Feministas ocupam edifício federal e pintam retratos de figuras históricas

No dia 3 de setembro, Marcela Aleman e Silvia Castillo ingressaram na Comissão Nacional de Direitos Humanos da Cidade do México (CDNH) e decidiram não sair. Elas foram ignoradas por muito tempo na tentativa de buscar justiça para seus filhos, um que foi estuprado quando criança, o outro assassinado. No México, onde 11 mulheres são assassinadas por dia e onde 98% dos assassinatos permanecem sem solução, o presidente Andrés Manuel López Obrador insiste que o movimento para deter o feminicídio nada mais é do que uma conspiração contra seu governo.

É contra isso que os grupos feministas #NiUnaMenos e Aequus têm lutado e por que, junto com outras famílias de vítimas de violência incluindo crianças e idosos, entraram nos escritórios do CDNH para apoiar as duas mães na semana passada e têm ocupado o edifício desde então. Depois de pedir a todos os funcionários que desocupassem o local, elas começaram a trabalhar, transformando o escritório em um abrigo para mulheres vítimas de violência e seus familiares. Já cerca de 100 vítimas procuram alojamento e aconselhamento jurídico.

 

Elas também começaram a pintar. Pintaram o nome da agência na frente do prédio. “Não perdoamos nem esquecemos”. Pintaram “Justiça”. Pintaram, “duuuude, não a parede!!” – uma referência à indignação pública com o grafite deixado na esteira de protestos feministas anteriores, uma indignação muito mais alta do que a violência contra as mulheres.

E então pintaram retratos de figuras históricas totalmente masculinas. Elas os adornavam com batom, sombra, cachos e símbolos da anarquia e flores. Elas levaram as pinturas para fora do prédio e as exibiram em uma fileira, de cabeça para baixo.

As imagens das pinturas se tornaram virais. “Nunca esperávamos que fosse um sucesso tão grande”, disseram as artistas em entrevista à fotojornalista Andrea Murcia. “Foi improvisado, estamos apenas trabalhando com o que temos ao nosso redor.” Os grupos estão leiloando as pinturas para financiar seu abrigo.

A pintura que mais chama a atenção é a de Francisco I. Madero, 33º presidente do México, de um artista que passa pela Arte Jomanu. Ele postou em resposta em seu Facebook : “O mais ultrajante é que eles acreditam que perder o respeito pelos personagens que fizeram nossa história mexicana resolverá a falta do tipo de governo que todos nós merecemos”.

O presidente López Obrador disse em uma entrevista coletiva que respeita todos os protestos, mas que não concorda com o vandalismo, com o que as manifestantes fizeram à pintura. “Quem conhece a história desse lutador social sabe que devemos ter respeito por ele … ele pagou o trabalho com a vida. Você não pode lutar contra a violência com violência”.

Em um vídeo viral , uma das mães que liderou a aquisição, Erika Martinez, observou que a presidente não reconhece a diferença entre a violência contra um objeto inanimado e o ser humano. Ela caminha na frente dos prédios e grita: “Essa pintura, esses lábios, essas flores foram pintadas pela minha filha que foi abusada sexualmente quando tinha sete anos. Quero saber como o presidente está indignado com a pintura. Por que ele não está indignado com o abuso da minha filha? ”

Mais tarde, em uma entrevista para a TV , ela disse: “A dor da minha filha não pode ser comparada com aquela pintura. Quando minha filha pintou aquele quadro, não a ouvi gritar de medo. Não disse não. Essa pintura não está viva. E minha filha, quando foi estuprada, gritou de medo e disse não. Você não pode dar mais valor a algo que não sente do que a uma menina que vai sofrer por toda a vida. ”

Outra das mães que liderou a aquisição, Yesenia Zamudio, respondeu em um comunicado público: “Se ele não concorda que pintemos o quadro, não concordo que minha filha foi assassinada e que por cinco anos ninguém me ajudou.”

O acesso da imprensa à aquisição foi extremamente limitado. A maior parte das imagens que saem do prédio vieram da fotojornalista Andrea Murcia ( @usagii_ko ), que diz ter acesso a esses grupos, “porque [ela] estava aparecendo para seus pequenos protestos, ações e reuniões e os tratava como se suas histórias importassem, antes eles estavam queimando ou pintando qualquer coisa.”

As fotos icônicas de Murcia de dentro da aquisição inspiraram centenas de versões ilustradas e até camisetas em apenas alguns dias. Ela pode ter criado ícones, mas nunca quis chamar a atenção. “Sou fotojornalista, não artista. Não estou tentando criar imagens para likes. Só quero que as mulheres se vejam refletidas como são. Se o fizerem, vou sentir que meu trabalho está completo, vou ficar feliz. Nada mais importa para mim.” Sobre as pinturas, ela diz:

“Vivemos em um país tão patriarcal machista e os homens sempre foram os heróis de nossas histórias … Especificamente com esta administração, a história é extra simbólica. E agora reclamam dos estragos nas pinturas e do desrespeito à história sem falar de quem as pintou: mulheres que foram estupradas, abusadas. Mas eles não são mais vítimas. E eles não são fracos. Eles são fortes. Eles estão colocando seus corpos em movimento para criar espaço. Suas pinturas representam mais para mim do que as pinturas originais. É a nova história. A história das mulheres ocupando espaço. Não estamos mais com medo. É isso que as pinturas representam.”

Compartilhar:
Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …

Notícias - 06/04/2021

Visitas aos 100 principais museus e galerias do mundo caem 77% devido a Covid

O número de visitantes nos 100 principais museus e galerias de arte do mundo caiu 77% no ano passado, de …

Notícias - 05/04/2021

Exposição artística mais extensa do mundo é realizada no Caminho de Santiago

“Las Estrellas del Camino” é uma exposição permanente com curadoria de Estrella Galicia e realização da agência AUPA!. A mostra …

Notícias - 05/04/2021

Inscrições para a ArtRio 2021 prorrogadas até 30 de abril

As inscrições para as galerias que desejam participar da 11ª edição da ArtRio foram prorrogadas até o dia 30 de …