Conheça toda a história por trás do Caravaggio redescoberto e vendido antes de chegar ao leilão

Caravaggio, Judith decapitando Holofernes (cerca de 1607), detalhe. Cortesia do Gabinete Turquin.

A pintura Judith decapitando Holofernes (cerca 1607) que especialistas afirmam ser uma segunda versão há muito tempo perdida de Caravaggio e descoberta em um sótão francês em 2014, não chegou a ser leiloada como previsto esta semana. A casa de leilões Marc Labarbe Auctions em Toulouse, na França, cancelou o planejado leilão de 27 de junho depois de receber uma oferta privada que era boa demais para os proprietários deixarem passar.

O comprador, um colecionador particular, planeja mostrar a pintura em um grande museu, de acordo com a publicação francesa La Tribune de l’Art.

“Recebemos uma oferta que não podia ser ignorada e que comunicamos aos proprietários da pintura”, disse Eric Turquin, revendedor e avaliador do Old Master parisiense que autenticou a pintura, em um comunicado. “O fato de a oferta ter vindo de alguém próximo a um importante museu convenceu os vendedores a aceitar.”

Estima-se que a pintura seja vendida entre 100 e 150 milhões de euros (US$ 114 milhões a 171 milhões). Excepcionalmente, estava sendo vendido sem uma reserva ou preço mínimo. Um comunicado de imprensa da casa de leilões observa que a identidade do comprador e o preço de compra são protegidos por uma cláusula de confidencialidade e que “a pintura sairá, consequentemente, do solo francês”.

“Tivemos tudo organizado para tornar o leilão um grande evento aberto ao público, mas nossa responsabilidade é aceitar a decisão dos vendedores, nossos clientes”, acrescentou Labarbe em um comunicado.

Labarbe descobriu a pintura em 2014, encostado a uma parede em um sótão escuro e entupido. Não era especialmente promissor, mas limpou a superfície com um pano úmido de algodão, revelando a pintura dramática abaixo, o relato bíblico do brutal assassinato de Holofernes por Judith.

Caravaggio, Judith decapitação Holofernes (cerca de 1607).  Cortesia do Gabinete Turquin.

Assim que ele limpou a camada de poeira, escreveu Labarbe no catálogo do leilão , ele se convenceu de que “eu tinha na minha frente a mais bela pintura da escola italiana do século XVII que eu já tinha visto na casa de alguém”.

Logo depois, o leiloeiro levou-o para Turquin, que identificou a peça como uma obra perdida de Caravaggio – apenas a 66ª existente. A descoberta foi triunfalmente revelada pelo Ministério da Cultura da França em 2016, que proibiu a exportação durante 30 meses enquanto era examinada pelo Centro de Pesquisa e Restauração de Museus da França, e restaurada meticulosamente.

“Chegou a hora”, escreveu Labarbe, “para a nossa Judith recuperar a posição que o esquecimento a havia negado por algum tempo: a de uma obra-prima de um dos maiores pintores de todos os tempos”.

Mas ainda há dúvidas sobre se a peça é realmente do mestre da Renascença italiana.

Durante uma exposição do trabalho na Pinacoteca di Brera, em Milão, onde a atribuição de Caravaggio foi apresentada com um asterisco, um membro do conselho de administração renunciou em protesto. A especialista em Caravaggio, Mina Gregori, acredita que a pintura é uma cópia de um de seus seguidores, o pintor e negociante de arte Louis Finson.

Os adeptos da pintura acreditam que Finson manteve um original de Caravaggio em seu estúdio; a peça é mencionada em uma carta de 1607 de um artista visitante, e no testamento de 1617 de Finson. Em 1619, o associado de Finson, Abraham Vinck, lista a tela em um inventário. Depois disso, seu paradeiro é desconhecido.

No entanto, Turquin “nunca teve um momento de dúvida” sobre a autoria da pintura, escreveu no catálogo do leilão. “A incrível força da expressão de [Judith], a sensualidade de sua boca, a energia de seu movimento, a opulência da cortina vermelha que funciona como pano de fundo para a cena do crime só poderiam pertencer ao maior de todos os pintores, Caravaggio.”

Como prova da autoria de Caravaggio, o catálogo oferece a existência de pentimenti, que mostram o artista revisando a composição enquanto trabalha, além de uma comparação lado a lado com uma cópia conhecida de Finson de Judith, do grande renascimento.

Detalhes de duas versões de <em> Judith Beheading Holoferne </ em>, uma cópia de Caravaggio de Louis Finson, a outra, a pintura recém-descoberta, considerada um segundo original de Caravaggio.  Foto cedida por Mark Labarbe Auctioneers /.

No mês passado, em antecipação ao leilão, a pintura viajou para Adam Williams Fine Art, em Nova York, onde foi vista em 10 e 17 de maio. Anteriormente foi exibido na Galeria Colnaghi, em Londres, bem como em Paris e Toulouse. A casa de leilões estima que 20 mil pessoas tenham visto a pintura desde sua redescoberta.

Compartilhar:
Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …