Como a arte inspira o cinema e o cinema inspira a arte?

Como os artistas contemporâneos do cinema conseguiram trazer os temas e técnicas das maiores pinturas para o grande ecrã

O 77º Festival Internacional de Cinema de Veneza anual acaba de terminar e, esperançosamente, em alguns dias, podemos até dizer que terminou sem qualquer consequência negativa. Foi o primeiro grande festival de cinema a ser realizado após o surto da pandemia e caracterizou-se pela distância física, testes obrigatórios antes de chegar e máscaras de proteção.A partir de uma ideia do Conde Giuseppe Volpi (Presidente da Bienal de Veneza), Antonio Maraini (escultor) e Luciano de Feo (Secretário Geral do Instituto Internacional de Cinema Educativo), em agosto de 1932 ocorreu a primeira edição do Festival. No início não pretendia ser um concurso, como o faz hoje, mas antes um acontecimento artístico e educativo: estimular a atividade artística e também a economia era o objetivo principal da Bienal de Veneza, então porque não dar ao cinema algum espaço também? Ao longo dos anos, a combinação de pintura e cinema tornou-se cada vez mais poderosa, para não dizer inspiradora. Os filmes tornaram-se as novas telas onde a iconografia pictórica muitas vezes encontrou terreno fértil.

Stanley Kubrick prestou homenagem à Pop Art em sua obra mais conhecida, A Clockwork Orange

Por exemplo, Stanley Kubrick prestou homenagem à Pop Art em sua obra mais conhecida, A Clockwork Orange (Laranja Mecânica), e quase descaradamente lembrou artistas do século 18, como Johann Heinrich Füssli e William Hogarth no filme Barry Lyndon, enquanto Peter Greenaway cobriu quase toda a história do arte clássica.

Cena de Barry Lyndon, Stanley Kubrick, 1975

Kubrick apresentou em Lolita, 1962, o filme baseado no romance homônimo de Vladimir Nabokov, como um meio extremamente evocativo de investigação iconográfica e psicológica.Uma Salomé dançando para João Batista, uma nova ninfa, uma criança deusa que se torna um símbolo de sedução. No entanto, o realizador americano não se esqueceu de citar o homem que, antes dele, investigou esta inebriante figura sobre tela – o artista polaco-francês Balthasar Kłossowski de Rola, mais conhecido como Balthus, que, com as suas pinturas excêntricas, refinadas e desavergonhadas, falou de mulheres jovens, sedutoras e cativantes que preservam sua inocência. Erótico e escandaloso – duas características essenciais nas quais o diretor se inspirou.
Há também Greenaway, um diretor mais nicho, mas certamente não menos culto, quase um Caravaggio contemporâneo do cinema: as posturas, as cores, as sombras e as luzes são estudadas de maneira tão precisa que lembram as pinturas de Paolo Veronese, mas também da arte flamenga dos séculos 16 e 17, que é claramente lembrada pelas salas cenográficas e pela utilização de espelhos. Com suas paisagens, ele fez referência a pinturas dos anos 1800 e até reinterpretou com maestria a Última Ceia de Leonardo da Vinci  – uma visão, uma investigação meticulosa de um dos afrescos mais famosos do mundo. Os detalhes são explorados em um crescendo rítmico e regular através do uso de luzes e sombras, uma sinfonia de imagens que aparecem e desaparecem para despertar o espanto e a curiosidade.

Lolita, Stanley Kubrick, 1962

Leonardo's Last Supper: A Vision by Peter Greenaway : Program & Events :  Park Avenue Armory

Leonardo’s Last Supper: A Vision by Peter Greenaway : Program & Events : Park Avenue Armory

Além de fazer referências e citações, o cinema também contou a vida de muitos grandes artistas, como Amedeo Modigliani, Jackson Pollock, Frida Kahlo, Artemisia Gentileschi, Jan Vermeer, Michelangelo Buonarroti, Michelangelo Merisi (mais conhecido como Caravaggio), Edvard Munch, Vincent Van Gogh e muitos outros.Mais do que muitos outros artistas, foi Van Gogh que fascinou diretores como Vincente Minnelli, George Cukor, Julian Schnabel, Dorota Kobiela e Hugh Welchman. Em 1956, um fascinante e parecido Kirk Douglas interpretou o papel de Van Gogh no filme Lust for Life, que é uma biografia precisa, onde cada detalhe é cuidado com extrema atenção e visa refletir fielmente a obra e a vida do artista. Outro filme poderoso é Frida, a história de uma artista mulher com psicologia delicada, dirigida por Julie Taymor em 2003. O filme investigou não só o trabalho da pintora, mas sobretudo a paixão que esta mulher tinha pela pintura e pelo marido Diego Rivera.

Artemisia Gentileschi, Judith Slaying Holofernes, 1612-13

Esta 77ª edição viu muitos documentários italianos como  Artemisia Gentileschi, pintora guerreira, que conta a história da primeira mulher a ser admitida numa academia que, graças também à ajuda do pai Orazio, conseguiu se confrontar e se medir com os gênios e mestres de seu tempo. Uma mulher, uma feminista, que teve que lutar não só pela profissão a que se dedicava, mas sobretudo por ter sido estuprada pelo artista plástico Agostino Tassi, que marcou a sua vida artística. Por meio de suas pinturas e temas, ela conseguiu mostrar a extrema indignação e dor que sentia pela violência que sofreu, como em Judith decapitando Holofernes: o drama se transformou em suas telas, dando-lhe força, sem nunca a fazer se render.A arte inspira o cinema, e o cinema, hoje, inspira a arte. Assim dizia Elsa Morante no seu Diario 1938: “Será que o segredo da arte está nisso? Ao relembrar como é a obra, em estado de sonho, relatar como ela foi vista, tente acima de tudo lembrar. Que talvez toda invenção seja lembrança”.

Compartilhar:
Notícias - 10/05/2021

Sesc São Paulo retoma visitação presencial a dez exposições

Em conformidade com os protocolos de segurança do estado e de cada município, o Sesc São Paulo retoma algumas atividades …

Notícias - 10/05/2021

Conheça Chakaia Booker e seu trabalho com pneus

O estúdio de Chakaia Booker não tem aquecedor, o telhado vaza e às vezes entram esquilos. Seu piso é arranhado …

Notícias - 10/05/2021

Análise das cartas de Van Gogh revela novos detalhes sobre pinturas

A primeira exposição a explorar os olivais de Vicente tem novas datas. A mostra no Museu Van Gogh de Amsterdã …

Notícias - 07/05/2021

Lista de finalistas do Turner Prize é composta inteiramente por coletivos com engajamento social

Em um ano marcado por dificuldades sem precedentes, colaboração e solidariedade são os temas subjacentes ao Turner Prize deste ano …

Notícias - 07/05/2021

Três coisas que você talvez não saiba sobre "The Child’s Bath", de Mary Cassatt

Quando o Dia das Mães foi proposto como feriado em 1913, a artista franco-americana Mary Cassatt não gostou muito da …

Notícias - 07/05/2021

Galerias brasileiras participam de feiras em Nova York

Em maio a cidade de Nova Iorque abriga algumas feiras de arte contemporânea, como a Frieze New York e a …

Notícias - 06/05/2021

Bienal de Arte Paiz tem início na Guatemala

Intitulada Lost. In Between. Together, pela primeira vez em sua história, a Bienal de Arte Paiz será inteiramente voltada para …

Notícias - 06/05/2021

OCUPAÇÃO IMAGÉTICA SELECIONA ARTISTAS DE REGIÕES PERIFÉRICAS DE SÃO PAULO E ABCD

“Entranhamentos” será uma exposição baseada no conceito de ocupação imagética, cujo principal objetivo é investigar novas possibilidades de exibição e …

Notícias - 06/05/2021

MASP anuncia Hanayrá Negreiros como nova curadora adjunta de moda

O Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP) anuncia Hanayrá Negreiros como nova curadora adjunta de moda. Negreiros …

Notícias - 30/04/2021

Pacaembu terá feira de arte em parceria com galerias

São Paulo vai ganhar uma nova Feira de Arte, num dos locais mais icônicos da cidade, o Complexo Esportivo do …

Notícias - 30/04/2021

Panorama Raft inicia chamada pública de projetos liderados por artistas de todo o Brasil

O Festival Panorama, um dos principais eventos artísticos do Brasil, lançou este ano o Panorama Jangada, um projeto criado no …

Notícias - 30/04/2021

inscrições abertas para o 4º PRÊMIO DE DESIGN INSTITUTO TOMIE OHTAKE LEROY MERLIN

Estão abertas as inscrições do 4º PRÊMIO DE DESIGN INSTITUTO TOMIE OHTAKE LEROY MERLIN, voltado a universitários e recém-formados de …