Louvre quer comprar obra-prima de Rembrandt e antecipa ingressos para esperada mostra de Da Vinci

Vinci Léonard de (1452-1519). Paris, musée du Louvre. INV778.

O Louvre está se preparando para multidões de espectadores ansiosos neste outono, enquanto prepara uma retrospectiva sem precedentes de Leonardo da Vinci.

Além do fato de que 2019 marca o aniversário de 500 anos da morte do artista, a exposição é o culminar de mais de uma década de trabalho, incluindo novos exames científicos e tratamentos de conservação de várias das pinturas mais famosas do Louvre.

Para aliviar a superlotação, o museu está implementando uma política de emissão temporizada de ingressos que “nos permitirá gerenciar o fluxo de visitantes e impedi-los de fazer fila”, disse o diretor-executivo do Louvre, Jean-Luc Martinez. As reservas serão “principalmente on-line” e obrigatórias para todos os visitantes, incluindo os 40% que entram no museu gratuitamente. Isso inclui visitantes com menos de 18 anos, residentes na Área Econômica Europeia com menos de 26 anos, pessoas à procura de emprego, deficientes e jornalistas.

A decisão veio depois que o número de visitantes do Louvre ultrapassou 10 milhões no ano passado, tornando-o – mais uma vez – o museu mais bem frequentado do planeta. “Nenhum outro museu no mundo alcançou esse número”, disse Martinez. (Cerca de 25.000 a 50.000 pessoas visitam o museu todos os dias.)

O Louvre, que tem a maior coleção de pinturas de Leonardo da Vinci no mundo, além de 22 desenhos, aproveita a oportunidade, neste ano de comemorações, de reunir o maior número possível de obras do artista em torno das cinco obras-primas (A Virgem das Rochas, A Bela Ferronnière, Mona Lisa, São João Batista e Santa Ana) em suas coleções.

O plano é colocar as pinturas ao lado de uma grande variedade de desenhos e um pequeno mas significativo grupo de pinturas e esculturas do círculo do mestre.

“Leonardo da Vinci” acontecerá no Louvre de 24 de outubro de 2019 a 24 de fevereiro de 2020.

 

 

O Portador Padrão de Rembrandt (1636)

O Portador Padrão de Rembrandt (1636) Imagem via Wikicommons

Ainda sobre o Louvre, o museu está planejando comprar The Standard Bearer (1636), de Rembrandt van Rijn, depois que o ministro da Cultura da França, Franck Riester, anunciou que ele foi classificado como um “tesouro nacional”. Em 19 de abril, o Journal Officiel , que publica as principais mudanças e decisões legais da França, imprimiu o decreto adiando a licença de exportação da pintura e dando aos museus nacionais a primeira recusa no trabalho – o chamado “pré-esvaziamento”.

O Louvre agora tem 30 meses para encontrar os fundos necessários – um montante não revelado – para evitar que o trabalho deixe o país. A pintura extravagante de uma figura em tamanho real pertence à filial francesa da família Rothschild há mais de 180 anos.

Quando Jacob James de Rothschild comprou o The Standard Bearer por £ 840 em 1840, em uma venda da Christie’s em Londres, foi talvez a primeira compra de um Rembrandt por um membro da família bancária. O trabalho foi herdado por seu filho Edmond de Rothschild, que doou uma coleção de 40.000 gravuras e 3.000 desenhos para o Louvre, incluindo uma seleção de gravuras e desenhos de Rembrandt, em 1935. A pintura, que estava anteriormente na coleção do monarca Inglês Rei George IV, agora pertence aos filhos de Élie de Rothschild, que morreu em 2007.

A oferta do Louvre para comprar a obra vem três anos depois de ter comprado conjuntamente, juntamente com o Rijksmuseum, os dois retratos de Rembrandt de Maerten Soolmans e Oopjen Coppit (ambos de 1634) de Eric de Rothschild por 160 milhões de euros. A venda encerrou uma amarga controvérsia provocada pela recomendação inicial do Louvre de permitir a exportação das obras, porque não poderia elevar o preço de compra. Os fundos finalmente vieram do banco central da França.

De acordo com o livro A Corpus of Rembrandt’s Painting (1982-2014), The Standard Bearer está “muito bem preservado” e é descrito como “pintado rapidamente, com traços largos” de tons marrons, dourados e brancos, e pintado no mesmo ano, Rembrandt criou sua famosa Danae , que agora está no Museu Hermitage, em Moscou. O traje do soldado em The Standard Bearer é parcialmente modelado nos soldados mercenários do início do século XVI chamados Landsknecht. Rembrandt pode ter sido inspirado por gravuras de artistas como Hendrick Goltzius que celebravam esses lutadores da guerra pela independência contra a Espanha.

Compartilhar:
Notícias - 27/10/2021

FAMA Museu lança Diafragma, último episódio do projeto audiovisual Respirar

A FAMA Museu, instituição sediada em Itu, no interior de São Paulo, dá continuidade ao projeto Respirar, uma ação em …

Notícias - 26/10/2021

2ª edição do NaLata Festival leva cor às ruas de São Paulo

A Suvinil, que celebra 60 anos de Brasil agora em 2021, vivencia a riqueza da pluralidade em seu dia a …

Notícias - 26/10/2021

O monumental museu Munch é aberto na Noruega

Depois de uma década em construção, um museu dedicado a um dos artistas mais famosos da Noruega está finalmente aberto …

Notícias - 26/10/2021

Duzentas pessoas nuas posam para evento artístico no Mar Morto

Cerca de 200 pessoas pintadas de branco participaram de uma campanha artística de Spencer Tunick no Mar Morto para chamar …

Notícias - 22/10/2021

Obra de Lygia Clark ganha portal com mais de 7mil itens

No dia 23 de outubro (sábado), dia em que a artista Lygia Clark completaria 101 anos, a Associação Cultural Lygia …

Notícias - 22/10/2021

Andressa Cantergiani realiza a primeira performance com interferência feita via NFT do mundo

Durante a pandemia de Covid-19 artistas de todo mundo se reinventaram e estão revolucionando o mercado da arte por meio …

Notícias - 22/10/2021

Fábrica de Graffiti lança convocatória nacional

A próxima parada da Fábrica de Graffiti é em Sabará (MG), onda será pintado um muro de 2 mil m² …

Notícias - 20/10/2021

Judy Chicago enche os céus de São Francisco de fumaça

Em conjunto com a popular retrospectiva de Judy Chicago (até 9 de janeiro de 2022) no de Young Museum em …

Notícias - 20/10/2021

Obra triturada de Banksy é vendida por US$ 25,4 milhões

Qual obra de arte se torna muito mais valiosa depois de ser danificada pelo artista – cuja identidade, por acaso, …

Notícias - 19/10/2021

Vem aí a primeira exposição de arte contemporânea nas pirâmides do Egito

Pela primeira vez na história, as pirâmides de Gizé servirão de cenário para uma exposição de arte contemporânea. Forever Is …

Notícias - 18/10/2021

17ª SP-Arte aposta em modelo híbrido

Em sua 17ª edição, a SP-Arte – Festival Internacional de Arte de São Paulo, acontece de 20 a 24 de …

Notícias - 18/10/2021

Museus de Viena estão expondo obras no site adulto OnlyFans

Em um esforço para evitar a censura por plataformas de mídia social como Instagram, Facebook e TikTok, o Conselho de …