De fraudes fiscais a processos judiciais. Confira 7 revelações de nova biografia de Warhol

Andy Warhol, Dollar Sign $, 1982

Andy Warhol tem sido objeto de grandes retrospectivas, um punhado de livros e uma série de estudos acadêmicos. Ainda há algo a ser revelado? Warhol, a nova biografia definitiva de Blake Gopnik, sugere que, de fato, ainda há revelações a serem discutidas. Abaixo estão sete das maiores revelações do livro.

O artista Philip Pearlstein pode ter inspirado o aforismo dos “15 minutos”.
O livro de Gopnik apresenta uma possível história de origem para uma das frases mais famosas de Warhol: “No futuro, todos serão mundialmente famosos por 15 minutos”. Traços de Gopnik que comentam algo dito pelo artista Philip Pearlstein, um colega de Pittsburgher, na década de 1940, quando ele e Warhol eram amigos. Antes de ser convocado para lutar na Segunda Guerra Mundial, Pearlstein havia recebido prêmios importantes em exposições de arte jurada por seu trabalho. Pearlstein disse a Gopnik que Warhol perguntou como era ser famoso, ao qual Pearlstein respondeu: “Isso durou apenas cinco minutos”. Gopnik questiona se isso deu “15 minutos”, embora Pearlstein aparentemente tenha se lembrado da história de maneiras diferentes ao longo dos anos. E Warhol pode nem ter dito isso: Gopnik sugere que o aforismo só entrou na consciência pública depois que foi publicado no catálogo para sua retrospectiva no Moderna Museet de 1968 em Estocolmo; Warhol só começou a repeti-lo depois que outros o adotaram como sua citação mais famosa.

O gosto pela fotografia entre os diretores de arte levou Warhol para o mundo da arte.

É sabido que Warhol começou como ilustrador, acumulando uma pequena fortuna com seus desenhos da moda – e, como alguns sugeriram, esquisitos – de sapatos. Mas é menos compreendido por que ele seguiu uma direção diferente e acabou se tornando um artista pop durante o início dos anos 1960. Segundo Gopnik, Warhol percebeu uma ameaça no surgimento da fotografia, que repentinamente deslocava os negócios de muitos artistas que trabalhavam à mão no início dos anos 60. “A arte comercial da época era tão difícil porque a fotografia realmente havia assumido o controle e todos os ilustradores estavam saindo do negócio muito rápido”, disse Warhol em uma de suas entrevistas finais. Atraído pela máquina de relações públicas do mundo da arte, Warhol começou a aparecer na galeria, onde acabou exibindo muitas pinturas usando imagens fotográficas.

Warhol pode ter adotado a idéia de algumas de suas obras inovadoras de outro artista.
Ao longo de sua carreira, Warhol era conhecido por testar ideias tradicionais sobre autoria e originalidade – mas ele emprestou o estilo de outro artista para seu próprio benefício, pouco antes de atingir o seu máximo? Gopnik sugere que Warhol pode ter se apropriado – ou roubado, poder-se dizer – a estética de suas pinturas de 1962 de notas de dólar de Chryssa, outro artista de Nova York que Warhol “precisava conhecer”, segundo Gopnik. Chryssa recebeu elogios por uma mostra do Museu Guggenheim de 1961, que exibia pinturas de anúncios de jornais impressos em grades. Um ano depois, na Green Gallery de Nova York, Warhol exibiu suas pinturas em dólar com suas imagens dispostas em um formato semelhante. “Por um breve momento antes da Pop Art decolar”, escreve Gopnik, “Chryssa era uma estrela em ascensão, como Warhol ainda não tinha esperança de ser”. Em potencialmente prejudicando seu estilo, Warhol estava sinalizando “o início de sua prática como a grande esponja da pop art”, afirma Gopnik.

Uma suposta agressão sexual causou alvoroço no set de um filme de Warhol.
Os filmes experimentais de Warhol desrespeitaram todos os tipos de costumes sexuais, mas Lonesome Cowboys, uma paródia de 1968 de Hollywood Westerns, pode ser o que mais causou problemas ao artista. Enquanto estava no set no Arizona, Warhol atraiu a atenção dos moradores ansiosos para ver o que um artista de vanguarda e seus estranhos amigos nova-iorquinos estavam aprontando, e um dia “as coisas realmente ficaram fora de controle”, escreve Gopnik. Viva, atriz da fábrica de Warhol, afirmou ter sido assediada pelos homens envolvidos nas filmagens e, segundo Gopnik, ela foi agredida no set. Uma queixa foi registrada no FBI, que manteve um arquivo em Warhol por nove anos depois.

Uma adaptação fracassada de Jane Eyre levou Warhol a uma batalha legal de dois anos.
No final dos anos 60, depois que Warhol se mudou do Pop, ele empreendeu uma série de projetos de filmes bizarros, incluindo uma adaptação do romance de Charlotte Brontë, Jane Eyre. Intitulado Jane Heir, A adaptação de Warhol seria ambientada no supermercado Huntington Hartford II, e era para ser um filme de verdade, com roupas de época a serem recicladas de uma versão falida da Broadway da história. Depois que um diretor de elenco se queixou de que o roteiro do filme não pedia diálogo, Warhol convidou seu amigo poeta Ronald Tavel para fazer uma reescrita, que agora apresentava a reformulação de Rochester como homem negro. Um emaranhado envolvendo financiamento ficou muito complicado e o projeto foi engavetado. Mas as lutas por causa disso não terminaram aí: Phillip “Fufu” Van Scoy Smith, investidor do projeto, processou Warhol mais tarde por US$ 80.000 em 1968, e a batalha legal durou mais de dois anos, terminando apenas depois que o patrocinador falhou em aparecer no tribunal.

Warhol pode ter se esquivado de seus impostos.
Quanto Warhol odiava pagar seus impostos? Um pouco, segundo Gopnik, que afirma que Warhol empreendeu numerosos esforços para ocultar suas finanças. Em um único dia de 1969, diz Gopnik, Warhol escreveu US$ 70.000 em cheques para sua mãe – de quatro entidades corporativas diferentes. “Esses pagamentos certamente parecem algum tipo de sonegação de impostos, colocando dinheiro nas mãos dela para voltar nas de Warhol”, escreve Gopnik. No entanto, havia outras transações potencialmente obscuras também: Gopnik afirma que Warhol deixou o Museu de Arte do Condado de Los Angeles e o Museu de Arte de Pasadena fabricar seus trabalhos e que ele os reivindicou como doações no valor de centenas de milhares de dólares. Os membros do círculo de Warhol sabiam que ele não era bom. Após a tentativa de assassinato de Warhol por Valerie Solanas em 1968, Brigid Berlin, uma amiga íntima de Warhol, disse: “Será a Receita Federal que o pegará, não uma arma”.

Warhol discutiu com um de seus revendedores de Nova York sobre obras que ele não gostava.
No final dos anos 60, Warhol havia se envolvido no projeto de Arte Empresarial, que envolvia a criação e execução de projetos destinados apenas a ganhar dinheiro, possivelmente como uma forma de arte conceitual. De acordo com Gopnik, a Business Art atingiu seu ápice com várias séries de pinturas produzidas pelo galerista de Nova York Ronald Feldman, que fez Warhol fazer fotos dedicadas a judeus proeminentes, animais em extinção e personagens de desenhos animados e ícones da cultura pop nos anos 80. (As fotos de animais, escreve Gopnik, representavam a “série mais fraca de Warhol até o momento.”). Embora os colecionadores comprassem as obras por preços altos, poucos – incluindo o artista – ficaram satisfeitos com essas obras. Warhol teria brigado com Feldman e acusou o revendedor de ter muito controle criativo sobre eles – Feldman chegou a escolher as imagens, afirmou Warhol. Uma vez, Warhol ligou para Feldman porque ele não tirou algumas das pinturas de ícones da cultura pop e, em um diário de 1981, o artista escreveu: “Acabei gritando e odeio gritar ao telefone”.

 

Compartilhar:
Notícias - 20/04/2021

Prêmio Arcanjo de Cultura valoriza artistas

O ano de 2020 foi desafiador para a classe artística e os trabalhadores da cultura. Prestigiar e valorizar estes profissionais …

Notícias - 20/04/2021

Após 14 anos fechado, MAB reabre e celebra 61 anos de Brasília

Um movimento na orla do Lago Paranoá anuncia novos tempos para a capital federal. Em meio à pandemia da Covid-19, …

Notícias - 19/04/2021

Gagosian apresenta exposição com novos trabalhos de Rachel Whiteread

A Galeria Gagosian apresenta “Internal Objects”, exposição de novos trabalhos de Rachel Whiteread. Whiteread emprega a linguagem formal do minimalismo, …

Notícias - 19/04/2021

Brasileiro vence World Press Photo Award 2021

O fotojornalismo brasileiro foi mais uma vez reconhecido na mais importante competição de jornalismo visual do mundo, promovida pela World …

Notícias - 16/04/2021

As pinturas de Cézanne e Degas podem render milhões em leilão

Obras dos artistas franceses Paul Cézanne e Edgar Degas são os sucessos de um leilão em Nova York e podem …

Notícias - 15/04/2021

Arte pelos Oceanos reúne artistas visuais em prol da preservação das praias cariocas

Não é novidade que as praias cariocas, que eternizaram o Rio de Janeiro no imaginário turístico mundial, sofrem com a …

Notícias - 14/04/2021

Passagem - por Maria Fernanda Paes de Barros

Que é a arte, afinal, do ponto de vista emotivo, senão a linguagem das forças inconscientes que atuam dentro de …

Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …