Mapas indígenas do século XVI mostram visões não-eurocêntricas do mundo

Mizantla, México, 1579

Ao mesmo tempo em que a Espanha começou a explorar as Américas habitadas, os cartógrafos europeus concentraram-se em criar mapas com precisão geométrica cada vez maior e depois reproduzir os mesmos por meio de gravuras e xilogravuras. Mas os europeus não foram os únicos a criar representações de geografias e espaços de mapas nas Américas – e sua cartografia matematicamente não foi a única maneira de registrar as paisagens do século XVI.

Mapeando a memória: espaço e história no século XVI – México – atualmente em exibição no Museu de Arte Blanton, em Austin, Texas – apresenta 20 mapas desenhados por artistas indígenas a pedido dos espanhóis entre 1579 e 1581. Esses mapas ilustram a fusão de tradições visuais durante os primeiros anos de contato entre grupos indígenas e colonizadores.

“O que os mapas melhor nos mostram é o mundo indígena – como seus habitantes, ainda se recuperando, sem dúvida, dos golpes da conquista, reformularam seus mapas outrora insulares para acompanhar as rápidas mudanças em sua compreensão do mundo circundante”, afirma a historiadora Barbara Mundy.

A maioria foi criada com aquarelas e tinta sobre papel, embora um artista ilustrando Atengo e Misquiahuala tenha utilizado tempera de pele de veado. O estilo de cada um é único, assim como as cores e pinceladas; a maioria mede aproximadamente 16 a 24 polegadas por 24 a 36 polegadas, em composições de paisagem e retrato, mas outros possuem grandes dimensões.

Atengo e Misquiahuala, México, 1580

O mapa comunidade Mixteca de Teozacoalco (na atual Oaxaca) – um dos exemplos em grandes dimensões – além de mapear os limites da cidade, registra a língua local como chiyo ca’nu e descreve 46 topônimos logográficos e 10 gerações de governantes locais. Cidades menores na esfera de influência de Teozacoalco são mostradas conectadas por uma rede de rios e estradas. Esse mapa, ao contrário dos mais compactos, foi claramente dobrado, desdobrado e redobrado ao longo do tempo. Manchas escuras ao longo das dobras do mapa ressaltam que o mapa era um objeto circulante, parte da construção do império espanhol.

Além das pinturas, a exposição apresenta impressões do século XVI das cartas de Cortés ao rei Carlos V, da Espanha, justificando sua expedição e caracterizando a subsequente guerra hispano-mexica como uma conquista absoluta para a Espanha. Também está em exibição o decreto de 1529 de Charles V, que nomeia Cortés como capitão-general da Nova Espanha.

Mapping Memory oferece um retrato incrivelmente sutil do legado material do império e lembra ao público que as tradições visuais indígenas de mapeamento perseveraram-se nas décadas seguintes ao contato com os espanhóis.

Teozacoalco, Mexico, 1580

 

Fonte: Hyperallergic

Compartilhar:
Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …