Cronista J. Carlos tem sua obra explorada em formato digital 3D pela Danielian Galeria

Capa para a Revista Para Todos

A exposição J.Carlos – Além do Tempo, com 84 desenhos do  artista e cronista, em um conjunto inédito para o público, reunido pelo curador Rafael Peixoto abre na Galeria Danielian em formato virtual 3D.

Veja mais informações sobre a mostra e Live com o curador no dia 8/8 AQUI.

Acesse a exposição virtual a partir do dia 8/8 as 17h AQUI.

A mostra cobre o período de 48 anos da produção de J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha. Para selecionar as obras da exposição, o curador Rafael Peixoto mergulhou nas 300 obras do acervo que pertenceu a Carlos Alberto de Brito e Cunha, neto do artista. “J. Carlos atuou como um cronista visual, traçando os jogos políticos, as dicotomias sociais, e as nuances dos primeiros 50 anos de república no Brasil, temperados por um senso de humor ácido, debochado e crítico”, conta o curador.

Dividida em cinco segmentos – “As capas”, “A política”, “A sociedade”, “A revista” e “Les femmes”, veja abaixo:

Segmentos

AS CAPAS

Capa para a Revista Fon Fon

O crescimento do número de publicações nos primeiros anos da República acompanhou um movimento de modernização da sociedade e uma concentração da população nos centros urbanos. Durantes quase cinco décadas de produção, J. Carlos contribui com a maioria das revistas desse período, mas foi nas capas onde mais elaborou suas composições. Soube adequar a relação entre o público-alvo e os perfis editoriais, alcançando grande alcance popular. Em publicações como “O Malho” e “Careta”, marcadas por seu posicionamento político, apresentou um relato ácido e crítico pertinente aos conflitos bélicos da primeira metade do século XX. Em contrapartida, nas revistas de variedades como a “Fon Fon” e a “Para Todos”, pode-se observar uma maior leveza: na primeira a tendência de um perfil anedótico inspirado na vida cotidiana da cidade e na segunda um verdadeiro Olimpo de figuras femininas, em composições envoltas em uma atmosfera sensual e onírica.

A POLÍTICA

Mussolini, Caricatura politica

A periodicidade na publicação das revistas possibilitou que o conjunto da obra de J. Carlos traçasse um panorama sobre as questões inerentes ao cenário vivido entre as duas grandes guerras mundiais. Nelas, fica clara a sua posição antifascista.

No ambiente de uma ainda frágil república brasileira, o caráter de denúncia de suas obras (carregadas de deboche e sarcasmo) estimulou a reflexão de nossa sociedade pouco habituada à política, fundamentada em bases democráticas instáveis e constantemente ameaçada por dinâmicas de privilégios e por episódios ditatoriais, como foi o exemplo da Era Vargas.

A precisão do seu traço e sua aguda observação fizeram com que muitas vezes seus desenhos alcançassem inclusive repercussão internacional. As suas charges e caricaturas são, portanto, uma fonte para o entendimento histórico desse período tão conturbado.

A SOCIEDADE

Baile de Carnaval, Revista para todos

Os eventos do final do século XIX no Brasil, como a república e o processo de abolição da escravatura, geraram um verdadeiro cabo de guerra em nossas estruturas sociais. De um lado, o protagonismo de uma crescente burguesia mercantil e industrial; e, de outro, um grande contingente populacional que se vê obrigado a buscar a sua subsistência sem qualquer amparo governamental. O adensamento da malha urbana e o desenvolvimento do trabalho informal agravaram a ideia de marginalização social. A cidade transforma-se em palco de tensões e assunto para as crônicas de J. Carlos. Para essa exposição foram selecionadas obras em que aparecem cenas cotidianas de ambas as partes e algumas em que esse conflito se torna o tema central.

O CARNAVAL

A imagem do Brasil como o país do Carnaval origina-se nas primeiras décadas do século e a contribuição de J. Carlos para isso foi fundamental. De forma sensível, o artista voltou seu olhar para as dinâmicas dessa festa popular, em diálogo com o modo de viver da nossa sociedade. A alegria festiva, o humor debochado e certa vontade de subversão refletem-se nos foliões, nas melindrosas e colombinas e na figura urbana do malandro. A despeito de vantagens ou desvantagens, esse imaginário nacional permeia a nossa cultura e vem sendo transformado e desenvolvido por diversos artistas até hoje.

LES FEMMES

Copacabana

Carlos tinha um fascínio pelas mulheres e criou um panteão de musas e personagens femininos. Suas charges e tirinhas revelam a dicotomia experimentada pela mulher na sociedade daquela época: a busca por independência dos padrões patriarcais em choque com uma visão sexualizada da figura feminina, que ainda hoje atravessa as nossas estruturas. A figura da Melindrosa é icônica na obra de J. Carlos. Impressa pelo artista no imaginário nacional, ao mesmo tempo em que insinua malícia e sensualidade também sugere uma libertação moral vanguardista em sua época.

O artista influenciou ainda a estética e a moda. Seus desenhos sintéticos, por vezes, inspiraram a confecção de roupas para a classe burguesa sedenta por novas tendências. Observe-se que em razão desses fatos, a produção de J. Carlos não se limitou apenas a ser crônica de um período histórico, mas sobretudo expandiu seu papel para a formação do gosto e da opinião pública.

A REVISTA

Alo Alo, A Lua e o Sol, Revista Careta, 1 de março de 1946

Carlos era autodidata e assumiu a direção artística de importantes revistas muito jovem. A falta de uma formação acadêmica, que poderia ser fator limitante, foi importante no desenvolvimento de sua liberdade criativa. Orientado por sua sensibilidade estética apurada, influenciou o design gráfico no Brasil. Como diretor artístico, criou identidades visuais que se alinhavam com o público-alvo de cada revista. Dado que contribui ao conceito de perfil editorial totalmente inovador para o ambiente brasileiro. No âmbito da diagramação, propunha soluções e recursos que ainda hoje surpreendem por seu caráter arrojado e dinâmico. Com o uso de vinhetas, elementos gráficos e capitulares, por exemplo, dotou de leveza a experiência da leitura. Na publicidade, elaborou importantes campanhas, como as da Caixa Econômica Federal e as do Cigarros Belmonte, onde chama a atenção a composição de uma cena dramática baseada em imagens domésticas e cotidianas. A concepção de diversas fontes e tipologias, ao longo de sua carreira, aproximou sua produção das principais vanguardas internacionais da época. O olhar panorâmico sobre sua obra mostra que habilidade de J. Carlos como designer ainda merece receber um olhar mais atento.

Compartilhar:
Notícias - 28/10/2020

Em fotografia: como a pandemia ressignificou o cotidiano

Por Milena Buarque Lopes Bandeira (Itáu Cultural)
Com o mundo em suspensão, olhares vacilantes e temerosos voltaram-se para dentro. O silêncio …

Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …