

FOTO: Iris van den Broek

Em retrospecto: 172 anos de colecionismo

A coleção de Boijmans Van Beuningen é a única coleção de museu na Holanda que permite aos visitantes se familiarizarem com sete séculos de história da arte da mais alta qualidade – principalmente do mundo ocidental – de 1400 até o presente. O museu oferece uma perspectiva internacional e faz conexões entre a arte contemporânea e o design, juntamente com a arte histórica e a coleção de impressos. A amplitude e composição da coleção são únicas e a qualidade das obras individuais é alta.  O impulso mercantil de Rotterdam e a iniciativa privada são os pilares da história do museu. Os barões do porto do passado destacaram sua orientação internacional e olhar global colecionando arte de alta qualidade. Juntamente com colecionadores de pequena escala e a equipe do museu, eles acumularam uma extensa coleção de arte internacional que inclui obras importantes de quase todos os grandes mestres, mas também as mais belas obras de artistas menos conhecidos. Não existe outro museu na Holanda que ostente uma coleção tão internacional em sua composição e se estenda por tantos séculos.

The Boijmans Collection

A coleção de arte mundialmente famosa do museu compreende aproximadamente 151.000 objetos: mais de 63.000 pinturas, fotografias, filmes, design pré-industrial e objetos de design, instalações de arte contemporânea e esculturas, bem como 88.000 gravuras e desenhos. Com sua diversidade de pontos focais e qualidades ao longo dos séculos, a coleção parece um mapa-múndi. A coleção é distinta por suas três áreas principais: ‘Velhos mestres, novas visões’, ‘Surrealismo e o surreal’ e ‘Olhando para o futuro’. É uma coleção de arte que olha para o futuro. Atualmente está sendo transferida dos depósitos externos para o Depot Boijmans Van Beuningen.

FOTO: Ossip van Duivenbode

Cuidando da arte

As obras no novo depósito são armazenadas, organizadas e exibidas de acordo com os requisitos climáticos, ao invés de um movimento ou era de arte. Existem cinco zonas climáticas diferentes, adequadas para os diversos materiais, sejam eles metal, plástico, papel, fotografia em preto e branco e a cores. Os objetos são embalados, pendurados em um rack ou exibidos em um gabinete; os destaques são exibidos em uma das treze grandes vitrines de vidro suspensas no átrio. Impressões, desenhos e fotografias são mantidos em espaços fechados, mas há oportunidade de ver essas coleções em duas áreas de estudo. O acervo de filmes e vídeos pode ser consultado em espaços especiais de exibição.

A experiência do depósito

Os visitantes são testemunhas em primeira mão do máximo cuidado envolvido na conservação, restauração, transporte e estudo de cada artefato. Isso oferece uma transparência sem paralelos sobre o papel ativo que um museu desempenha na sociedade: o que um museu faz e como ele cuida de seus efeitos. O percurso pelo depósito coloca o visitante em contato com a coleção de arte de várias maneiras. O que chama a atenção no design é o átrio com os lances de escada entrecruzados e as 13 grandes vitrines de vidro. As escadas do átrio levam aos seis níveis com compartimentos de depósito e oficinas de restauração, filmes e espaços de apresentação. Atrás de um vidro, os estúdios de restauração permitem que os visitantes assistam a esse trabalho altamente especializado, envolvendo-os por meio de materiais educativos interativos. As salas de apresentação oferecem exposições que exploram o artefato como um objeto material, em vez de no contexto de desenvolvimentos e ideias da história da arte. Nos compartimentos de depósito as pessoas podem ver (através do vidro ou por dentro com uma guia) como as obras são armazenadas.

FOTO: Ossip van Duivenbode

Função comercial

Além da função do depósito como sala de máquinas do museu, ele também terá uma função comercial. Parte do edifício pode ser alugado como espaço de armazenamento de arte pertencente a colecionadores privados e coleções corporativas, como a coleção da gigante das telecomunicações KPN. Os “inquilinos” desses compartimentos também podem abri-los ao público, e suas coleções receberão o mesmo nível de serviço e profissionalismo que as do próprio museu. O sexto andar, acessível por elevador expresso, situa-se a cerca de 34 metros de altura e oferece uma vista panorâmica deslumbrante da cidade: o restaurante com esplanada e o espaço para eventos alugável. Uma loja de depósito abastecida com livros e objetos de design completa a experiência.

Design: MVRDV

Compartilhar:
Notícias - 22/10/2021

Obra de Lygia Clark ganha portal com mais de 7mil itens

No dia 23 de outubro (sábado), dia em que a artista Lygia Clark completaria 101 anos, a Associação Cultural Lygia …

Notícias - 22/10/2021

Andressa Cantergiani realiza a primeira performance com interferência feita via NFT do mundo

Durante a pandemia de Covid-19 artistas de todo mundo se reinventaram e estão revolucionando o mercado da arte por meio …

Notícias - 22/10/2021

Fábrica de Graffiti lança convocatória nacional

A próxima parada da Fábrica de Graffiti é em Sabará (MG), onda será pintado um muro de 2 mil m² …

Notícias - 20/10/2021

Judy Chicago enche os céus de São Francisco de fumaça

Em conjunto com a popular retrospectiva de Judy Chicago (até 9 de janeiro de 2022) no de Young Museum em …

Notícias - 20/10/2021

Obra triturada de Banksy é vendida por US$ 25,4 milhões

Qual obra de arte se torna muito mais valiosa depois de ser danificada pelo artista – cuja identidade, por acaso, …

Notícias - 19/10/2021

Vem aí a primeira exposição de arte contemporânea nas pirâmides do Egito

Pela primeira vez na história, as pirâmides de Gizé servirão de cenário para uma exposição de arte contemporânea. Forever Is …

Notícias - 18/10/2021

17ª SP-Arte aposta em modelo híbrido

Em sua 17ª edição, a SP-Arte – Festival Internacional de Arte de São Paulo, acontece de 20 a 24 de …

Notícias - 18/10/2021

Museus de Viena estão expondo obras no site adulto OnlyFans

Em um esforço para evitar a censura por plataformas de mídia social como Instagram, Facebook e TikTok, o Conselho de …

Notícias - 15/10/2021

Ruas de São Luís recebem performances

Quando corpo e rua se encontram, muitas histórias podem ser contadas e, mais do que isso, podem ser sentidas e …

Notícias - 15/10/2021

Centro do Rio ganha novo espaço de arte

Os cariocas e o Centro do Rio de Janeiro ganham uma nova opção de cultura com conteúdo e lazer. Com …

Notícias - 12/10/2021

Projeto Latitude apoia participação de galerias brasileiras na Frieze London, FIAC Paris 2021 e SP-Arte 2021

Marcando presença em importantes feiras internacionais, cinco galerias brasileiras figurarão em dois eventos de grande prestígio no mês de outubro, …

Notícias - 12/10/2021

Leilão de fotos em NFT destinará arrecadação para ações do SOS Pantanal

Até o dia 16/10 ocorre, virtualmente, o primeiro leilão de fotos em NFT 100% beneficente para ajudar em ações de …