Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista holandês Piet Mondrian em seu estilo próprio na década de 1920, os herdeiros do falecido artista entraram com um processo contra um museu alemão no Tribunal Distrital dos Estados Unidos, Distrito de Columbia. O processo afirma que as obras em questão estão avaliadas em mais de US$ 200 milhões e estão pedindo um julgamento por júri depois que as tentativas de devolução das obras foram recusadas pelo museu.

A ação foi movida contra o Kunstmuseen Krefeld, que está localizado em uma cidade no oeste da Alemanha perto de Dusseldorf, pelos três filhos do artista abstrato americano Harry Holtzman e Elizabeth McManus Holtzman, que moram nos Estados Unidos. Harry, que morreu em 1987, ajudou Mondrian a escapar da Europa para Nova York em 1940 para evitar a perseguição nazista. Mais tarde, ele serviu como o executor do espólio de Mondrian, tornou-se um especialista no artista e foi nomeado o único herdeiro de seu amigo.

Os herdeiros estão tentando recuperar quatro pinturas de Mondrian que estão atualmente em poder do museu e danos por outras quatro obras de Mondrian que o museu não possui mais. No processo, os herdeiros afirmam que o museu “se envolveu em uma política contínua ou prática de engano para esconder dos sucessores de Mondrian as pinturas e informações relacionadas às pinturas que poderiam levar à sua descoberta”. Também alega que as obras foram deliberadamente mantidas fora de exposições importantes.

De acordo com a nova ação, movida em 15 de outubro, Mondrian enviou as oito pinturas para o Museu Kaiser Wilhelm, operado pela Kunstmuseen Krefeld e de propriedade da prefeitura, em 1929 para uma exposição temporária que nunca foi montada.

Essa mostra seria uma exposição itinerante, organizada pelo diretor do Museu Kaiser Wilhelm Max Creutz e a pintora americana Katherine Dreier, intitulada “Circle International. Pintura e escultura” Por intermédio de outro artista, Mondrian foi contatado sobre sua inclusão na mostra e suas obras foram enviadas diretamente de outra mostra em Frankfurt. Creutz morreu em março de 1932 sem a mostra ir ao ar e sem um sucessor como diretor. Os nazistas tomaram o poder no ano seguinte e em outubro de 1933 instalaram seu próprio diretor, Burkhard Freiherr von Lepel, que mais tarde foi identificado como um conhecido saqueador de arte nazista.

O Museu Kaiser Wilhelm nunca devolveu as pinturas a Mondrian e, nos anos seguintes, o Partido Nazista começou a rotular a arte moderna e os artistas que a fizeram como “degenerados”. Mondrian, radicado em Paris, fazia parte desse grupo, que também incluía Max Beckmann, Marc Chagall, Otto Dix, Max Ernst, Wassily Kandinsky, Paul Klee e Emil Nolde, entre outros. O processo alega que as oito pinturas de Mondrian “só escaparam das mãos dos nazistas porque não estavam incluídas no inventário [do museu] na época”.

Os herdeiros dizem que ficaram sabendo da possível propriedade das obras de Mondrian em 2011 e afirmam que contataram o museu para saber mais como as obras entraram em sua coleção. Dois pesquisadores, Monika Tatzkow e Gunnar Schnabel, supostamente os contataram enquanto pesquisavam obras perdidas durante a era nazista pela marchand Sophie Küppers, a quem Mondrian havia consignado obras de arte. Tatzkow e Schnabel concluíram que o Museu Kaiser Wilhelm nunca adquiriu legalmente as obras de arte Mondrian e informaram o museu em outubro de 2017. O Lord Mayor de Krefeld disse que haveria uma investigação sobre o assunto, mas em fevereiro de 2018 se recusou a devolver as obras.

Os herdeiros reivindicaram publicamente os direitos de propriedade das pinturas em questão em 2018, de acordo com uma reportagem do New York Times. O Kunstmuseen Krefeld disse ao Times que a instituição acredita que as obras sejam doações de Mondrian, mas não tinha evidências para apoiar essa afirmação. Um porta-voz acrescentou que Mondrian “regularmente distribuía pinturas para as quais não tinha mais uso”.

O Kunstmuseen Krefeld não forneceu uma declaração imediata sobre o novo processo, que surge no momento em que a Fundação Beyeler em Basel, Suíça, se prepara para abrir uma grande pesquisa Mondrian em 2022.

Mondrian morreu em 1944, quatro anos depois de fugir da Europa para os Estados Unidos, “acreditando que suas pinturas estavam perdidas para sempre”, segundo o processo. Os herdeiros alegam ainda que as oito pinturas ressurgiram nas coleções do museu em 1950, cinco anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, mas que o museu “não fez esforços para contatar ou devolver as pinturas aos sucessores de Mondrian interessados.” Em 1954, algumas das obras teriam sido listadas no inventário do museu.

Quatro das pinturas de Mondrian permanecem na coleção do museu, mas as outras quatro foram “vendidas ou trocadas indevidamente” no início dos anos 1950 “em violação da lei militar britânica que governava Krefeld na época”, de acordo com o processo. As quatro obras, afirma o processo, foram trocadas ou seus rendimentos foram usados ​​para comprar até 30 outras obras de arte, incluindo as de Pablo Picasso, Henri Matisse, Georges Braque, Marc Chagall, Joan Miró e Paul Klee.

Fonte e tradução: Artnews

Compartilhar:
Notícias - 24/11/2020

Escavação revela restos preservados de homens envoltos em cinzas vulcânicas

Arqueólogos da cidade romana de Pompéia recorreram a uma técnica centenária para conservar os corpos de dois homens recentemente desenterrados …

Notícias - 24/11/2020

Desenho recém-descoberto é um verdadeiro da Vinci, afirma especialista

Um desenho que esteve em uma coleção privada por anos foi atribuído a Leonardo da Vinci. O jornal italiano La …

Notícias - 23/11/2020

Virgínia Di Lauro aborda feminino e ancestralidade na galeria Simone Cadinelli

Simone Cadinelli Arte Contemporânea apresenta “Em Suspensão”, ocupação feita pela artista Virgínia Di Lauro em sua vitrine voltada para a …

Notícias - 23/11/2020

4º Prêmio Aliança Francesa de Arte Contemporânea apresenta mostra com finalistas

Na terça-feira, 24 de novembro, às 19h, acontece a inauguração virtual da Mostra Coletiva do 4º Prêmio Aliança Francesa de …

Notícias - 19/11/2020

Bruno Barbey, Fotógrafo da Magnum Photos, morre aos 79 anos

Bruno Barbey, fotógrafo francês da agência Magnum Photos que produziu trabalhos poderosos e empáticos em zonas de guerra, bem como …

Notícias - 19/11/2020

Arqueólogos egípcios fazem a 'maior descoberta de 2020'

Arqueólogos egípcios anunciaram a descoberta de mais de 100 caixões pintados na antiga necrópole de Saqqara, ao sul do Cairo. …

Notícias - 19/11/2020

Sonia Gomes figura na lista de artistas da Bienal de Gwangju, na Coreia do Sul

A Bienal de Gwangju, na Coreia do Sul, revelou a lista completa de artistas participantes de sua 13ª edição, programada …

Notícias - 18/11/2020

Art Basel Hong Kong adiada dois meses por causa de Covid-19

A edição de 2021 da Art Basel Hong Kong — aguardada como a primeira feira presencial a ser realizada pela …

Notícias - 18/11/2020

Eduardo Kac fala de sua produção em painel do Instituto Cisneros do MoMA

O artista Eduardo Kac apresentará, em painel organizado pelo Instituto Cisneros do MoMA, suas explorações da Bio Arte e seu …

Notícias - 17/11/2020

Festival Novas Frequências comemora 10 anos

A 10ª edição do Festival Novas Frequências, considerado o principal evento sul-americano de música experimental e arte sonora, irá acontecer …

Notícias - 17/11/2020

Arquiteto negro ganha escultura afro-futurista em São Paulo para o Dia da Consciência Negra

A Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo entrega à cidade, em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, uma …

Notícias - 17/11/2020

Uma rixa familiar e a obra-prima de Botticelli que desapareceu

É uma obra-prima do Renascimento Italiano retratando uma das imagens mais célebres da civilização. Supostamente propriedade de Imelda Marcos, Madonna …