Conheça a fabrica de processamento de desejos do coletivo Art Department

O coletivo de arte anônimo conhecido simplesmente como Art Department transformou um prédio desativado em “uma instalação secreta de processamento de desejos”.

Em todas as áreas metropolitanas, existem inúmeras subestações elétricas que mantêm o poder pulsando pela cidade. Eles são o lar de gigantes de aço que geram correntes elétricas de alta voltagem, que aceleram através da rede de cabos e torres de transmissão até que, eventualmente, alimentem as luzes em nossa casa. Subestações são perigosas; um passo errado poderia eletrocutar alguém em um instante. Mas, surpreendentemente, se você observar com cuidado, verá que a eletricidade não impede a vida da flora e da fauna. Percorrendo o prédio, pode haver um dente-de-leão frágil derramando suas sementes ao vento.

Em sua superfície, não há nada ligando uma frota de transformadores a uma erva delicada, mas o coletivo de arte anônimo conhecido simplesmente como o Art Department – conhecido por construir uma casa de chá no Griffith Park, soltando pétalas de jacarandá em becos e cultivando algas bioluminescentes – tem encontrado uma maneira de mostrar um parentesco entre esses dois temas.

Na semana passada, o Art Department acolheu visitantes de um prédio desativado situado nos terrenos da Subestação Laguna Bell em Commerce, que transformaram o local em “uma instalação secreta de processamento de desejo.” Dente-de-Leão, fomos informados, onde ultimamente, sementes estouradas acabaram sendo sopradas por um sonhador – e acontece que os desejos nem sempre se realizam. As sementes foram analisadas em uma questão lógica e quantitativa por burocratas ocupados fazendo malabarismos com os milhões de desejos que flutuavam em suas instalações.

Os visitantes que queriam fazer seus desejos pessoalmente receberam um ticket e foram instruídos a subir um lance de escadas enferrujadas que levaram a um prédio administrativo em ruínas. No interior, um corredor gramado e cheio de dentes de leão apontava os participantes para sua primeira estação: um escritório apertado onde um empregado pedia ao visitante que descrevesse seu desejo sem revelar os detalhes específicos (o Departamento de Pequenas Coisas Que Flutuam no Vento, que supervisiona a facilidade de processamento de pedidos, acredita firmemente que compartilhar um desejo secreto automaticamente o desqualifica de se tornar realidade). O burocrata fez perguntas mais gerais. O desejo poderia ser categorizado como altruísta ou egoísta? Refere-se ao romance ou sua carreira?

Em seguida, os participantes foram conduzidos à próxima estação, onde fizeram uma pesquisa mais completa sobre o WISH_TEK2000, um antigo computador dos anos 90 que rodava no DOS. No final da pesquisa – que lhe pedia para classificar sua sorte geral em uma escala de um a cem – o computador cuspiu a probabilidade de o desejo ser concedido.

Fotos: Michèle M Waite, cortesia do Art Department

Com a análise armazenada, finalmente chegou a hora de receber um dente-de-leão e fazer o pedido. Um horticultor cortou gentilmente um dente-de-leão que crescia em um frasco e apontou para um sistema de tubo pneumático onde as sementes seriam avaliadas e, eventualmente, despejadas no departamento de triagem de sementes, a coleção arquivada de centenas de milhares de sementes de dente-de-leão.

A jornada extravagante, que era única, bonita e habilmente produzida, pode parecer desprovida de profundidade conceitualmente, mas foi genuinamente envolvente. Mesmo que fosse visualmente impressionante, não se dissolveu para render fotos do Instagram. Levar os visitantes para o roteiro imersivo desencorajou-os a quebrar a quarta parede, puxando o telefone, e as pesquisas pressionaram os visitantes a pensarem mais seriamente sobre o que poderiam desejar se tivessem a chance de se tornar realidade.

Mas tão importante para a performance foi a escolha da localização do Art Department, que apresentou uma metáfora improvável. Ao imaginar a infraestrutura de desejos, também descobriu o papel das subestações. Como a onipresença dos dentes-de-leão, as subestações podem ser encontradas em todos os cantos da vida urbana, até mesmo em nossos próprios quintais, mas sua penetração raramente se registra em nossa consciência. Enquanto caminhava através de Dentes-de-Leão, captando visões dos geradores, torres de transmissão e linhas de energia que pairavam sobre o prédio através das janelas, parecia que a infraestrutura necessária para eletrificar casas para milhões de pessoas também era essencial para garantir os milhões de desejos dentes-de-leão, feito todo verão.

Quanta energia é gasta em algo que muitas vezes é dado como certo? As pilhas de sementes armazenadas na instalação representavam uma quantidade impressionante de mão-de-obra; Um representante do Art Departmente me disse que levou mais de um ano para coletar dentes-de-leão suficientes para a instalação de dois dias. A instalação e a subestação armazenaram uma quantidade espantosa de sementes e eletricidade, mas foram em grande parte despercebidas. Apenas algumas pessoas parariam e tirariam um tempo para explorar esses lugares que, através da concessão de desejos e da geração de poder , mantêm o Los Angeles cantarolando.

Dandelions, organizados pelo Art Department, aconteceram na Subestação de Laguna Bell (6319-6337 Garfield Ave, Commerce) de 11 a 12 de maio.

Compartilhar:
Notícias - 27/01/2021

Exposição de Luiz Zerbini em Londres ganha tour virtual

Justapondo formas orgânicas e geométricas, as pinturas de Luiz Zerbini exploram a relação entre cor, luz e movimento. Inspirada nas …

Notícias - 27/01/2021

Lixo do Monte Everest transformado em arte?

O Monte Everest é talvez mais conhecido por alguns dos números surpreendentes associados a ele. Ele se eleva quase 30.000 …

Notícias - 26/01/2021

Christal Galeria inaugura em Recife

A Christal Galeria, novo espaço cultural do Recife, abrirá ao público no dia 28 de fevereiro, no bairro do Pina, …

Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …