Especialistas temem que incêndios na Austrália destruam arte rupestre

Bombeiros lutam contra o vento forte durante as chamas no estado australiano de Nova Gales do Sul em 31 de dezembro de 2019. Foto por Saeed Khan / AFP via Getty Images.

Existe uma grande preocupação com o patrimônio cultural indígena da Austrália, após a descoberta de que um local de arte rupestre em Nova Gales do Sul, na Austrália, foi fatalmente danificado nos recentes incêndios florestais sem precedentes que duram meses. A arte rupestre é uma prática antiga que inclui pinturas, desenhos e gravuras feitas em pedra; alguns dos exemplos mais antigos podem ser encontrados em Nova Gales do Sul. Os recentes incêndios no país colocaram muitos exemplos importantes em perigo .

O local em Nova Gales do Sul, com arte que se pensa ter 500 anos, está situado em terras privadas a oeste da cidade de Armidale, localizada a meio caminho entre Brisbane e Sydney. Ao descobrir os danos, o proprietário da propriedade em que o local da arte rupestre está localizado contactou Steven Ahoy e Callum Clayton-Dixon, representantes da tribo indígena Anaiwan, os proprietários tradicionais da terra. Eles visitaram o local com dois acadêmicos da Universidade da Nova Inglaterra: Mark Moore, professor associado de arqueologia, e Dr. June Ross, professor adjunto da escola de humanidades da universidade.

“O sítio de arte faz parte da paisagem cultural de Anaiwan e está diretamente conectado a outros sítios de arte importantes na área da Nova Inglaterra”, disse Ahoy ao The Guardian . “Esses sítios de arte são muito raros devido ao fato de que foram altamente danificados ou destruídos no passado.”

Há uma preocupação adicional, pois nem todos os locais de arte rupestre em Nova Gales do Sul foram totalmente documentados, o que significa que não há como medir a verdadeira extensão dos danos. Esse sítio só foi oficialmente registrado relativamente recentemente.

Ao avaliar o dano, Ahoy, Clayton-Dixon, Moore e Ross chegaram à conclusão de que o dano nesse local em particular era irreparável. Grandes fragmentos de granito haviam arrancado as rochas no calor e ferramentas de pedra danificadas pelo fogo foram encontradas.

“Esses locais são vulneráveis ​​a mais danos e erosão”, concluiu Moore. “Eles já estavam vulneráveis ​​por causa da seca. Artefatos de pedra foram expostos, espalhados por toda parte no chão, porque não há grama para cobri-los. ”

Ahoy falou da necessidade de retomar as práticas tradicionais de queima de mato, a fim de evitar mais destruição.

“Incêndios e outros padrões climáticos afetaram muito a paisagem”, disse ele. “E nós, como povo de Anaiwan, não tivemos a capacidade ou oportunidade de continuar nossas práticas de gestão da terra.”

A contagem dos danos continuará.

 

Fonte: artnet News

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …