Espetáculo online apresenta inventário sobre José Leonilson

O espetáculo Ser José Leonilson ganha versão audiovisual ao vivo para ser transmitida em tempos de teatros fechados e programações canceladas. Nessa versão, a linguagem audiovisual – que já estava presente no espetáculo – se amplifica na tentativa de criar novas tensões entre as artes visuais e a arte da presença. Se no espetáculo teatral, Laerte Késsimos já fazia uso dessa técnica, com projeções operadas ao vivo, criando molduras para a reprodução em cena de seu diário íntimo gravado durante o processo, nesses tempos, os espectadores presentes do outro lado da tela poderão acompanhar sua travessia na intimidade do seu ateliê.

A nova temporada será de 26 de fevereiro a 19 de março de 2021, às 20h, com ingressos gratuitos, pelo Zoom. O espetáculo foi contemplado pela Lei Aldir Blanc.

Idealizado por Laerte Késsimos, dirigido por Aura Cunha, com dramaturgia de Leonardo Moreira, música original de Marcelo Pellegrini, cenário de Marisa Bentivegna e iluminação de Aline Santini, o espetáculo teatral “Ser José Leonilson” é uma costura poética entre a vida e obra do artista plástico José Leonilson (1957-1993) e a biografia de Laerte Késsimos. Elaborado a partir dos depoimentos (biográficos e artísticos) do artista plástico brasileiro e registros sonoros feitos pelo próprio Laerte durante o processo de criação e pesquisa, o tecido que é alinhavado diante do público une as inquietações dos dois artistas: a feitura artística como um autorretrato, a casa de infância como um ambiente de domesticação, a sexualidade como campo de batalha, as pontes amorosas como uma travessia e a doença como uma reconciliação com nossa finitude.

Aproximando-se de forma direta da obra de Leonilson, o próprio processo de investigação de Laerte, os vestígios da criação, os áudios que dão dimensão histórica ao cotidiano criativo são, eles próprios, a obra. Um bordado em que frente e verso são compartilhados publicamente – suas amarras, cortes, sobras de linha, correções, imperfeições, pontos e nós.

Ser José Leonilson

“Ser José Leonilson” é a terceira e última etapa de um processo que envolveu a performance pública “O Porto” (um ateliê aberto à visitação, onde Laerte Késsimos criou obras visuais que são também depoimentos bastante pessoais), uma exposição (Como se desenha um coração?) e, finalmente, o espetáculo teatral “Ser José Leonilson”. Assim, a peça que estreou no Teatro da USP (de 14 de novembro de 29019) é o porto de chegada de uma jornada.

O espetáculo é um monólogo que mistura artes visuais (projeções em vídeo), narração de histórias (a transposição para o palco de relatos biográficos gravados durante o processo) e documentário (a vida e obra de Leonilson) se misturam em um ateliê de costura que é também um palco. Em cena, Laerte Késsimos expõe não só a sua biografia (em relatos íntimos gravados e reencenados diante do público), mas também seus quadros, bordados e criações audiovisuais – operando, narrando e expondo suas criações ao vivo. Trata-se, portanto, de um evento biográfico e multimídia que tenta unir elementos do próprio teatro, das artes plásticas e do vídeo. Esse trânsito sem fronteiras entre o relato pessoal e a criação artística traz para o palco questionamentos urgentes: como uma obra de arte tão pessoal pode servir a uma discussão pública? Como a exposição sem pudores de uma intimidade pode ser um ato revolucionário em meio à falência social?

Assim como a obra de Leonilson não pode ser desassociada da vida do artista, por expressar sempre o caráter confessional de um diário íntimo, a encenação de Aura Cunha, a dramaturgia de Leonardo Moreira, colocam, em primeiro plano, o duplo Laerte/Leonilson – uma ponte entre a vida e obra do artista morto em 1993 à vida e presente obra do sujeito artístico Laerte Késsimos, e as coincidências e dissonâncias entre as obras e vidas dos dois artistas. Diários cartografados, mapas geométricos, mapas que são retratos, geometrias brancas, brancos que são páginas de diário ou autorretratos, relatos sonoros, referências íntimas e cotidianas sustentam o diálogo com o público – resultado do desejo íntimo de Laerte Késsimos em jogar o jogo favorito de Leonilson – a intersecção entre ficção e realidade; entre o íntimo e o público; entre o diário e a afirmação política; entre o bordado real e a descrição de uma paisagem; entre a biografia de Laerte e os bordados de Leonilson.

Organizada como um documentário poético em que a vida de Laerte (e a feitura desse espetáculo) se entrelaça aos diários, gravações e depoimentos de Leonilson, a montagem não está preocupada em levantar um edifício ficcional. Antes, contenta-se com o relato e a descrição de obras, criando um ambiente poético que não abandona a narrativa e o contato direto com o público. Os artifícios técnicos, como a projeção de imagens e a tessitura de palavras em tecidos, pretendem trabalhar para reunir o humano na direção de um objeto estético que não nos pede necessariamente o mesmo olhar, mas nem por isso deixa de nos reconhecer como coletivo.

Diante do público, constrói-se um panorama não só interior, mas também exterior, de nosso tempo e do mundo ao nosso redor. Nos tempos atuais, em que a opressão e o conservadorismo se erguem como uma onda alta que pode nos derrubar com força, trazer à tona um artista gay (vale ressaltar a tragédia que é esse ainda ser um tema controverso em nosso país); HIV positivo (esse tema migrou de uma epidemia para um preconceito escondido e silencioso) e a favor de uma política subjetiva e íntima (quando a subjetividade e a intimidade são os primeiros alvos de políticas opressivas) é, em si, um ato político. Cada vez que as ondas conservadoras nos derrubam, mergulhamos mais e mais fundo, com o momento de alívio passa antes que possamos agarrá-lo, pois a onda já está juntando forças para atingi-la novamente. Esse trabalho acredita que a tábua a que nos agarramos nesse naufrágio só pode ser poética – a um só tempo pessoal e política.

Compartilhar:
Notícias - 25/02/2021

Carlos Bracher fará retrato ao vivo e à distância com exibição online

Dando continuidade ao projeto Ateliê Casa Bracher, no dia 27 de fevereiro, o pintor mineiro Carlos Bracher fará uma pintura …

Notícias - 25/02/2021

ArtRio abre inscrições para edição 2021

A ArtRio confirma sua 11ª edição, em 2021, e abre inscrições para as galerias nacionais e internacionais que desejarem participar …

Notícias - 24/02/2021

Obras de artistas contemporâneos estão com valores especiais em ação da ABACT

A Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT) começa o ano com uma oportunidade única para colecionadores e amantes de arte …

Notícias - 24/02/2021

Obras de arte de Edvard Munch ganham novo museu em Oslo

A primavera foi uma fonte recorrente de inspiração para Edvard Munch, e agora a estação marca um começo especialmente novo …

Notícias - 24/02/2021

O Realismo Mágico em exposição do Georgia Museum of Art

Há muito obscurecido pela ascensão do expressionismo abstrato na década de 1950, o realismo mágico está em alta novamente. O …

Notícias - 24/02/2021

Desenhos não publicados de Dalí lançam luz sobre as conexões dos surrealistas com obras de antigos mestres

Uma nova pesquisa revelou uma estreita ligação entre Salvador Dalí e Leonardo da Vinci. De acordo com um relatório do …

Notícias - 23/02/2021

Série do Inhotim mostra os bastidores do restauro de obra de Hélio Oiticica

Um episódio especial da série Bastidores, do Inhotim, entrou no ar no último sábado, dia 20. Nele, você fica sabendo …

Notícias - 23/02/2021

Eduardo Kobra cria obra com cilindro de oxigênio para arrecadar fundos para o Amazonas

O UniãoBR, movimento de voluntários de todo o Brasil, realizou uma parceria inédita com o artista urbano Eduardo Kobra. Conhecido …

Notícias - 23/02/2021

MIS Experience: destaques da mostra de Leonardo da Vinci

O MIS Experience está novamente aberto para visitas presenciais, e agora com preços reduzidos. Até o dia 28 deste mês …

Notícias - 18/02/2021

Documentários sobre artistas em nova série televisiva

A cineasta Malu de Martino estréia, na próxima quinta-feira, dia 18 de fevereiro, a primeira temporada da série de documentários …

Notícias - 13/02/2021

Flávia Junqueira promove intervenções em quadras de escolas de samba

O vazio deixado nas quadras das escolas de samba e no Sambódromo do Rio de Janeiro será preenchido com intervenções …

Notícias - 12/02/2021

Mostra disponibiliza playlist ouvida por artistas na quarentena

A exposição “Una(S)+”, em cartaz no Oi Futuro até 28 de março de 2021 tem uma trilha sonora, formada pelas …