Crítico de arte italiano que cunhou o termo Arte Povera morre aos 80 anos

Jannis Kounellis - Palazzo Riso

O influente historiador, crítico e curador de arte italiano Germano Celant, que cunhou o termo Arte Povera para descrever a arte radicalmente econômica de Jannis Kounellis, Mario e Marisa Merz e Giuseppe Penone, entre outros, morreu aos 80 anos em Milão devido a a complicações do coronavírus.

Sua morte, relatada por vários meios de comunicação italianos, seguiu sua hospitalização no hospital San Raffaele várias semanas atrás.

Ele começou a exibir sintomas depois de voltar para casa de Nova York, onde havia visitado o Armory Show, segundo a publicação italiana Artibune.

Crítico de arte Germano Celant.  Foto de Marco Secchi / Corbis via Getty Images.

O eminente curador iniciou sua carreira em 1967, quando publicou seu manifesto Arte Povera, “Notas para uma guerra de guerrilha”, na revista Flash Art , onde defendia o trabalho de artistas que faziam “arte pobre, comprometida com a contingência, com eventos, não com o histórico, para o presente.”

Arte Povera – em grande parte uma resposta à cultura e economia industrial da Itália no pós-guerra – contrastava com as cores vivas e a sensibilidade comercial do movimento pop art americano. Celant lançou seus artistas favoritos, que usaram materiais não convencionais, como compensados ​​e trapos em seus trabalhos, em termos políticos. No fundo, enquanto Celant escrevia suas polêmicas, uma recessão na Itália dificultou o que anteriormente era um período de crescimento econômico sustentado, e os alunos influenciados por Marx protestavam nas universidades.

Enquanto ajudava a construir a reputação de artistas anti-establishment nas décadas de 1960 e 1970, Celant subiu nas fileiras do mundo da arte em uma carreira cada vez mais distinta.

Em 1997, ele curou a Bienal de Veneza e também atuou como curador na Guggenheim, editor colaborador das revistas Artforum e Interview, e foi diretor artístico da Fundação Prada em Milão na época de sua morte. Em outubro, ele anunciou que planejava uma mostra dedicada ao artista urbano KAWS.

“Não me sinto um homem de poder”, ele disse uma vez. “Eu sempre me interessei pelo poder da arte. Os artistas sabem disso: é por isso que confiam em mim.”

Celant nasceu em Gênova em 1940. Estudou história da arte na Universidade de Gênova com o crítico Eugenio Battisti, com quem trabalhou mais tarde na revista de arte e design Marcatrè , fundada por um grupo de críticos, incluindo Umberto Eco.

A exposição de Celant, Im Spazio, que foi montada na Galleria La Bertesca de Gênova em 1967, é frequentemente vista como o início do movimento Arte Povera. Entre suas muitas outras exposições significativas, havia um show de 1993 na Fundação Prada, no qual ele reinventou When Attitudes Make Form, a influente mostra de Harald Szeemann em 1969. Outras exposições significativas de Celant incluíram Metamorfose italiana, 1943-1968, que foi realizada no Guggenheim em Nova York.

“A perda de Germano Celant é uma catástrofe”, escreveu Carolyn Christov-Bakargiev, diretora do museu Castello di Rivoli em Turim, em um Tweet. “Uma das pessoas mais sérias do mundo da arte, das mais inteligentes e profundas.”

Fonte e tradução: Artnet News. Por Naomi Rea.

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …