Musée d’Orsay homenageia mulheres negras dando nomes a elas em obras de arte como “Olympia” de Manet

Marie-Guillemine Benoist, “Portrait of Madeleine”

A mostra Modelos negras: de Géricault a Matisse, temporariamente renomeia trabalhos com modelos negras historicamente anônimas para homenagea-las.

O Musée d’Orsay renomeou temporariamente os trabalhos apresentados em sua exposição Modelos Negras: de Géricault a Matisse, para homenagear os temas e figuras negras em pinturas icônicas. A Olympia de Édouard Manet (1863), por exemplo, foi renomeada para Laure homenageando a empregada retratada na tela. Outros trabalhos com o título da mostra incluem peças de Paul Cézanne, Pablo Picasso e Marie-Guillemine Benoist, cujo Retrato de uma Mulher Negra (1800) foi renomeado para Retrato de Madeleine.

Édouard Manet, “Laure” (1863)

“Escrevi para meus colegas do museu no Louvre, Quai Branly, para informá-los da decisão que tomamos para renomear certas obras com um olho para a evolução da sociedade, e todos apoiaram essa iniciativa”, disse Laurence des Cars, a diretora do Musée d’Orsay.

“Isso não teria sido possível dez, talvez até cinco anos atrás”, acrescentou.

Black Models” é uma versão expandida de uma exposição que estreou no ano passado na Wallach Art Gallery em New York City, onde foi curada por Denise Murrell e intitulada “Posicionando a Modernidade: A Modelo Negra de Manet e Matisse hoje”.

A exposição é baseada na dissertação de Denise Murrell de 2013 para o departamento de história da arte e arqueologia da Universidade de Columbia. Murrell traça a linhagem da figura feminina negra na arte moderna desde a “Olympia” de Édouard Manet (1865) até o século 21, examinando os modos mutáveis ​​de representação histórica da arte oferecida às mulheres negras, muitas vezes reduzidas a tropos anônimos. Murrell enfoca especificamente as mulheres negras na representação artística francesa nos séculos 19 e 20, começando com os trabalhos de Manet e Matisse.

Murrell diz que muitas dessas identidades femininas têm sido encobertas por “referências raciais desnecessárias”, como negras ou mulatas. “Foi a história da arte que as deixou de fora. Contribuiu para a construção dessas figuras como tipos raciais em oposição aos indivíduos que eram”, diz Murrell.

O trabalho mais famoso da exposição, “Olympia” de Manet, é frequentemente identificado como o nascimento da arte moderna. No contexto de modelos negras, Murrell coloca um grande foco na história de Laure para destacar um novo foco na pintura, que apresenta uma mulher reclinada nua sendo servida por uma empregada.

Pouco se sabe sobre Laure, embora a imagem icônica tenha sido apropriada e revisitada pelos artistas há mais de um século. Em 1862, Manet escreveu uma breve descrição dela em seu caderno: “Laure, negra muito bonita. Rue Vintimille, 11, 3º andar”. Ela também modelou em “Children in the Tuileries Gardens” (1862) de Manet .

A exposição também exibe retratos de indivíduos negros de Delacroix, Gauguin, Picasso, Bonnard e Cézanne, como Jeanne Duval, muitas vezes chamada de “Vênus Negra”, que foi amante e musa do poeta Baudelaire e também foi pintada por Manet.

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …