Com tema voltado ao feminismo, 12ª Bienal do Mercosul é adiada no RS

Gilberto Schwartsmann, Diretor Presidente da Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, anuncia a suspensão das atividades de produção da Bienal 12 por quatro semanas e a prorrogação por tempo indeterminado da abertura física das exposições, que estava prevista para o dia 16 de abril de 2020.
Frente à pandemia de Coronavírus (COVID-19), a equipe segue trabalhando virtualmente para alcançar possibilidades que vão além das exposições que acontecerão no MARGS, CHC Santa Casa, Praça da Alfândega, Memorial do Rio Grande do Sul e Fundação Iberê Camargo, no sentido de estabelecer desdobramentos da Bienal 12 nas plataformas digitais.
Junto à equipe e à curadora Andrea Giunta, o Diretor Presidente tem trabalhado em soluções inovadoras e criativas para o momento. Uma das propostas que está sendo planejada para os próximos dias é o uso das redes sociais do projeto como uma ferramenta imediata de comunicação entre a Bienal, os artistas e o público.

O percurso da Bienal 12
Com a curadoria da escritora, professora e pesquisadora argentina Andrea Giunta, e tendo como equipe curatorial os brasileiros Fabiana Lopes, Igor Simões, e a polonesa Dorota Biczel, a mostra intitulada “Feminino(s). Visualidades, ações e afetos” tinha abertura prevista para o dia 16 de abril de 2019.
As atividades públicas da Bienal 12 tiveram início em novembro de 2018, com o Seminário Arte, feminismos e emancipação, e prosseguiram em setembro de 2019, com a construção da Câmara de Professores, reunindo profissionais de escolas, universidades, institutos federais e espaços de educação não-formal, como ONGs e museus, sob condução do curador pedagógico da Bienal 12, Igor Simões.
De outubro a novembro de 2019, aconteceram os cinco encontros do Território Kehinde. Realizados em Porto Alegre, Caxias do Sul e Pelotas, os eventos promoveram debates e rodas de conversa com a presença de convidadas e convidados para a construção coletiva de saberes.
Por fim, de fevereiro a março de 2020, foram realizados 10 Exercícios Coletivos de Dissenso, também sob coordenação do Programa Educativo. Os encontros constituíram a formação de mediadores que atuarão na Bienal 12 e contaram com a presença de diferentes profissionais que compartilharam conhecimentos relacionados às temáticas da Bienal e à mediação em Artes Visuais.

Tema
O título desta bienal instala uma interrogação que remete à fricção central da cultura democrática contemporânea: a participação da sociedade desde o conceito de diferença entendida como multiplicidade e não como separação, tal como o expressou Denise Ferreira da Silva.
Toma também como ponto de partida as perguntas que propôs a teórica Nelly Richard em seu livro Masculino / Feminino (1993),  feitas no contexto latino-americano das transições democráticas. As suas interrogações remetem ao lugar social do feminino, suas construções, suas incompatibilidades e o salto sobre as lógicas binárias excludentes. As perguntas têm plena vigência. Particularmente no momento em que o feminino retoma agendas não realizadas desde os anos sessenta, recupera os questionamentos dos noventa e amplia suas urgências como consequência das aumentadas violências contra as mulheres e os coletivos LGBTTQ+; o aumento da pobreza e dos sistemas de exclusão e discriminação; a observação crítica e atenta dos programas que atacam os recursos naturais do planeta.

Veja texto da curadora Andrea Giunta

Inspira-se, nesse sentido, em uma frase poética de Carolina Maria de Jesus, camponesa, poeta e cronista afro-brasileira, que abriu interstícios entre o trabalho e o cuidado de seus filhos para escrever. Ela escrevia na riqueza da favela e apesar das limitações impostas por violências raciais (pós)coloniais. Escrevia “Até passar a chuva”. As palavras e as imagens se depositaram em seus papéis desenhando territórios que apontam para uma liberdade possível. Porque a escrita explora os limites que as circunstâncias apontam sobre a linguagem. 

A essas condições da criação provavelmente aludia Clarice Lispector quando se referia à tarefa de sulcar impossibilidades: “Tudo o que sei não posso escrever”, escrevia, ao nomear o “luxo do silêncio”. Mais do que a obviedade dos sentidos, deslocados em um tempo no qual se veem reduzidos a lugares comuns, em uma comunicação plana, o diagrama expositivo da bienal aponta para a leitura atenta de uma comunidade interpretativa capaz de abordar um tecido de sensibilidades e discursos que admitem o dissenso como mola da argumentação e da deliberação. Porque, sabemos, é necessário dizer,  e explorar as diferentes maneiras de nomear para evitar as classificações uniformes.

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …