Feministas ocupam edifício federal e pintam retratos de figuras históricas

No dia 3 de setembro, Marcela Aleman e Silvia Castillo ingressaram na Comissão Nacional de Direitos Humanos da Cidade do México (CDNH) e decidiram não sair. Elas foram ignoradas por muito tempo na tentativa de buscar justiça para seus filhos, um que foi estuprado quando criança, o outro assassinado. No México, onde 11 mulheres são assassinadas por dia e onde 98% dos assassinatos permanecem sem solução, o presidente Andrés Manuel López Obrador insiste que o movimento para deter o feminicídio nada mais é do que uma conspiração contra seu governo.

É contra isso que os grupos feministas #NiUnaMenos e Aequus têm lutado e por que, junto com outras famílias de vítimas de violência incluindo crianças e idosos, entraram nos escritórios do CDNH para apoiar as duas mães na semana passada e têm ocupado o edifício desde então. Depois de pedir a todos os funcionários que desocupassem o local, elas começaram a trabalhar, transformando o escritório em um abrigo para mulheres vítimas de violência e seus familiares. Já cerca de 100 vítimas procuram alojamento e aconselhamento jurídico.

 

Elas também começaram a pintar. Pintaram o nome da agência na frente do prédio. “Não perdoamos nem esquecemos”. Pintaram “Justiça”. Pintaram, “duuuude, não a parede!!” – uma referência à indignação pública com o grafite deixado na esteira de protestos feministas anteriores, uma indignação muito mais alta do que a violência contra as mulheres.

E então pintaram retratos de figuras históricas totalmente masculinas. Elas os adornavam com batom, sombra, cachos e símbolos da anarquia e flores. Elas levaram as pinturas para fora do prédio e as exibiram em uma fileira, de cabeça para baixo.

As imagens das pinturas se tornaram virais. “Nunca esperávamos que fosse um sucesso tão grande”, disseram as artistas em entrevista à fotojornalista Andrea Murcia. “Foi improvisado, estamos apenas trabalhando com o que temos ao nosso redor.” Os grupos estão leiloando as pinturas para financiar seu abrigo.

A pintura que mais chama a atenção é a de Francisco I. Madero, 33º presidente do México, de um artista que passa pela Arte Jomanu. Ele postou em resposta em seu Facebook : “O mais ultrajante é que eles acreditam que perder o respeito pelos personagens que fizeram nossa história mexicana resolverá a falta do tipo de governo que todos nós merecemos”.

O presidente López Obrador disse em uma entrevista coletiva que respeita todos os protestos, mas que não concorda com o vandalismo, com o que as manifestantes fizeram à pintura. “Quem conhece a história desse lutador social sabe que devemos ter respeito por ele … ele pagou o trabalho com a vida. Você não pode lutar contra a violência com violência”.

Em um vídeo viral , uma das mães que liderou a aquisição, Erika Martinez, observou que a presidente não reconhece a diferença entre a violência contra um objeto inanimado e o ser humano. Ela caminha na frente dos prédios e grita: “Essa pintura, esses lábios, essas flores foram pintadas pela minha filha que foi abusada sexualmente quando tinha sete anos. Quero saber como o presidente está indignado com a pintura. Por que ele não está indignado com o abuso da minha filha? ”

Mais tarde, em uma entrevista para a TV , ela disse: “A dor da minha filha não pode ser comparada com aquela pintura. Quando minha filha pintou aquele quadro, não a ouvi gritar de medo. Não disse não. Essa pintura não está viva. E minha filha, quando foi estuprada, gritou de medo e disse não. Você não pode dar mais valor a algo que não sente do que a uma menina que vai sofrer por toda a vida. ”

Outra das mães que liderou a aquisição, Yesenia Zamudio, respondeu em um comunicado público: “Se ele não concorda que pintemos o quadro, não concordo que minha filha foi assassinada e que por cinco anos ninguém me ajudou.”

O acesso da imprensa à aquisição foi extremamente limitado. A maior parte das imagens que saem do prédio vieram da fotojornalista Andrea Murcia ( @usagii_ko ), que diz ter acesso a esses grupos, “porque [ela] estava aparecendo para seus pequenos protestos, ações e reuniões e os tratava como se suas histórias importassem, antes eles estavam queimando ou pintando qualquer coisa.”

As fotos icônicas de Murcia de dentro da aquisição inspiraram centenas de versões ilustradas e até camisetas em apenas alguns dias. Ela pode ter criado ícones, mas nunca quis chamar a atenção. “Sou fotojornalista, não artista. Não estou tentando criar imagens para likes. Só quero que as mulheres se vejam refletidas como são. Se o fizerem, vou sentir que meu trabalho está completo, vou ficar feliz. Nada mais importa para mim.” Sobre as pinturas, ela diz:

“Vivemos em um país tão patriarcal machista e os homens sempre foram os heróis de nossas histórias … Especificamente com esta administração, a história é extra simbólica. E agora reclamam dos estragos nas pinturas e do desrespeito à história sem falar de quem as pintou: mulheres que foram estupradas, abusadas. Mas eles não são mais vítimas. E eles não são fracos. Eles são fortes. Eles estão colocando seus corpos em movimento para criar espaço. Suas pinturas representam mais para mim do que as pinturas originais. É a nova história. A história das mulheres ocupando espaço. Não estamos mais com medo. É isso que as pinturas representam.”

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …