Harvad é processada por lucrar com fotos antigas de escravos

A Universidade de Harvard se aproveitou “descaradamente” de fotos de dois escravos do século 19, ignorando pedidos para entregar as fotos aos descendentes destes escravos, de acordo com um processo aberto na quarta-feira.

Tamara Lanier, de Norwich, Connecticut, está processando a escola da Ivy League por “confisco, posse e expropriação injustos” de imagens que ela diz que retratam dois de seus ancestrais. Seu processo, aberto no tribunal estadual de Massachusetts, exige que Harvard imediatamente entregue as fotos, reconheça sua ascendência e pague uma quantia não especificada de indenização.

O porta-voz de Harvard, Jonathan Swain, disse que a universidade “ainda não foi notificada, e com isso não está em posição de comentar sobre essa queixa”.

No centro do caso, há uma série de 1850 de daguerreótipos, um tipo inicial de foto tirada de dois escravos da Carolina do Sul identificados como Renty e sua filha, Delia. Ambos foram colocados sem camisa e fotografados de vários ângulos. Acredita-se que as imagens sejam as primeiras fotos conhecidas de escravos americanos.

Eles foram comissionados pelo biólogo de Harvard Louis Agassiz, cujas teorias sobre diferenças raciais foram usadas para apoiar a escravidão nos EUA. O processo diz que Agassiz encontrou Renty e Delia enquanto visitava plantações em busca de escravos “puros” nascidos na África.

“Para Agassiz, Renty e Delia nada mais eram do que espécimes de pesquisa”, diz o processo. “A violência de obrigá-los a participar de um exercício degradante destinado a provar seu próprio status subumano não teria ocorrido a ele, quanto mais importado.”

O processo ataca Harvard por sua “exploração” da imagem de Renty em uma conferência de 2017 e em outros usos. A empresa diz que Harvard capitalizou as fotos exigindo uma taxa de licenciamento “pesada” para reproduzir as imagens. Também chama a atenção para um livro que Harvard vende por US$ 40 com o retrato de Renty na capa. O livro, chamado “Do lugar à vista: antropologia, fotografia e o poder da imagem”, explora o uso da fotografia na antropologia.

Entre outras demandas, o processo pede que Harvard reconheça que é responsável pela humilhação de Renty e Delia e que Harvard “foi cúmplice de perpetuar e justificar a instituição da escravidão”.

Um pesquisador de um museu de Harvard redescobriu as fotos armazenadas em 1976. Mas o caso de Lanier argumenta que Agassiz nunca possuiu as fotos legalmente porque ele não tinha o consentimento de seus súditos e que ele não tinha o direito de passá-las para Harvard. Em vez disso, o processo diz que Lanier é o legítimo proprietário como parente mais próximo de Renty.

O processo também argumenta que a posse continuada de Harvard das imagens viola a 13ª Emenda, que aboliu a escravidão.

“Renty é escravo por 169 anos pelo nosso cálculo”, disse o advogado de direitos civis Benjamin Crump, um dos advogados de Lanier, em uma entrevista. “Quanto tempo vai demorar até que Harvard finalmente libere Renty?”

Lanier diz que cresceu ouvindo histórias sobre Renty transmitida pela mãe. Enquanto estava escravizado em Columbia, na Carolina do Sul, Renty aprendeu sozinho a ler e depois realizou leituras secretas da Bíblia na plantação, diz o processo. Ele é descrito como “pequeno em estatura, mas imponente nas mentes daqueles que o conheciam”.

Nesta foto de 17 de julho de 2018, Tamara Lanier segura uma fotografia de 1850 de Renty, um escravo da Carolina do Sul que Lanier disse ser o patriarca de sua família, em sua casa em Norwich, Connecticut. O retrato foi encomendado pelo biólogo Louis Agassiz, cujas idéias foram usados ​​para apoiar a escravização dos africanos nos Estados Unidos. Lanier entrou com uma ação na quarta-feira, 20 de março de 2019, no tribunal estadual de Massachusetts, exigindo que Harvard entregasse a foto e pagasse indenização. (John Shishmanian / The Norwich Bulletin via AP)

O processo diz que Lanier verificou seus laços genealógicos com Renty, a quem ela chama de “Papa Renty”. Ela diz que ele é seu tataravô.

Se recebesse as fotos, Lanier disse que contaria “a verdadeira história de quem era Renty”. Mas ela também espera que seu caso acenda uma discussão nacional sobre raça e história.

“Este caso é importante porque testará o clima moral deste país e forçará este país a contar com sua longa história de racismo”, disse Lanier em entrevista coletiva diante do Harvard Club de Nova York.

Crump, seu advogado, acrescentou que o caso poderia permitir que Harvard “remova a mancha de seu legado” e mostre que tem a coragem de “finalmente expiar a escravidão”.

Lanier alega que ela escreveu para Harvard em 2011 detalhando seus laços com Renty. Em uma carta a Drew Faust, então o presidente de Harvard, Lanier disse que queria aprender mais sobre as imagens e como elas seriam usadas. Ela foi mais explícita em 2017, exigindo que Harvard abandonasse as fotos. Em ambos os casos, ela disse, Harvard respondeu, mas evitou seus pedidos.

A escola usou as fotos como parte de seu próprio esforço para confrontar seus laços históricos com a escravidão. Na conferência de 2017 chamada “Universidades e escravidão: limitada pela história”, referenciada no processo, Harvard imprimiu o retrato de Renty na capa do programa e o projetou em uma tela gigante acima do palco.

Na imagem, Renty olha fixamente para a câmera, seu cabelo grisalho e sua estrutura esquelética exposta.

Lanier, que estava na platéia no evento, disse que ficou chocada com uma passagem no programa que descreveu as origens da foto, mas pareceu desconsiderar suas descobertas genealógicas. Ele disse que a foto foi tirada para a pesquisa de Agassiz e que “enquanto Agassiz foi aclamado, Renty voltou à invisibilidade”.

A ação alega que “ao contestar a alegação de linhagem de Lanier, Harvard está se aproveitando descaradamente do dano intencional causado à genealogia dos negros americanos por um século de políticas que separaram famílias forçadamente, apagaram nomes de familiares de escravos, retiveram registros de nascimento e morte e criminalização da alfabetização ”.

Compartilhar:
Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …

Notícias - 06/04/2021

Visitas aos 100 principais museus e galerias do mundo caem 77% devido a Covid

O número de visitantes nos 100 principais museus e galerias de arte do mundo caiu 77% no ano passado, de …

Notícias - 05/04/2021

Exposição artística mais extensa do mundo é realizada no Caminho de Santiago

“Las Estrellas del Camino” é uma exposição permanente com curadoria de Estrella Galicia e realização da agência AUPA!. A mostra …

Notícias - 05/04/2021

Inscrições para a ArtRio 2021 prorrogadas até 30 de abril

As inscrições para as galerias que desejam participar da 11ª edição da ArtRio foram prorrogadas até o dia 30 de …