Imagem da semana: Um espírito emerge de um depósito de lixo no Senegal

Outside Dakar, capital do Senegal, é um depósito de lixo com seu próprio nome: Mbeubeuss. O terreno onde fica situado foi outrora um pântano plano. Começou como um aterro sanitário em 1968; hoje, é uma montanha de lixo. Tem acumulado tanto lixo plástico da cidade que para chegar é preciso dirigir por uma estrada de lixo compactado.

Esta não é a África em que cresci. Quando eu era criança aqui nas décadas de 1970 e 80, não era assim. Mas quando voltei em 2012, fiquei chocado com o que descobri. Aqui no Senegal, havia resíduos de plástico por toda parte – nas margens das estradas, nas árvores, em todos os lugares. A geração mais jovem não conhece nada diferente: é apenas parte de seu ambiente agora. Decidi que queria filmar uma série para aumentar a conscientização sobre as questões ambientais no Senegal, na esperança de que as pessoas percebessem que as coisas não precisam ser assim. Queria conectar as questões ambientais com os interesses culturais da população e comecei a pesquisar o animismo – a crença de que os objetos e o mundo natural estão imbuídos de espíritos.

O animismo está ligado à natureza: tratava-se de elogiar a natureza em todos os seus diferentes elementos, trabalhar com ela, não contra ela, e viver em harmonia com ela. Muito disso foi perdido com a globalização e o modo de vida moderno. Com esta série, eu queria criar uma série de espíritos enviados pela Mãe Terra para alertar a humanidade sobre seu abandono e destruição do meio ambiente.

Cada uma das cenas da série aborda uma preocupação ambiental: erosão costeira, derramamento de óleo, saneamento e queima de terras para agricultura, por exemplo. Mas essa imagem, a primeira que tirei para a série, era sobre o consumo de plástico.

Tive a ideia de fazer um vestido que fosse uma continuação da montanha de lixo, então parecia que esse espírito estava emergindo das pilhas de lixo. Eu colaborei com um estilista senegalês chamado Doulsy que trabalhava com materiais reciclados e pode costurar praticamente qualquer coisa: ele foi a pessoa perfeita para criar esse traje. Era preciso ter noção de escala: o modelo está sentado sobre um barril de óleo para dar essa altura à figura. Queríamos encontrar um equilíbrio entre trabalhar com materiais abandonados e fazer algo que parecesse um editorial de moda.

No início, eu pretendia apenas fazer 10 imagens. Todos seriam fuzilados no Senegal e distribuídos às pessoas daqui. Mas fiquei inquieto quando o trabalho foi concluído: parecia que estava chamando a atenção para a África pelos motivos errados. Eu estava preocupado que isso fizesse o continente parecer excepcionalmente poluído, como se isso não fosse um problema em todo o mundo. A única razão pela qual a Europa não se parece com isso é porque ela envia seus resíduos para nós.

Então continuei a série, atirando em todo o mundo, da Austrália e da destruição dos recifes de coral aos EUA e os danos causados ​​pela mineração de carvão. Meu trabalho é sobre unidade, sobre como revelar as maneiras pelas quais estamos todos conectados, uns com os outros e com a natureza. Tornar esta série global ajudou a conseguir isso.

Meu trabalho sempre foi uma mistura de coisas diferentes, uma espécie de mistura de diferentes disciplinas e culturas denotadas na palavra francesa métissage. Sou europeu e sou africano. Eu cresci em uma cultura fortemente influenciada pelo vodu, enquanto também lia quadrinhos ocidentais. Sou fotógrafa de moda, mas também sou engenheira industrial. Meu trabalho representa tudo isso.

Em tudo o que faço, estou interessado na identidade e em como nos separamos daqueles que consideramos o “outro”. Ao longo da história, a humanidade criou uma ideia do outro para justificar sua exploração. É uma ideia central para a escravidão e o colonialismo. Mas também está no centro de nossa abordagem ao meio ambiente. Só porque nos vemos separados do mundo natural, ou superiores a ele, podemos continuar a tratá-lo dessa maneira.

Hoje, as pessoas falam sobre a era antropoceno : um termo geológico para uma época em que a natureza está sendo fundamentalmente modificada pela humanidade. Mas sugere que a humanidade como um todo, não o sistema capitalista específico que criamos, é o problema. Na verdade, é o sistema que é o problema, e o sistema que precisa ser combatido.

Fabrice Monteiro CV

Nasceu em: Namur, Bélgica, 1972.
Treinado: Autodidata.
Influências: Alexander McQueen , Malcolm Ferdinand.
Ponto alto: “Perceber que posso viver do meu trabalho criativo.”
Ponto baixo: “Trabalhar com questões ambientais e entender o quão terrível é a situação. Isso me assusta.”
Dica principal: “Sempre tente explorar os limites externos.”

Fabrice Monteiro foi nomeado para o prémio Prix Pictet, a ser anunciado a 15 de Dezembro. O trabalho de todos os 12 artistas selecionados estará no V&A, em Londres, a partir de 16 de dezembro.

Compartilhar:
Notícias - 18/08/2022

Obras de videoclipe são leiloadas

O clipe de “Lovezinho” não foi apenas o clipe de lançamento do novo álbum da cantora baiana Rachel Reis, Meu …

Notícias - 18/08/2022

Museu vê sua coleção através da ótica queer

Às vezes é preciso revisar a história para incluir aqueles que foram marginalizados ou excluídos. Por isso, a curadora da …

Notícias - 18/08/2022

Itaú Cultural promove curso sobre Realidade Expandida nas Artes

Estão abertas as inscrições para Realidade Expandida nas Artes, curso de extensão realizado em parceria pelo Insper e o Itaú …

Notícias - 17/08/2022

Johnny Depp dirige filme sobre Modigliani

Johnny Depp está cada vez mais se aproximando das artes visuais, agora o artista foi confirmado como dreitor do filme …

Notícias - 17/08/2022

Artistas iraquianos se retiram da Bienal de Berlim em protesto

A Bienal de Berlim emitiu um pedido de desculpas na terça-feira aos artistas iraquianos que protestaram contra uma instalação com …

Notícias - 16/08/2022

Pinacoteca de São Paulo tem nova curadora-chefe

A Pinacoteca de São Paulo anuncia a pernambucana Ana Maria Maia, 38 anos, como a nova curadora-chefe do museu a …

Notícias - 16/08/2022

Testes revelam segredos de pinturas de Vermeer - incluindo sua autenticidade

Duas pinturas de Vermeer foram cientificamente examinadas para uma exposição que será inaugurada na National Gallery of Art (NGA) em …

Notícias - 15/08/2022

Carole Carroompas morre aos 76 anos

A artista Carole Carroompas, cujas pinturas em grande escala e em camadas exploravam literatura, cinema, mito e mídia popular, morreu  …

Notícias - 15/08/2022

Prêmio PIPA divulga ARTISTAS CLASSIFICADOS PARA O SEGUNDO TURNO DO PIPA ONLINE

Assim como nas edições anteriores, o PIPA Online 2022 ocorre em dois turnos. Os 13 artistas que conseguiram mais de 500 votos na …

Notícias - 15/08/2022

Novo filme sobre Salvador Dalí explora sua relação com Gala

Há um novo filme de Salvador Dalí prestes a chegar aos cinemas. Dalíland, estrelado por Sir Ben Kingsley como o surrealista, …

Notícias - 12/08/2022

ArtRio 2022 apresenta artistas e curador do programa SOLO

A ArtRio 2022 terá esse ano 11ª edição do programa SOLO. Trazendo projetos expositivos originais dedicados a um único artista, …

Notícias - 12/08/2022

Esquema de extorsão envolvendo a família Boghici choca o mundo da arte

O mundo da arte está atônito com a revelação do esquema de extorsão montado por Sabine Boghici, estrela de uma …