Esculturas majestosas de Christo e Jeanne-Claude são apresentadas em documentários

As magníficas esculturas monumentais de Christo e Jeanne-Claude são familiares pelas fotos: fotos de tecido cor de açafrão suspenso sobre o Central Park para The Gates de 2004, imagens de um prédio do governo em Berlim revestido de vinil para o Reichstag embrulhado de 1995. Menos familiares são as imagens em movimento do processo de bastidores que levaram à realização de tais obras – todas na forma de documentários (muitos deles dirigidos por Albert e David Maysles) que não estavam disponíveis até então.

Na semana passada, o Criterion Channel, um serviço de streaming digital por assinatura administrado pela Criterion Collection, está destacando documentários sobre as esculturas de Christo e Jeanne-Claude, em parte como um tributo à morte de Christo, que morreu em maio passado aos 84 anos. São documentos valiosos do processo de Christo e Jeanne-Claude, e eles não se intimidam com a tarefa banal e às vezes penosamente difícil de fazer com que as autoridades locais permitam que essas esculturas majestosas fosesem realizadas. São filmes imperdíveis, mesmo para os fãs mais casuais de Christo e Jeanne-Claude.

A série do Criterion Channel se concentra em oito filmes. Abaixo, uma olhada em alguns destaques.

Cortina do vale de Christo (1974)

Albert e David Maysles (a dupla de irmãos por trás de filmes como Gray Gardens e Salesman, bem como a documentação mais amplamente vista de Cut Piece de Yoko Ono) foram os pioneiros de um estilo chamado cinema direto, que aspira a um tipo de documentário com cabeças falantes e edição inteligente. A Cortina do Vale de Christo, que eles fizeram com Ellen Giffard, é um exemplo perfeito desse estilo. Sua crueza atrai o espectador para o processo de Christo e Jeanne-Claude enquanto eles construíam uma de suas primeiras grandes criações, Valley Curtain, de 1972, em que eles desfraldaram mais de 200 mil metros quadrados de tecido vermelho-laranja sobre um vale em Rifle, Colorado. O projeto permaneceu em exibição por apenas 28 horas, antes que um vendaval forçou sua remoção. Mas, durante esse tempo, os carros podiam passar por baixo dele e seus pilotos podiam olhar para o tecido ondulante acima deles.

Levantar esse tecido não foi uma tarefa fácil, e grande parte deste curta-metragem indicado ao Oscar segue os trabalhadores enquanto eles tentam desenrolar uma porção de náilon que não se move. Mesmo que Christo tenha criado várias maquetes e esboços do projeto (nós até o vemos colocar um leque contra um modelo para testar como a obra se sairá com o vento), ele e Jeanne-Claude não conseguiram explicar todos os acidentes ocasionais que ameaçava arruinar o projeto. Mas os Maysles podem ser responsáveis ​​por grande parte do trabalho que colocaram nele, e este documentário é o melhor relato do projeto.

Running Fence (1977)

Running Fence (1977). CANAL DE CRITÉRIO DE CORTESIA

Para realizar suas esculturas, Christo e Jeanne-Claude tiveram que navegar por uma complexa gama de obstáculos burocráticos, convencendo os políticos em todos os níveis de que sua arte valia a pena realizar. Running Fence, que está entre os projetos mais ambiciosos da dupla, envolveu a extensão de 24,5 milhas de tecido nos condados de Sonoma e Marin na Califórnia, no processo dividindo terras agrícolas, campos e até mesmo algumas estradas isoladas. Naturalmente, o projeto despertou a desconfiança dos moradores locais, muitos dos quais, por acreditarem que o projeto não era como a arte deveria ser, exortaram políticos a proibir a obra. Sabiamente, os irmãos Maysles e Charlotte Zwerin devotam a maior parte de seu filme a essas maquinações de bastidores. Em uma sequência impressionante, um local particularmente preocupado diz diante de um comitê político: “Se permitirmos que a Running Fence Corporation use terras zoneadas para fins agrícolas para o que equivale a livros e filmes e publicidade para seus acontecimentos e gestos teatrais, eu proponho que seria logicamente muito difícil recusar autorizações para outras atividades comerciais, carnavais, shows de rock, corridas de motocicleta, qualquer coisa. ” Os cineastas cortam para Jeanne-Claude, que parece estar apenas segurando uma risada.

Na verdade, os políticos foram atrás de Running Fence e tentaram evitar que partes dele fossem realizadas, e este documentário relata de maneira emocionante todas as várias soluções alternativas que os artistas tiveram que encontrar para ver sua visão em realidade. Perto do final, o filme ganha vida, à medida que Christo e Jeanne-Claude evitam ações judiciais por pouco, enquanto os trabalhadores passam fome em meio ao trabalho em condições de calor. Há tanta tensão que você quase pode perder uma breve aparição de Lynn Hershman Leeson, outra artista festejada que atuou como diretora de projeto em Running Fence.

Guarda-chuvas (1994)

Alguns dos filmes sobre Christo e Jeanne-Claude soaram como bajuladores ou excessivamente laudatórios. (Foi o caso de Christo em Paris, em 1990, que homenageou a intensa – e bastante adorável – vida amorosa dos artistas. Eles compartilharam um aniversário, que ambos acreditavam significar que estavam destinados um ao outro.) Guarda-chuvas , em contraste, é crítico de seus temas, fazendo Christo e Jeanne-Claude parecerem inconstantes e desorganizados. Também põe em questão se o seu trabalho Os guarda-chuvas (1984-91), um ambicioso trabalho encenado em parte no Japão e em parte na Califórnia, valeu a pena no final, visto que acabou matando duas pessoas: um espectador que foi esmagado depois que um guarda-chuva levantado pelo vento a jogou contra uma rocha, e um trabalhador que ajudou a desmontar a peça na sequência dessa tragédia.

Ao longo de tensos 80 minutos, Henry Corra, Albert Maysles e Grahame Weinbren narram como tal trabalho surgiu. Assistimos enquanto Christo orienta os trabalhadores a erguer 3.100 guarda-chuvas pesando 219 kilos cada em dois vales distintos, e podemos ver os espectadores refletirem sobre o espetáculo diante deles. Embora bonito de se ver, Os Guarda-chuvas foram corretamente considerados por alguns como equivocados em sua execução, e os cineastas não se limitam a representar o caos que o cerca. Em uma sequência reveladora, Christo para o tráfego em uma estrada japonesa para que ele possa admirar a criação sua e de Jeanne-Claude de longe – um pequeno sinal de quão longe ele iria para se deleitar com a beleza de sua grande arte.

Fonte e tradução: Art News

Compartilhar:
Notícias - 02/08/2021

Artista transforma boate em um pântano 3D

Parece familiar e estranho ao mesmo tempo. Muitos berlinenses passaram pela Berghain, a casa noturna mais famosa da Alemanha, mas …

Notícias - 30/07/2021

Artefatos indígenas falsos estão sendo vendidos por museus e galerias canadenses

Um negociante canadense admitiu vender arte indígena fraudulenta a várias lojas de museus e outras empresas de arte na Colúmbia …

Notícias - 30/07/2021

Em chamas: Trágedia atinge a história da Cinemateca Brasileira

Na noite de quinta-feira, 29 de julho de 2021, a Cinemateca Brasileira foi engolida pelas chamas na zona oeste de …

Notícias - 29/07/2021

road-movie de Lúcia Murat investiga artistas latinoamericanas

Livremente inspirado na peça “Há mais futuro que passado” o road-movie “Ana. Sem Título”, da diretora Lúcia Murat (“Praça Paris”, …

Notícias - 29/07/2021

Conheça alguns dos artistas já definidos para a Bienal de Veneza

O fluxo de e-mails anunciando quais artistas estão representando seus respectivos países na Bienal de Veneza de 2022 tem sido …

Notícias - 29/07/2021

Galeria Marília Razuk exibe projeto a partir de diálogo entre artistas

Trazer ao público o processo de uma exposição que se desdobra no espaço e no tempo por meio de módulos …

Notícias - 29/07/2021

Prêmio PIPA anuncia Exposição dos Vencedores de 2020

Com uma trajetória de mais de dez anos no cenário da arte contemporânea, o Prêmio PIPA, uma iniciativa do Instituto …

Notícias - 28/07/2021

Sesc São Paulo promove exposição com obras de artistas indígenas

Encontros Ameríndios, exposição que entra em cartaz no Sesc Vila Mariana a partir do dia 31 de julho, traz um …

Notícias - 27/07/2021

Galeria Arte132 abre em São Paulo com exposição de Alex Flemming

Com foco na produção artística brasileira, a Arte132, galeria comandada por Telmo Porto abre suas portas em Moema, zona sul …

Notícias - 27/07/2021

Conheça os artistas e as obras da abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Enquanto a estrela do tênis japonesa Naomi Osaka carregava a tocha olímpica escada acima durante a cerimônia de abertura dos …

Notícias - 27/07/2021

Instituto Artium abre as portas em São Paulo

O Instituto Artium, entidade cultural sem fins lucrativos, fundada em 2019, abre as portas para o público com exposição coletiva …

Notícias - 22/07/2021

Instituições anunciam iniciativa colaborativa para o mundo da arte no combate às mudanças climáticas

Os lobistas da indústria das artes Gallery Climate Coalition (GCC), a casa de leilões global Christie’s (membro do GCC) e …