Escultura gerada por AI é feita a partir dos restos desfiados do computador que a projetou

O artista Ben Snell diz que queria dar o controle da escultura sobre os sistemas que o criaram.

A arte de AI ​​está tendo um bom momento. Há leilões que quebram recordes, controvérsias artísticas e debates sobre a natureza da criatividade. Mas aqui está uma novidade: uma escultura gerada por AI feita a partir dos restos do computador usado para projetá-la.

É o trabalho do artista de Nova York Ben Snell e está atualmente à venda na casa de leilões de Londres, Phillips. É talvez o terceiro leilão de significação da arte da AI ​​nos últimos meses, mas é a primeira escultura a passar pelo martelo. A Christie’s vendeu um retrato de AI impresso em outubro passado, enquanto a Sotheby’s leiloou uma videoinstalação de arte de AI em março.

A peça de Snell, chamada Dio, segue a metodologia básica desses trabalhos anteriores. Algoritmos de aprendizado de máquina são usados ​​para escanear e digerir um banco de dados de obras de arte históricas e, em seguida, tentar reproduzir os dados que eles viram, com sua saída guiada pelo artista.

No caso de Dio, os dados de treinamento foram um arquivo de mais de 1.000 esculturas clássicas (incluindo peças canônicas, como Discobolus e David de Michelangelo ), embora Snell esteja mantendo a contribuição que ele deu para dar forma à saída do algoritmo.

“Eu escolhi não descrever assuntos de técnica e implementação com mais profundidade, porque esses assuntos são inerentemente alienantes”, disse Snell. “Meu papel é comunicar e contextualizar o comportamento de Dio de maneira familiar. Eu acredito que seus processos são muito semelhantes aos nossos: fundamentalmente diferentes, mas notavelmente semelhantes. Meu objetivo não é tornar Dio mais humano; é para nos ajudar a nos reconhecer como computacionais”.

Mas enquanto humanos e máquinas compartilham certas semelhanças em como eles olham para o mundo (por que eles não seriam? Máquinas são feitas por humanos, afinal de contas), é possível dar crédito demais para AI . Alguns artistas que trabalham nesse campo dizem que estão apenas canalizando a criatividade de computadores e algoritmos, mas outros protestam e dizem que esses sistemas são ferramentas artísticas como qualquer outra, criados e usados ​​por humanos.

Snell tende para a última posição. “Eu me considero, não o computador, para ser o artista”, diz ele. Mas ele também fala entusiasticamente sobre a agência de seus algoritmos, dizendo que “Dio começou tentando recriar da memória todas as imagens que viu” e pediu ao computador que “fechasse os olhos e sonhasse com uma nova forma”. Ele diz que opte por usar essa linguagem figurada porque torna esses processos digitais mais relacionáveis ​​aos humanos.

Mas qualquer que seja a relação entre Snell e seus sistemas de aprendizado de máquina, ele diz que Dio será a “primeira e última” saída de seus algoritmos.

Depois que Snell terminou de criar o modelo 3D, ele desmontou o computador em que ele fez e o aterrava em pó usando uma caixa selada especialmente projetada. Isso incluiu o gabinete do computador, seu disco rígido, sua RAM e sua unidade de processamento gráfico. Ele então imprimiu em 3D um molde de Dio e lançou a escultura neste molde usando resina e os restos do computador.

Fazer isso, diz ele, foi uma tentativa de limitar seu controle sobre os algoritmos. Com o modelo de dados e treinamento usado para criar a forma de Dio agora transformada em pó literalmente, a escultura existe como um artefato único e irrepetível. “E voila!” Diz Snell. ” Dio surge com uma nova agência física.”

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …