MAM Rio lança programa Clube de Colecionadores em ação solidária

Maxwell Alexandre, Sem título, série Reprovados, 2019

O MAM Rio acaba de lançar o programa Clube de Colecionadores em ação solidária, a fim de apoiar duas importantes iniciativas de arte e cultura do Rio de Janeiro, que atuam em ações sociais junto a artistas e comunidades, no momento da pandemia de Covid-19: Lanchonete<>Lanchonete (Pequena África – Gamboa, RJ) e Galpão Bela Maré (Maré, RJ).

A venda das obras da edição #6 do Clube de Colecionadores será revertida para as instituições acima citadas, que atuam em ações sociais unindo arte e cidadania. Neste momento, estão disponíveis para aquisição apenas os 50 conjuntos de múltiplos remanescentes.

Os conjuntos (R$ 6.800, cada) são compostos por cinco trabalhos produzidos, em 2019, por Anna Bella Geiger, Daniel Senise, Denilson Baniwa, Marcelo Cidade e Maxwell Alexandre. Seguem anexadas imagens de divulgação.

Em reconhecimento ao apoio a este projeto, o MAM Rio presenteará cada compraddor com a adesão ao programa Amigos do MAM (Categoria Amigo Individual), para que os colecionadores poderão usufruir dos benefícios que o programa oferece, pelos próximos doze meses.

A curadoria seleciona cinco artistas, brasileiros ou residentes no Brasil. A seleção se dá pensando na diversidade: cada edição deve ter artistas de diferentes gerações e que trabalhem com diferentes suportes. Dessa maneira, acreditamos poder mostrar a cada edição um panorama variado de propostas e poéticas artísticas e até mesmo de definições possíveis do que é arte.

A proposta de cada artista é discutida e aprovada com a curadoria. A tiragem é de 100 exemplares. O MAM Rio paga para cada artista um pró-labore, fica com uma Prova do Artista (P.A.) de cada obra e dá para o artista 2 PAs de sua obra. Em edições anteriores, cada artista recebia uma P.A. de sua obra e uma obra dos outros artistas que participam da mesma edição (isso fazia com que da tiragem de 100, na verdade 96 ficassem disponíveis para venda). Só é possível comprar o conjunto de 5 obras inteiro. Obras não são vendidas separadamente. Há desconto para pagamento à vista.

A partir dessas considerações, acreditamos que podemos estimular não só o início de uma coleção (vendendo trabalhos com preços e condições de pagamento acessíveis) como ampliar para além de suportes convencionais (como gravura ou fotografia…) o interesse de colecionadores já atuantes (em diferentes escalas de coleção). O programa é também um estímulo para artistas pensarem em uma obra com tiragem de 100 exemplares.

Apresentação

Criado em 2004, o Clube dos Colecionadores do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro nasceu com o objetivo de democratização e popularização da arte a partir do estímulo à formação de novas coleções. A cada edição, a Curadoria de Artes Visuais convida cinco artistas brasileiros, de diferentes gerações e regiões do país, a desenvolverem trabalhos em formato de múltiplo pensados exclusivamente para essa ocasião. O resultado é um conjunto que revela potentes possibilidades poéticas na nossa produção contemporânea.

Em sua sexta edição, o Clube dos Colecionadores apresenta ao público obras de Anna Bella Geiger, Daniel Senise, Denilson Baniwa, Marcelo Cidade e Maxwell Alexandre. Com uma trajetória intimamente ligada à história do museu, Anna Bella Geiger propõe um trabalho que reúne elementos basilares de sua produção de mais de seis décadas: a referência à burocracia, a imagem de mapas e a apropriação da prática da gravura. O tempo e a memória também são temas caros para Daniel Senise, que aqui dá nova dobra à sua pesquisa ao usar como base de seu trabalho uma fotografia realizada por seu pai há 60 anos; e Denilson Baniwa desenvolve sua prática artística com base em sua origem indígena e nas referências culturais de seu povo.

Fernando Cocchiarale e Fernanda Lopes

 

Sobre as obras

“A sequência das quatro mulheres pronunciando a palavra BU-RO-CRA-CIA surgiu em 1974 como um dos “assuntos” para uma das páginas do meu caderno de artista–cartilha intitulado Sobre a Arte . É uma referência a um anúncio dos anos 1930 de um produto de brilhantina em que quatro rostos de mulher pronunciam silabicamente o nome da marca. Nas outras seis páginas do pequeno caderno constam as palavras IDEOLOGIA, AVENTUREIRISMO, e CORRENTES Dependentes/Dominantes, entre outras questõe s polêmicas na época .

Ainda em 1974, passei o desenho da “Burocracia” para a gravura em metal e para a pintura, mantendo propositalmente certo estilo de cartaz popular em que as palavras não possuem um padrão gráfico de “qualidade”. As diversas expressões que surgem nas faces dessas mulheres surpreendem a mim mesma, pois vem de lembranças de rostos bem antigos – p rincipalmente as mulheres negras e as mulatas que me recordam minhas antigas vizinhas de bairro, no Catete. Em algumas delas surge também um autorretrato de quando eu tinha 25 anos”.

Anna Bella Geiger
“Burocracia – O Mundo”, 2019
serigrafia e aquarela sobre papel Avório 250 g/m², 50 x 70 cm

Quando eu era criança, meu pai, aviador, costumava fotografar suas viagens. Seu acervo de negativos está guardado comigo e uma boa parte dele é de nuvens. O trabalho que propus para o Clube dos Colecionadores usa uma dessas nuvens como elemento central: um momento no céu do norte ou do nordeste do Brasil há 60 anos, reenquadrado agora por mim.

Daniel Senise
“Sem título (nuvem)”, 2019
impressão com tinta pigmentada e serigrafia em uma cor sobre papel de fibra de algodão Hahnemühle Photo Rag Baryta 315g/m², 58,5 x 58,5 cm

“No início do mundo havia a grande Cobra-Canoa-da-Transformação e foi ela quem levou embarcados em seu ventre todos primeiros humanos aos seus lugares onde vivem atém hoje. Esta grande serpente que veio do céu em forma de raio e relâmpago chama-se Pamurĩ Yuhkusiru. Na cidade em meio ao concreto e ferro, transitando diariamente no subterrâneo e com seu ventre abarrotado com diversidade incontáveis de identidades leva os humanos atuais aos seus lugares, a esta grande serpente de metal e olhos de leds dou o nome de Metrô-Pamurĩ-Mahsã (Cobra-Canoa-da-Gente-Metrôpolitana)”.

Denilson Baniwa
“Metrô-Pamuri-Mahsã”, 2019
serigrafia em cinco cores sobre papel Hahnemühle 300g/m2, 34 x 34 cm

“O que proponho é um trabalho colaborativo entre o museu e eu, resultante em um contrato social. evidenciando essa troca como parte do trabalho. No documento, o museu se compromete a usar sua importância institucional para negociar a retirada de circulação de 100 gatilhos de armas de fogo que foram apreendidas pela polícia carioca. Os gatilhos dessas armas seriam doados (adquiridos) ao museu, e integrariam, junto com o contrato, o múltiplo que os colecionadores vão receber. A chave do trabalho é o fato de que uma arma sem gatilho não funciona, e a intenção da obra vai ser tentar romper com a lógica armamentista a partir do desmonte literal de 100 armas”.

Marcelo Cidade
“Alerta de gatilho”, 2019
impressão à laser sobre papel opaline 120g/m² e linha de algodão em passepartout, 50 x 55 cm

“Sabendo que o convite do MAM para participar da 6ª edição do Clube dos Colecionadores seria para um trabalho com tiragem de 100 exemplares, logo me veio à cabeça algo relacionado a série Reprovados (2018), sobre a rede municipal de ensino do Rio de Janeiro. A ideia de múltiplos poderia se referir a quantidade de alunos de uma turma, um pátio, ou ônibus escolar.

Eu sabia que para essa ocasião de reprodutibilidade técnica, trabalhar com síntese era um caminho pertinente e até tradicional, mas a chance de afirmar meu glossário com uma única imagem repetida 100 vezes parecia ser uma solução pontual. Então escolhi a camisa da escola pública e como suporte o papel pardo, sínteses das séries Reprovados e Pardo é Papel (2018), respectivamente.

Motivo e suporte definidos, a decisão mais potente apareceu quando entendi que o trabalho deveria ser pintado. As camisas de escolas servem para uniformizar/padronizar, mas vestem indivíduos. Pintar 100 camisas uma a uma, a mão, era uma maneira honesta de cruzar essas duas premissas. A única matriz usada no processo foi minha memória, do objeto idealizado ao gesto”.

Maxwell Alexandre
“Sem título”, série Reprovados, 2019
acrílica e graxa de sapato sobre papel pardo, 120 x 80 cm

Compartilhar:
Notícias - 28/10/2020

Em fotografia: como a pandemia ressignificou o cotidiano

Por Milena Buarque Lopes Bandeira (Itáu Cultural)
Com o mundo em suspensão, olhares vacilantes e temerosos voltaram-se para dentro. O silêncio …

Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …