Harvad é processada por lucrar com fotos antigas de escravos

A Universidade de Harvard se aproveitou “descaradamente” de fotos de dois escravos do século 19, ignorando pedidos para entregar as fotos aos descendentes destes escravos, de acordo com um processo aberto na quarta-feira.

Tamara Lanier, de Norwich, Connecticut, está processando a escola da Ivy League por “confisco, posse e expropriação injustos” de imagens que ela diz que retratam dois de seus ancestrais. Seu processo, aberto no tribunal estadual de Massachusetts, exige que Harvard imediatamente entregue as fotos, reconheça sua ascendência e pague uma quantia não especificada de indenização.

O porta-voz de Harvard, Jonathan Swain, disse que a universidade “ainda não foi notificada, e com isso não está em posição de comentar sobre essa queixa”.

No centro do caso, há uma série de 1850 de daguerreótipos, um tipo inicial de foto tirada de dois escravos da Carolina do Sul identificados como Renty e sua filha, Delia. Ambos foram colocados sem camisa e fotografados de vários ângulos. Acredita-se que as imagens sejam as primeiras fotos conhecidas de escravos americanos.

Eles foram comissionados pelo biólogo de Harvard Louis Agassiz, cujas teorias sobre diferenças raciais foram usadas para apoiar a escravidão nos EUA. O processo diz que Agassiz encontrou Renty e Delia enquanto visitava plantações em busca de escravos “puros” nascidos na África.

“Para Agassiz, Renty e Delia nada mais eram do que espécimes de pesquisa”, diz o processo. “A violência de obrigá-los a participar de um exercício degradante destinado a provar seu próprio status subumano não teria ocorrido a ele, quanto mais importado.”

O processo ataca Harvard por sua “exploração” da imagem de Renty em uma conferência de 2017 e em outros usos. A empresa diz que Harvard capitalizou as fotos exigindo uma taxa de licenciamento “pesada” para reproduzir as imagens. Também chama a atenção para um livro que Harvard vende por US$ 40 com o retrato de Renty na capa. O livro, chamado “Do lugar à vista: antropologia, fotografia e o poder da imagem”, explora o uso da fotografia na antropologia.

Entre outras demandas, o processo pede que Harvard reconheça que é responsável pela humilhação de Renty e Delia e que Harvard “foi cúmplice de perpetuar e justificar a instituição da escravidão”.

Um pesquisador de um museu de Harvard redescobriu as fotos armazenadas em 1976. Mas o caso de Lanier argumenta que Agassiz nunca possuiu as fotos legalmente porque ele não tinha o consentimento de seus súditos e que ele não tinha o direito de passá-las para Harvard. Em vez disso, o processo diz que Lanier é o legítimo proprietário como parente mais próximo de Renty.

O processo também argumenta que a posse continuada de Harvard das imagens viola a 13ª Emenda, que aboliu a escravidão.

“Renty é escravo por 169 anos pelo nosso cálculo”, disse o advogado de direitos civis Benjamin Crump, um dos advogados de Lanier, em uma entrevista. “Quanto tempo vai demorar até que Harvard finalmente libere Renty?”

Lanier diz que cresceu ouvindo histórias sobre Renty transmitida pela mãe. Enquanto estava escravizado em Columbia, na Carolina do Sul, Renty aprendeu sozinho a ler e depois realizou leituras secretas da Bíblia na plantação, diz o processo. Ele é descrito como “pequeno em estatura, mas imponente nas mentes daqueles que o conheciam”.

Nesta foto de 17 de julho de 2018, Tamara Lanier segura uma fotografia de 1850 de Renty, um escravo da Carolina do Sul que Lanier disse ser o patriarca de sua família, em sua casa em Norwich, Connecticut. O retrato foi encomendado pelo biólogo Louis Agassiz, cujas idéias foram usados ​​para apoiar a escravização dos africanos nos Estados Unidos. Lanier entrou com uma ação na quarta-feira, 20 de março de 2019, no tribunal estadual de Massachusetts, exigindo que Harvard entregasse a foto e pagasse indenização. (John Shishmanian / The Norwich Bulletin via AP)

O processo diz que Lanier verificou seus laços genealógicos com Renty, a quem ela chama de “Papa Renty”. Ela diz que ele é seu tataravô.

Se recebesse as fotos, Lanier disse que contaria “a verdadeira história de quem era Renty”. Mas ela também espera que seu caso acenda uma discussão nacional sobre raça e história.

“Este caso é importante porque testará o clima moral deste país e forçará este país a contar com sua longa história de racismo”, disse Lanier em entrevista coletiva diante do Harvard Club de Nova York.

Crump, seu advogado, acrescentou que o caso poderia permitir que Harvard “remova a mancha de seu legado” e mostre que tem a coragem de “finalmente expiar a escravidão”.

Lanier alega que ela escreveu para Harvard em 2011 detalhando seus laços com Renty. Em uma carta a Drew Faust, então o presidente de Harvard, Lanier disse que queria aprender mais sobre as imagens e como elas seriam usadas. Ela foi mais explícita em 2017, exigindo que Harvard abandonasse as fotos. Em ambos os casos, ela disse, Harvard respondeu, mas evitou seus pedidos.

A escola usou as fotos como parte de seu próprio esforço para confrontar seus laços históricos com a escravidão. Na conferência de 2017 chamada “Universidades e escravidão: limitada pela história”, referenciada no processo, Harvard imprimiu o retrato de Renty na capa do programa e o projetou em uma tela gigante acima do palco.

Na imagem, Renty olha fixamente para a câmera, seu cabelo grisalho e sua estrutura esquelética exposta.

Lanier, que estava na platéia no evento, disse que ficou chocada com uma passagem no programa que descreveu as origens da foto, mas pareceu desconsiderar suas descobertas genealógicas. Ele disse que a foto foi tirada para a pesquisa de Agassiz e que “enquanto Agassiz foi aclamado, Renty voltou à invisibilidade”.

A ação alega que “ao contestar a alegação de linhagem de Lanier, Harvard está se aproveitando descaradamente do dano intencional causado à genealogia dos negros americanos por um século de políticas que separaram famílias forçadamente, apagaram nomes de familiares de escravos, retiveram registros de nascimento e morte e criminalização da alfabetização ”.

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …