Mapas indígenas do século XVI mostram visões não-eurocêntricas do mundo

Mizantla, México, 1579

Ao mesmo tempo em que a Espanha começou a explorar as Américas habitadas, os cartógrafos europeus concentraram-se em criar mapas com precisão geométrica cada vez maior e depois reproduzir os mesmos por meio de gravuras e xilogravuras. Mas os europeus não foram os únicos a criar representações de geografias e espaços de mapas nas Américas – e sua cartografia matematicamente não foi a única maneira de registrar as paisagens do século XVI.

Mapeando a memória: espaço e história no século XVI – México – atualmente em exibição no Museu de Arte Blanton, em Austin, Texas – apresenta 20 mapas desenhados por artistas indígenas a pedido dos espanhóis entre 1579 e 1581. Esses mapas ilustram a fusão de tradições visuais durante os primeiros anos de contato entre grupos indígenas e colonizadores.

“O que os mapas melhor nos mostram é o mundo indígena – como seus habitantes, ainda se recuperando, sem dúvida, dos golpes da conquista, reformularam seus mapas outrora insulares para acompanhar as rápidas mudanças em sua compreensão do mundo circundante”, afirma a historiadora Barbara Mundy.

A maioria foi criada com aquarelas e tinta sobre papel, embora um artista ilustrando Atengo e Misquiahuala tenha utilizado tempera de pele de veado. O estilo de cada um é único, assim como as cores e pinceladas; a maioria mede aproximadamente 16 a 24 polegadas por 24 a 36 polegadas, em composições de paisagem e retrato, mas outros possuem grandes dimensões.

Atengo e Misquiahuala, México, 1580

O mapa comunidade Mixteca de Teozacoalco (na atual Oaxaca) – um dos exemplos em grandes dimensões – além de mapear os limites da cidade, registra a língua local como chiyo ca’nu e descreve 46 topônimos logográficos e 10 gerações de governantes locais. Cidades menores na esfera de influência de Teozacoalco são mostradas conectadas por uma rede de rios e estradas. Esse mapa, ao contrário dos mais compactos, foi claramente dobrado, desdobrado e redobrado ao longo do tempo. Manchas escuras ao longo das dobras do mapa ressaltam que o mapa era um objeto circulante, parte da construção do império espanhol.

Além das pinturas, a exposição apresenta impressões do século XVI das cartas de Cortés ao rei Carlos V, da Espanha, justificando sua expedição e caracterizando a subsequente guerra hispano-mexica como uma conquista absoluta para a Espanha. Também está em exibição o decreto de 1529 de Charles V, que nomeia Cortés como capitão-general da Nova Espanha.

Mapping Memory oferece um retrato incrivelmente sutil do legado material do império e lembra ao público que as tradições visuais indígenas de mapeamento perseveraram-se nas décadas seguintes ao contato com os espanhóis.

Teozacoalco, Mexico, 1580

 

Fonte: Hyperallergic

Compartilhar:
Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …

Notícias - 16/10/2020

Famoso artista chinês desafia fronteira EUA-México para pintar e mostra processo em vídeo

Para o artista contemporâneo Liu Xiaodong, a história pessoal é a maior fonte de inspiração. Sua infância na China rural e …

Notícias - 16/10/2020

Foto impressionante de Vik Muniz é uma homenagem a um grande artista americano

Se você está familiarizado com a arte americana contemporânea, a imagem de uma estação da Standard Oil pode trazer imediatamente …

Notícias - 16/10/2020

A história de vida de Artemisia Gentileschi será tema de uma série de tv

A vida de Artemisia Gentileschi (1593-1652), a grande pintora barroca que é o tema da tão aclamada exposição da London National Gallery, será …

Notícias - 15/10/2020

Exposição na Paulista chega à sexta edição com o tema “Liberdade e Democracia”

Uma realização da União Geral dos Trabalhadores – UGT, A Exposição na Paulista traz 15 obras de 18 artistas de …

Notícias - 13/10/2020

Artistas colorem empenas em BH e marcam maior mural assinado por uma artista indígena no mundo

Em menos de duas semanas, artistas negros e indígenas pintaram empenas gigantes na capital de Minas Gerais levando resistência e afeto …

Notícias - 02/10/2020

Como a arte inspira o cinema e o cinema inspira a arte?

Como os artistas contemporâneos do cinema conseguiram trazer os temas e técnicas das maiores pinturas para o grande ecrã

O 77º …