Manuscrito de Van Gogh é destruído em pedaços

Annie Slade-Jones, proprietária de Van Gogh em Isleworth Foto: cortesia do Museu Van Gogh, Amsterdã

Seis páginas de poemas e textos copiados por um jovem Vincent van Gogh escrito para uma mulher de Isleworth, no Reino Unido, foram tratados como se fossem relíquias de um santo medieval: cortados e distribuídos a vários proprietários. Uma tesoura foi usada para desmembrar o manuscrito, cortando-o em pedaços, na tentativa de maximizar seu valor financeiro.

Esse ato de vandalismo moderno significa que os textos de Van Gogh foram separados, com fragmentos espalhados entre coleções particulares desconhecidas. Como ele escreveu nos dois lados de três folhas, os poemas no verso são cortados no meio.

A Art Newspaper pode revelar que metade dos textos de Van Gogh acabaram no Getty Research Institute, em Los Angeles, uma parte ilesa desse escândalo.

As páginas estavam contidas em um álbum com capa de couro que originalmente pertencia a Annie Slade-Jones, proprietária desses poemas de Van Gogh em Isleworth, no oeste de Londres. Seu marido, o reverendo Thomas Slade-Jones, administrava uma escola e Van Gogh, então com 23 anos, morava lá enquanto trabalhava como professor de outubro a dezembro de 1876, depois de ter sido demitido como assistente de revendedor de arte.

A segunda das seis páginas de Van Gogh no álbum, fotografada na década de 1970 antes de ser cortada

A segunda das seis páginas de Van Gogh no álbum, fotografada na década de 1970 antes de ser cortada Foto: cortesia do Museu Van Gogh, Amsterdã

Vincent se deu bem com Annie, embora ela odiasse o cheiro do cachimbo onipresente dele. Em uma ocasião, ele disse a seu irmão Theo, que lhe deu violetas perfumadas: “Comprei algumas para a Sra. Jones para compensar o cachimbo que fumo aqui de vez em quando, principalmente no final da tarde no parque infantil. O tabaco aqui é bastante forte.”

Annie recebeu o álbum em seu aniversário de 16 anos em 1855. Durante o resto da vida, convidou amigos íntimos para escrever neste precioso volume, com a última anotação adicionada poucos meses antes de sua morte em 1923, aos 86 anos. Ao todo, existem 180 páginas de escrita, de 60 amigos.

A contribuição de 5.000 palavras de Van Gogh foi uma das mais longas. Seus textos vieram de fontes publicadas: poesia, passagens da Bíblia, hinos e escritos literários. Eles estavam em holandês, inglês, francês ou alemão – evidência de suas habilidades linguísticas. Numa sétima página, colou uma impressão do Cristo de  no Monte das Oliveiras (1855), de Paul Delaroche.

Outra mão, provavelmente a de Annie, escreveu a lápis no final da última página de seu texto: “Vincent Van Hoch” [ sic ]. Sem essas palavras escritas a lápis, os descendentes de Annie provavelmente nunca teriam percebido que os textos foram escritos por seu jovem inquilino holandês.

Trabalho de detetive

O Art Newspaper rastreou o que aconteceu com o álbum de Annie. Passou para a neta, Constance Violet Slade-Jones, que morreu em 1986. No final da vida, Constance deu o álbum a um parente, o dramaturgo Francis Sewell Stokes.

Stokes tentou leiloar o álbum na Sotheby’s em Londres em 1977 e novamente no ano seguinte, mas mesmo com as páginas de Van Gogh, não conseguiu vender. Após sua morte em 1979, seus herdeiros a ofereceram novamente na Sotheby’s em 1980. Desta vez, foi vendido – por apenas 550 libras. John Wilson, um revendedor de autógrafos de Oxford, comprou em nome de um revendedor estrangeiro.

Em algum momento no final dos anos 80, uma pessoa não identificada removeu as páginas de Van Gogh do álbum e cortou os textos individuais. Uma folha de frente e verso e quatro fragmentos, representando metade do texto, foram posteriormente comprados por Alistair McAlpine, um lorde britânico que montou uma coleção eclética de objetos que variam de uma pintura de Rothko a um pênis de dinossauro. Em 1986, McAlpine vendeu grande parte de sua coleção de manuscritos para o Getty Museu, incluindo os textos de Van Gogh, através do revendedor americano Kenneth Rendell. Esses fragmentos de Van Gogh foram então avaliados em US$ 9.000.

Os curadores do Getty sabiam que os textos haviam sido escritos por Van Gogh, mas não perceberam que tinham vindo do álbum de Annie. O material não foi ilustrado on-line pela Getty e só foi consultado por sete pessoas nos últimos 20 anos. Os curadores do Museu Van Gogh, em Amsterdã, não sabiam que os textos acabaram no Getty.

Fonte/tradução: The Art Newspaper

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …