Detetive descobre ponto exato do último trabalho de Van Gogh, pintado algumas horas antes de suicídio

As raízes da árvore de Vincent van Gogh (1890) Cortesia do Museu Van Gogh, Amsterdã (Fundação Vincent van Gogh)

O local – em uma vila ao norte de Paris – agora tem uma placa ligando-o à morte de Van Gogh

O local exato onde Vincent van Gogh estava pintando apenas algumas horas antes de se matar foi encontrado. A imagem, Tree Roots, foi identificada como seu último trabalho há alguns anos atrás. Agora, um cartão postal antecipado tornou possível identificar o local.

Esta semana, Willem van Gogh, bisneto do irmão do artista, Theo, e a diretora do Museu Van Gogh, em Amsterdã, Emilie Gordenker, apresentaram formalmente uma placa em Auvers-sur-Oise, vila ao norte de Paris, onde o artista morreu em 29 de julho de 1890.

A presença deles demonstra que tanto a família quanto o museu acreditam que é altamente plausível que o local da última pintura tenha sido finalmente encontrado. Essa descoberta poderia lançar uma nova luz sobre a trágica morte de Van Gogh.

O trabalho de detetive começou em 2012, quando o pesquisador sênior do museu Louis van Tilburg e o especialista em vegetação Bert Maes identificaram as raízes das árvores como a última pintura de Van Gogh. A evidência mais importante veio de um artigo obscuro e sem assinatura de Andries Bonger, cunhado de Vincent. Em 1893, Bonger escreveu que “na manhã anterior à sua morte ele havia pintado uma vegetação rasteira, cheia de sol e vida”. A sugestão de que Tree Roots foi a última imagem derrubou a crença de longa data de que o campo de trigo simbolicamente carregado de corvos era o trabalho final.

Campo de Trigo de Vincent van Gogh com Corvos (1890) Cortesia do Museu Van Gogh, Amsterdã (Fundação Vincent van Gogh)

A última reviravolta na história é a localização dos restos das árvores reais. A descoberta foi feita por Wouter van der Veen, diretor científico do Instituto Van Gogh, uma organização ligada à Maison Van Gogh – o antigo Auberge Ravoux em Auvers, onde o artista morreu em 29 de julho de 1890.

Há quatro meses, Van der Veen estava olhando através de velhos cartões postais de Auvers quando viu um retratando um ciclista em uma estrada, com uma íngreme ladeira de árvores atrás. De repente, ele percebeu que parte da cena era estranhamente semelhante à de Tree Roots, a pintura no Museu Van Gogh de Amsterdã. Depois de comparar a pintura de 1890 e o cartão postal de 1900-10, ele ficou cada vez mais convencido de que eles retratavam a mesma fileira de árvores.

Um cartão postal intitulado Auvers-sur-Oise, Rue Daubigny (1900-10) Cortesia de @ arthénon

 

A pintura de Raízes das Árvores adaptada e parcialmente sobreposta ao cartão postal Cortesia de @ arthénon

Com as restrições da pandemia do coronavírus nas viagens, Van der Veen teve que esperar até maio, quando pôde dirigir para Auvers. O cartão postal se chama Rue Daubigny e, ao chegar à estrada, ele rapidamente conseguiu identificar o local, do lado de fora do número 48. Surpreendentemente, o maior tronco de árvore na pintura e no cartão postal ainda está lá.

A localização fica a apenas 150 metros da pousada de Van Gogh, a apenas dois minutos a pé. Embora gerações de especialistas e aficionados de Van Gogh tenham passado por lá, ninguém havia descoberto o link. Quando Van der Veen visitou em 15 de maio, os restos das árvores e raízes estavam cobertos principalmente por vegetação fresca. A encosta foi então parcialmente limpa, revelando o contorno rígido da raiz principal e do tronco representado na pintura.

Uma barreira protetora foi erguida para evitar danos e permitir que a vista seja apreciada pelos turistas em Auvers, que visitam o Auberge Ravoux (que reabrirá em março próximo após o fechamento do coronavírus) além dos túmulos dos gêmeos Vincent e Theo Van Gogh.

Uma fotografia do local, como foi descoberta originalmente, em 15 de maio de 2020 Cortesia de @ arthénon

Uma fotografia do local, após a remoção de vegetação recente, mas antes da construção de uma barreira protetora, em 30 de maio de 2020 Cortesia de @ arthénon

Van der Veen investigou o que aconteceu em 27 de julho de 1890, o dia em que Vincent morreu. Citando Bonger, ele acredita que Van Gogh começou sua pintura naquela manhã, neste local convenientemente próximo a sua pousada. Embora seja uma foto grande (com um metro de largura), o artista normalmente trabalhava muito rapidamente e provavelmente a terminaria naquela manhã.

Van Gogh voltou para a pousada para o almoço de domingo. Van der Veen acredita que o artista voltou à Rue Daubigny, acrescentando alguns refinamentos à pintura e retratando os efeitos da luz do final da tarde. Ele levou o trabalho quase concluído de volta para a estalagem.

Embora isso permaneça especulativo, ao retornar ao quarto de dormir, ele pode ter tomado a decisão fatal. Naquela noite, carregando um pequeno revólver, ele deixou a estalagem e caminhou até os campos de trigo nos limites da vila. Não foi assassinato, como alguns autores recentes afirmaram, mas suicídio. Van Gogh morreu dois dias depois.

Como Van der Veen explica: “Depois de trabalhar por horas em uma pintura que mostra uma preocupação com a luta incansável entre a vida e a morte, Van Gogh, sentindo-se sozinho e sem alternativa, decidiu encontrar seu descanso terrestre com o sol poente, a periferia da vila com vista para um campo de trigo recém-colhido. Quanto às raízes das árvores, Van der Veen a considera uma “nota de despedida pintada”.

Fonte e tradução: The Art Newspaper

Compartilhar:
Notícias - 26/11/2021

Steve McCurry e a resiliência da infância em fotos

De meninas enfrentando o Mar de Sulu a crianças em idade escolar no Afeganistão, no novo livro Stories and Dreams …

Notícias - 26/11/2021

Veja resenha de nova biografia de Magritte, um homem de mistério

Ao contrário de seus contemporâneos surrealistas, René Magritte tendia a manter Freud à distância de sua obra – embora poucos artistas ofereçam …

Notícias - 26/11/2021

A 'amizade íntima' de Basquiat e Warhol é explorada em drama

A exposição prometia ser de tirar o fôlego, com os dois artistas usando luvas de boxe no pôster. Mas a ansiosamente …

Notícias - 26/11/2021

Imagem da semana: Um espírito emerge de um depósito de lixo no Senegal

Outside Dakar, capital do Senegal, é um depósito de lixo com seu próprio nome: Mbeubeuss. O terreno onde fica situado foi …

Notícias - 26/11/2021

A moda esquisita de Helmut Newton - em imagens

As sessões inusitadas do fotógrafo para revistas como Vogue e Vanity Fair tiveram uma influência duradoura nas artes visuais – …

Notícias - 18/11/2021

Frida Kahlo bate recorde em leilão da Sotheby's

Três lágrimas escorrem pelo rosto de Kahlo, seu cabelo solto sobre os ombros, enquanto a imagem de seu marido, o …

Notícias - 18/11/2021

artistas se unem em projeto pela descriminalização do aborto

“Eu acho que a arte sintetiza uma maneira de falar as coisas que atinge o coração das pessoas de um …

Notícias - 17/11/2021

Revelado o comprador do Giacometti de US$ 78,4 milhões

O chinês Justin Sun, de 31 anos, bilionário em tecnologia e fundador da plataforma de criptomoeda TRON, anunciou-se como o …

Notícias - 17/11/2021

Casa Fiat de Cultura abre seleção para a Piccola Galleria

A Casa Fiat de Cultura está com inscrições abertas para o 5º Programa de Seleção da Piccola Galleria. Artistas brasileiros …

Notícias - 17/11/2021

Artistas cubanos boicotam a Bienal de Havana

Antes da abertura da Bienal de Havana deste ano, artistas e ativistas cubanos estão fazendo um apelo veemente ao boicote …

Notícias - 12/11/2021

4ª Bienal recebe Maria Gadú e BNegão em ativação de obra

Um dos destaques da programação pública da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto são as …

Notícias - 12/11/2021

Galerias brasileiras marcam presença na Artissima XYZ e na Paris Photo

Os eventos de arte continuam em alta pelo mundo e a participação de galerias brasileiras nesse circuito internacional artístico ganha …