Conheça toda a história por trás do Caravaggio redescoberto e vendido antes de chegar ao leilão

Caravaggio, Judith decapitando Holofernes (cerca de 1607), detalhe. Cortesia do Gabinete Turquin.

A pintura Judith decapitando Holofernes (cerca 1607) que especialistas afirmam ser uma segunda versão há muito tempo perdida de Caravaggio e descoberta em um sótão francês em 2014, não chegou a ser leiloada como previsto esta semana. A casa de leilões Marc Labarbe Auctions em Toulouse, na França, cancelou o planejado leilão de 27 de junho depois de receber uma oferta privada que era boa demais para os proprietários deixarem passar.

O comprador, um colecionador particular, planeja mostrar a pintura em um grande museu, de acordo com a publicação francesa La Tribune de l’Art.

“Recebemos uma oferta que não podia ser ignorada e que comunicamos aos proprietários da pintura”, disse Eric Turquin, revendedor e avaliador do Old Master parisiense que autenticou a pintura, em um comunicado. “O fato de a oferta ter vindo de alguém próximo a um importante museu convenceu os vendedores a aceitar.”

Estima-se que a pintura seja vendida entre 100 e 150 milhões de euros (US$ 114 milhões a 171 milhões). Excepcionalmente, estava sendo vendido sem uma reserva ou preço mínimo. Um comunicado de imprensa da casa de leilões observa que a identidade do comprador e o preço de compra são protegidos por uma cláusula de confidencialidade e que “a pintura sairá, consequentemente, do solo francês”.

“Tivemos tudo organizado para tornar o leilão um grande evento aberto ao público, mas nossa responsabilidade é aceitar a decisão dos vendedores, nossos clientes”, acrescentou Labarbe em um comunicado.

Labarbe descobriu a pintura em 2014, encostado a uma parede em um sótão escuro e entupido. Não era especialmente promissor, mas limpou a superfície com um pano úmido de algodão, revelando a pintura dramática abaixo, o relato bíblico do brutal assassinato de Holofernes por Judith.

Caravaggio, Judith decapitação Holofernes (cerca de 1607).  Cortesia do Gabinete Turquin.

Assim que ele limpou a camada de poeira, escreveu Labarbe no catálogo do leilão , ele se convenceu de que “eu tinha na minha frente a mais bela pintura da escola italiana do século XVII que eu já tinha visto na casa de alguém”.

Logo depois, o leiloeiro levou-o para Turquin, que identificou a peça como uma obra perdida de Caravaggio – apenas a 66ª existente. A descoberta foi triunfalmente revelada pelo Ministério da Cultura da França em 2016, que proibiu a exportação durante 30 meses enquanto era examinada pelo Centro de Pesquisa e Restauração de Museus da França, e restaurada meticulosamente.

“Chegou a hora”, escreveu Labarbe, “para a nossa Judith recuperar a posição que o esquecimento a havia negado por algum tempo: a de uma obra-prima de um dos maiores pintores de todos os tempos”.

Mas ainda há dúvidas sobre se a peça é realmente do mestre da Renascença italiana.

Durante uma exposição do trabalho na Pinacoteca di Brera, em Milão, onde a atribuição de Caravaggio foi apresentada com um asterisco, um membro do conselho de administração renunciou em protesto. A especialista em Caravaggio, Mina Gregori, acredita que a pintura é uma cópia de um de seus seguidores, o pintor e negociante de arte Louis Finson.

Os adeptos da pintura acreditam que Finson manteve um original de Caravaggio em seu estúdio; a peça é mencionada em uma carta de 1607 de um artista visitante, e no testamento de 1617 de Finson. Em 1619, o associado de Finson, Abraham Vinck, lista a tela em um inventário. Depois disso, seu paradeiro é desconhecido.

No entanto, Turquin “nunca teve um momento de dúvida” sobre a autoria da pintura, escreveu no catálogo do leilão. “A incrível força da expressão de [Judith], a sensualidade de sua boca, a energia de seu movimento, a opulência da cortina vermelha que funciona como pano de fundo para a cena do crime só poderiam pertencer ao maior de todos os pintores, Caravaggio.”

Como prova da autoria de Caravaggio, o catálogo oferece a existência de pentimenti, que mostram o artista revisando a composição enquanto trabalha, além de uma comparação lado a lado com uma cópia conhecida de Finson de Judith, do grande renascimento.

Detalhes de duas versões de <em> Judith Beheading Holoferne </ em>, uma cópia de Caravaggio de Louis Finson, a outra, a pintura recém-descoberta, considerada um segundo original de Caravaggio.  Foto cedida por Mark Labarbe Auctioneers /.

No mês passado, em antecipação ao leilão, a pintura viajou para Adam Williams Fine Art, em Nova York, onde foi vista em 10 e 17 de maio. Anteriormente foi exibido na Galeria Colnaghi, em Londres, bem como em Paris e Toulouse. A casa de leilões estima que 20 mil pessoas tenham visto a pintura desde sua redescoberta.

Compartilhar:
Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …