Desafiando as probabilidades, Marina Abramović apresenta a estreia mundial de sua primeira ópera

7 mortes de Maria Callas na Ópera Estatal da Baviera. Foto: Wilfried Hösl. Cortesia da Bavarian State Opera.

A artista sobe ao palco para morrer sete vezes em uma performance altamente esperada sobre celebridade, amor e crise interior.

A ópera será transmitida neste sábado 5/9 as 13h30 (horário de Brasilia) NESTE LINK.

Marina Abramović não é estranha no centro das atenções.

A carreira de décadas da rainha da arte performática foi marcada por muitos momentos de dissolução de fronteiras, de encontros com Jay-Z a colaborações com Adidas e Microsoft. Talvez não seja surpreendente, então, que a artista metamorfo tenha feito uma incursão na ópera.

Sua primeira peça estreou essa semana na resplandecente e histórica Bavarian State Opera House em Munique, Alemanha. A artista sérvia apresenta a estreia mundial de seu último trabalho, 7 Mortes de Maria Callas, que está atrasado desde abril devido ao coronavírus. A estreia estará disponível para streaming online em várias plataformas, incluindo o site da ópera, a partir da semana seguinte, em 5 de setembro.

O plano inicial para uma estreia lotada e repleta de estrelas na ópera estadual de 2.300 lugares já se foi. O local foi convertido para acomodar apenas 200 convidados por vez. Mesmo as primeiras filas foram removidas para acomodar o distanciamento social da orquestra de 40 músicos, que normalmente se senta apertada em um andar abaixo.

Mas o show deve continuar, e a orquestra estava se aquecendo antes do ensaio geral no sábado à noite, quando Abramović subiu ao palco para cumprimentar uma pequena plateia. Ela lamentou os desafios de trabalhar sob condições tão estritas. “Tivemos tantas dificuldades e restrições em tudo”, disse ela, acrescentando que após a estreia em 2 de setembro, ela deve ficar de quarentena para poder se apresentar nas próximas cinco noites.

7 mortes de Maria Callas na Ópera Estatal da Baviera. Foto: Wilfried Hösl. Cortesia da Bavarian State Opera.

“Não posso te beijar, não posso te abraçar, não posso compartilhar meu entusiasmo com você, e isso realmente parte meu coração”, acrescentou ela.

Uma tragédia, talvez, mas que é exclusivamente adequada para esta peça de ópera. Inspirada em particular pelo desgosto, a obra é uma ode à soprano grega nascida nos Estados Unidos, Maria Callas, e suas apresentações solo clímax – chamadas de árias – mas também à dor e ao sofrimento que acompanharam as divas grandiosas do século 20 fora do palco. Segue-se a história mítica de Callas, cuja dramática vida e caso de amor com o magnata da navegação Aristóteles Onassis muitas vezes ofuscou seu talento vocal.

“Se você olhar para a vida de Maria Callas, sua história é muito parecida com a minha”, disse Abramović à Artnet News em uma chamada de Zoom antes do ensaio geral. “É sobre morrer com o coração partido, é sobre ser morto pela pessoa que você ama.”

Ela contou os últimos anos solitários da vida de Callas, que passou reclusa em seu apartamento em Paris após a morte de Onassis em 1975, que a deixou desolada e inconsolável. Callas morreu de ataque cardíaco em 1977 com apenas 53 anos. Com um toque de remorso na voz, Abramović aludiu ao seu próprio relacionamento com o artista Paolo Canevari, que terminou em desgosto há quase uma década, enquanto ela falava abertamente sobre sua vida e trabalho desde o rompimento.

“Vejo-me muito em Callas”, disse Abramović. “Somos ambos sagitarianas, intensamente emocionais, mas frágeis ao mesmo tempo. Quase encontrei um destino semelhante ”, acrescentou ela, dizendo que Callas morreu com o coração partido. “A diferença [é que] meu trabalho me salvou.”

Abramović diz que o trabalho da ópera é sobre o empoderamento feminino. “Queria mostrar a força e perseverança que uma mulher pode ter”, disse ela. “Nem todo desgosto termina em tragédia. Eu acredito na esperança. ”

As sete mortes

Abramović inclui vários temas e elementos-chave de sua própria prática, incluindo facas, cobras, fogo e até mesmo nuvens que emanam de uma máquina de fumaça, entrelaçando com sucesso sua própria assinatura com a vida da protagonista a ponto de os dois se tornarem quase indistinguíveis.

Cada uma das sete árias principais é acompanhada por um curta-metragem projetado em palco. Em cada segmento, Abramović é morta pelo ator de Hollywood Willem Dafoe. Os filmes foram filmados em novembro passado em LA sob a direção de Nabil Elderkin, que fez vídeos para músicos como Kanye West e Kendrick Lamar.

As sopranos subiram ao palco, suas letras revelando o diálogo interior torturado dos dois protagonistas. Sem acrílico, mas amplo distanciamento.

Na primeira parte, Abramović passa grande parte do tempo perfeitamente imóvel, de olhos fechados, numa cama à esquerda do palco. Cortada para partituras que revelam uma ampla gama emocional referenciando os vários estágios do luto, a combinação de música e teatro culmina em uma soma que é muito maior e mais pungente do que suas partes individuais. Existem peças conhecidas como Addio del passato de La Traviata de Giuseppe Verdi e uma culminante Casta Diva de Norma de 1831 , ao lado de peças contemporâneas feitas pelo compositor sérvio Marko Nikodijevic.

A segunda metade da peça de uma hora e trinta minutos é ambientada em uma versão reconstruída do apartamento de Callas em Paris. Lá, Abramović se levanta da cama, caminha vagarosamente pela sala, sem saber a hora do dia, enquanto as letras dos sopranos no palco revelam o diálogo interior torturado de Callas.

No quarto de Callas, a lenta coreografia de Abramović testemunha os desafios de realizar até mesmo as funções corporais mais básicas enquanto cuida de um coração partido. Caminhando pela sala em um estado de melancolia perplexa, a intensidade passiva de cada movimento se torna excruciante e doloroso de assistir.

Como costuma acontecer com protagonistas femininas fortes e poderosas no mundo da ópera, a heroína é morta, mas, neste caso, Abramović morre sete vezes. Embora alguns possam dizer que a longa tradição da diva moribunda tem como pano de fundo a misoginia hedonística, logo emerge um subtexto de emancipação. Apesar de ser morto de várias maneiras por Dafoe, Abramović entra no palco de pé e triunfante para sua morte final, vestida com um vestido de ouro cintilante, encontrando seu destino final com uma sensação de poder.

“Eu queria pegar um meio antigo como a ópera e desconstruí-lo, para fazer uma nova maneira de vê-lo”, disse Abramović.

7 mortes de Maria Callas na Ópera Estatal da Baviera. Foto: Wilfried Hösl. Cortesia da Bavarian State Opera.

Segurança 

Para equilibrar número reduzido de audiência, distanciamento social e uma forte demanda para ver a peça, 7 Death of Maria Callas será transmitido ao vivo gratuitamente em 5 de setembro na Staatsoper.TV, BR-Klassik Concert e Arte Concert.

No entanto, para uma mulher como Abramović, que fez carreira colocando-se em situações inseguras e muitas vezes perigosas, o maior desafio agora é ajustar sua arte performática para enfrentar um futuro pós-Covid-19. Com tanto ceticismo e incerteza, as dúvidas ainda permaneceram até o último momento sobre se o show continuaria.

Ainda assim, quando questionada se ela acha que a performance deve agora se adaptar ao distanciamento social e ao que muitos argumentam ser um “novo normal”, a artista permaneceu desafiadora.

“Não acho que o desempenho precise se ajustar ao coronavírus”, concluiu ela, “acho que o coronavírus precisa se ajustar ao desempenho”.

Esse verdadeiro resultado pode representar uma tragédia de outro tipo. Talvez o verdadeiro desgosto ainda esteja por vir.

Fonte e tradução: Artnet

 

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …