Cindy Sherman se transformou em palhaços, estrelas de cinema e mulheres da sociedade. Agora, está lidando com seu assunto mais difícil: homens

A artista diz que muitas vezes tem dificuldade em criar personagens masculinos porque eles “pareciam genéricos e antipáticos”.

VEJA AQUI matéria completa sobre a trajetória da artista na Revista DASartes.

O rosto de Cindy Sherman tem sido a tela em branco para centenas de personagens ao longo das décadas. Essas obras podem ser vistas nas mostras recentes de uma pesquisa na Fondation Louis Vuitton em Paris e uma exposição de novas fotografias na Metro Pictures em Nova York na que abriram na semana passada.

A artista continuamente desconstrói e reconstrói identidades que proporcionaram as mais horríveis e deliciosas faixas de emoção humana e perfurou nossas percepções da verdade – um conceito que a mídia social mudou dramaticamente nos últimos anos.

“Na verdade, não penso muito no excesso de imagem atual”, diz Sherman, a artista sem dúvida está por trás da primeira selfie verdadeira dos tempos modernos. A própria conta de Sherman no Instagram exibe principalmente para 323.000 seguidores selfies grotescamente manipuladas, salpicadas entre fotos na praia e de galas repletas de celebridades. “Eu realmente entrei no Instagram quando comecei a experimentar esses filtros de selfie”, diz ela.

A razão pela qual ela tem rolado para cima e para baixo ultimamente, no entanto, é para colocar as mãos em novas técnicas. Relatos de drag queen como o de Kim Chi da oitava temporada de RuPaul’s Drag Race têm sido uma fonte de inspiração para truques de maquiagem. “Eu amo essa técnica de cobrir as sobrancelhas com a cola”, diz Sherman. Mas sua fascinação por jogos de gênero excede os truques de contorno. Drag é um dos territórios que ela pensou em explorar em sua longa carreira de “vir a ser”. Como os palhaços, que ela explorou com uma série no início dos anos 2000, Sherman acha que “drag queens são fascinantes para a criação de personagens de marca registrada por meio da configuração da maquiagem, do figurino e, o mais importante, da identidade”.

Embora Sherman tenha feito experiências com personagens masculinos antes, como em suas séries Doctor and Nurse e History Portrait, ela nunca mostrou um grupo inteiro de personagens masculinos como ela faz em seu novo programa na Metro Pictures. A exposição apresenta 10 fotografias da artista posando como homem, ocasionalmente acompanhadas por uma contraparte feminina, e cada uma usando trajes acentuados em frente a paisagens que a artista fotografou em suas viagens recentes. Vestindo itens das coleções masculinas da estilista Stella McCartney, as figuras masculinas de Sherman são sutilmente performáticas, mas não exageradas; suficientemente masculino, mas notavelmente ocioso.

Cindy Sherman, sem título # 613 (2019). Cortesia do artista e Metro Pictures, Nova York.

Para uma artista que descaradamente se transformou em múltiplas variedades de feminilidade ao longo de sua carreira, Sherman admite se sentir desafiada pelas representações masculinas. Enquanto experimentava tornar-se homem no passado, ela diz que sua “ideia preconcebida de como os homens agem” nunca produziu o resultado desejado. “Eles pareciam genéricos e antipáticos”, diz ela, relembrando como tentou se encaixar em papéis masculinos enquanto filmava sua famosa série Untitled Film Stills, de 1977-80. O fato dela ter voltado aos assuntos masculinos durante as recentes discussões sobre masculinidade tóxica, particularmente desde o início do movimento #MeToo, é uma coincidência total, ela diz, e que até fez a artista questionar sua decisão. “Eu me perguntei se a ideia poderia ser lida como também ‘da época’”, acrescenta ela. O processo acabou envolvendo algum aprendizado, desde prender o cabelo para baixo para um efeito de cabelo recuado até posar com a dose certa de testosterona imageada.

As fotografias podem ser a personificação da obra de Sherman, mas a performance tem sido sua espinha dorsal e, a esse respeito, as personagens femininas têm se mostrado especialmente úteis. “Eles sempre têm histórias e emoções visíveis na superfície”, diz ela, referindo-se a suas “mulheres fabulosas e grandiosas”. Para personagens masculinos, Sherman teve que inventar uma performatividade diferente, na qual a normalidade se tornaria o significante do gênero. Em seu estúdio em Nova York, uma peruca ou um pouco de pelo facial ajudavam muito, enquanto as roupas masculinas relativamente neutras de McCartney davam o toque final.

Cindy Sherman, sem título # 610 (2019). Cortesia do artista e Metro Pictures, Nova York.

Em Sem título # 610 , um homem usa um suéter vermelho largo adornado com grossas letras pretas da coleção de primavera de 2017 da grife. Com seu cabelo longo e ondulado puxado para trás, ele lembra o ator Timothée Chalamet de meia-idade, o ator e ícone da masculinidade frágil que McCartney vestiu no passado. Sua mão apoiada com confiança no ombro da mulher, no entanto, sugere masculinidade tradicional. As mulheres da série são igualmente importantes, por equilibrar as atitudes dos homens e elevar suas expressões de gênero. Curiosas e atenciosas, elas agarram bolsas e usam joias como emblemas da feminilidade, e Sherman transita entre personagens femininos dentro da mesma foto com notável facilidade. “Um batom ou rímel mudou repentinamente o papel do personagem para irmã ou esposa”, diz ela.

Sherman já colaborou com marcas de moda, incluindo Comme des Garçons e Balenciaga, mas a artista não busca usar a moda de marca como declaração de classe, o que ela abordou em seus Retratos da Sociedade de 2008. Na verdade, foi seu trabalho para Balenciaga que a apresentou à fotografia digital em 2007. Depois de pedir emprestada a câmera de um amigo para a sessão, ela percebeu que não havia como voltar para o analógico. Agora, ela compara seu tempo no Photoshop na frente do computador com a pintura, e diz que às vezes dá resultados que estão fora de seu controle.

Cindy Sherman, sem título # 465 (2019). Cortesia do artista e Metro Pictures, Nova York.

A precisão digital também significa encontrar seu próprio rosto de forma altamente pixelizada. Testemunhar a transformação física de seu tema principal sempre fez parte do processo. “Usar-me no trabalho agora ressalta certos elementos do envelhecimento que, de outra forma, eu poderia estar menos ciente”, diz ela, sorrindo do outro lado da tela, que oscila entre a clareza e o borrão com a mudança da força da Internet.

O uso de sua própria imagem provavelmente não mudará tão cedo, mas ela ainda está descobrindo novos modos de transformação. Quando questionada sobre o que ela está fazendo a seguir, Sherman diz: “Eu pretendo trazer uma multidão para o quadro com homens, mulheres, crianças e pessoas mais velhas”.

Fonte e tradução: Artnet News

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …