Felippe Moraes, Eledá

Não se espante se as instalações como Solfejo (apresentada em 2019 na FIESP) e os projetos como Eledá, (sua nova série de fotografias), de Felippe Moraes, pareçam pensar e se organizar com uma ordem muito precisa e determinada, isso envolve toda uma preparação. Trata-se de uma introdução para te fazer entrar em um mundo complexo, por vezes interativo, no qual o pensar será muito solicitado, e estaremos sujeitos a devaneios profundos. Se no trabalho de Felippe Moraes tem um pouco do rigor de Mondrian, encontramos também o fervor de Joseph Beuys.

Cito esses dois artistas porque com o trabalho de Felippe Moraes é impossível não pensar na antroposofia de Rudolf Steiner (1861 – 1925) que marcou ambos. Lembre-se que a antroposofia tira sua concepção do Karma e da reencarnação, e também do cristianismo (a ideia de Cristo como salvador do mundo). Ele afirma a existência de um mundo espiritual que está na base do mundo material. A teosofia, teoria do saber divino onipresente no mundo, doutrina formulada por Helena Blavatsky (1831 – 1891) adicionada de ocultismo, espiritismo e outras características emprestadas pelo hinduísmo e budismo… promete revelar verdades fundamentais sobre a ordem do mundo, tomando um certo distanciamento dos velhos monoteísmos das Igrejas e da racionalidade científica moderna que separa o Homem da Natureza. Em Eledá, Felippe Moraes traz o culto e ritual afro-brasileiros que fazem parte integral do seu modo de pensar e viver.

No seu trabalho Homenagem à Oxalá, sobre o qual o artista me pediu para comentar, ele se considera uma escultura viva. Cada ser vivo o é em si mesmo. Esta é uma série de quatro imagens em que vemos o artista de costas nuas. Sua cabeça passa de cabelos raspados para bem curtos, e, enfim, ao tingimento louro claro. A ordem fica a critério de quem vê – se ele raspou sua cabeça para apagar o louro, ou do contrário, se ele esperou que seus cabelos crescessem para se transformar e cobrir a cabeça de um ouro simbólico? Esse trabalho fotográfico faz de sua vida uma encenação. A arte como catarse, individual e coletiva. O trabalho de arte penetra em uma pessoa assim como a pessoa internaliza o trabalho de arte. É preciso que ambos se afoguem um no outro, diria Joseph Beuys.

Felippe Moraes é um xamã otimista de um pré-apocalipse anunciado pelo coronavírus. Esse fanático por carnaval vê em todas as coisas as suas energias positivas, e os elos invisíveis que nos unem uns aos outros e à Natureza.

Depois de seu gesto de purificação em Homenagem a Oxalá, que ele nos permite vislumbrar, ele, que entrevê o infinito, talvez queira assegurar aos humanos a sua posição real no plano do universo, salvando-nos da degradação das verdades arcaicas que são as bases de todas as religiões ao nos fazer entrar em seu ritual. Assim, ajuda-nos a descobrir – cada um a seu tempo – a união fundamental da qual todos nós surgimos.

O poeta do qual fala Heiddegger, é aquele que, pela sua criação, manifesta o mistério do mundo por querer mostrá-lo… Ele tenta reencontrar a essência da vida e de seu surgimento. Ele está em busca de uma memória histórica, humana, que se alimente a partir de suas lembranças pessoais a fim de estabelecer um passado comum. Felippe Moraes é verdadeiramente um poeta.

Tradução: Jamile Ratter

Marc Pottier, curador francês que vive entre Paris e Rio de Janeiro

Compartilhar:
Notícias - 16/04/2021

As pinturas de Cézanne e Degas podem render milhões em leilão

Obras dos artistas franceses Paul Cézanne e Edgar Degas são os sucessos de um leilão em Nova York e podem …

Notícias - 15/04/2021

Arte pelos Oceanos reúne artistas visuais em prol da preservação das praias cariocas

Não é novidade que as praias cariocas, que eternizaram o Rio de Janeiro no imaginário turístico mundial, sofrem com a …

Notícias - 14/04/2021

Passagem - por Maria Fernanda Paes de Barros

Que é a arte, afinal, do ponto de vista emotivo, senão a linguagem das forças inconscientes que atuam dentro de …

Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …