Com tema voltado ao feminismo, 12ª Bienal do Mercosul é adiada no RS

Gilberto Schwartsmann, Diretor Presidente da Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, anuncia a suspensão das atividades de produção da Bienal 12 por quatro semanas e a prorrogação por tempo indeterminado da abertura física das exposições, que estava prevista para o dia 16 de abril de 2020.
Frente à pandemia de Coronavírus (COVID-19), a equipe segue trabalhando virtualmente para alcançar possibilidades que vão além das exposições que acontecerão no MARGS, CHC Santa Casa, Praça da Alfândega, Memorial do Rio Grande do Sul e Fundação Iberê Camargo, no sentido de estabelecer desdobramentos da Bienal 12 nas plataformas digitais.
Junto à equipe e à curadora Andrea Giunta, o Diretor Presidente tem trabalhado em soluções inovadoras e criativas para o momento. Uma das propostas que está sendo planejada para os próximos dias é o uso das redes sociais do projeto como uma ferramenta imediata de comunicação entre a Bienal, os artistas e o público.

O percurso da Bienal 12
Com a curadoria da escritora, professora e pesquisadora argentina Andrea Giunta, e tendo como equipe curatorial os brasileiros Fabiana Lopes, Igor Simões, e a polonesa Dorota Biczel, a mostra intitulada “Feminino(s). Visualidades, ações e afetos” tinha abertura prevista para o dia 16 de abril de 2019.
As atividades públicas da Bienal 12 tiveram início em novembro de 2018, com o Seminário Arte, feminismos e emancipação, e prosseguiram em setembro de 2019, com a construção da Câmara de Professores, reunindo profissionais de escolas, universidades, institutos federais e espaços de educação não-formal, como ONGs e museus, sob condução do curador pedagógico da Bienal 12, Igor Simões.
De outubro a novembro de 2019, aconteceram os cinco encontros do Território Kehinde. Realizados em Porto Alegre, Caxias do Sul e Pelotas, os eventos promoveram debates e rodas de conversa com a presença de convidadas e convidados para a construção coletiva de saberes.
Por fim, de fevereiro a março de 2020, foram realizados 10 Exercícios Coletivos de Dissenso, também sob coordenação do Programa Educativo. Os encontros constituíram a formação de mediadores que atuarão na Bienal 12 e contaram com a presença de diferentes profissionais que compartilharam conhecimentos relacionados às temáticas da Bienal e à mediação em Artes Visuais.

Tema
O título desta bienal instala uma interrogação que remete à fricção central da cultura democrática contemporânea: a participação da sociedade desde o conceito de diferença entendida como multiplicidade e não como separação, tal como o expressou Denise Ferreira da Silva.
Toma também como ponto de partida as perguntas que propôs a teórica Nelly Richard em seu livro Masculino / Feminino (1993),  feitas no contexto latino-americano das transições democráticas. As suas interrogações remetem ao lugar social do feminino, suas construções, suas incompatibilidades e o salto sobre as lógicas binárias excludentes. As perguntas têm plena vigência. Particularmente no momento em que o feminino retoma agendas não realizadas desde os anos sessenta, recupera os questionamentos dos noventa e amplia suas urgências como consequência das aumentadas violências contra as mulheres e os coletivos LGBTTQ+; o aumento da pobreza e dos sistemas de exclusão e discriminação; a observação crítica e atenta dos programas que atacam os recursos naturais do planeta.

Veja texto da curadora Andrea Giunta

Inspira-se, nesse sentido, em uma frase poética de Carolina Maria de Jesus, camponesa, poeta e cronista afro-brasileira, que abriu interstícios entre o trabalho e o cuidado de seus filhos para escrever. Ela escrevia na riqueza da favela e apesar das limitações impostas por violências raciais (pós)coloniais. Escrevia “Até passar a chuva”. As palavras e as imagens se depositaram em seus papéis desenhando territórios que apontam para uma liberdade possível. Porque a escrita explora os limites que as circunstâncias apontam sobre a linguagem. 

A essas condições da criação provavelmente aludia Clarice Lispector quando se referia à tarefa de sulcar impossibilidades: “Tudo o que sei não posso escrever”, escrevia, ao nomear o “luxo do silêncio”. Mais do que a obviedade dos sentidos, deslocados em um tempo no qual se veem reduzidos a lugares comuns, em uma comunicação plana, o diagrama expositivo da bienal aponta para a leitura atenta de uma comunidade interpretativa capaz de abordar um tecido de sensibilidades e discursos que admitem o dissenso como mola da argumentação e da deliberação. Porque, sabemos, é necessário dizer,  e explorar as diferentes maneiras de nomear para evitar as classificações uniformes.

Compartilhar:
Notícias - 14/04/2021

Passagem - por Maria Fernanda Paes de Barros

Que é a arte, afinal, do ponto de vista emotivo, senão a linguagem das forças inconscientes que atuam dentro de …

Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …