Cientistas descobrem origem das pedras do parque arqueológico de Stonehenge

Stonehenge. Foto de Andre Pattenden, cortesia da English Heritage.

As enormes pedras sarsen vieram de apenas 24 quilômetros de distância

As origens dos maciços monólitos de pedra de Stonehenge, há muito tempo envoltos em mistério, foram finalmente desmistificados. Especialistas os localizaram em pedregulhos nas colinas próximas de Marlborough Downs, a apenas 24 quilômetros ao norte do monumento pré-histórico em Wiltshire, Inglaterra.

A descoberta, publicada esta semana por pesquisadores da Universidade de Brighton na revista Science Advances, na verdade confirma teorias antigas de que as lajes de arenito, chamadas sarsens, eram de algum lugar de Marlborough Downs, mas usou testes científicos para identificar o local exato para West Woods pela primeira vez.

“Até recentemente, nós não sabiamos que era possível saver a proveniência de uma pedra como Sarsen,” David Nash, um geomorfologista e principal autor do estudo, em um comunicado. “Foi realmente emocionante usar a ciência do século 21 para entender o passado neolítico e responder a uma pergunta que os arqueólogos debatem há séculos.”

Nash acredita que os construtores antigos transportaram as pedras, que pesam até 30 toneladas, pelo Wiltshire Avon Valley a leste ou por uma rota ocidental através da planície de Salisbury. “Podemos sentir a dor do povo neolítico que participou desse esforço coletivo e pensar em como eles conseguiram uma tarefa tão hercúlea”, escreveu Nash e seu co-autor, Timothy Darvill, professor de arqueologia da Universidade de Bournemouth, na Conversação .

Um sarsen, como os de Stonehenge, em West Woods, agora conhecido por ser a origem das enormes lajes de pedra do monumento pré-histórico. Foto de Katy Whitaker, cortesia da Historic England / University of Reading.

Stonehenge, na verdade, contém dois tipos diferentes de pedras, erguidas a milhares de anos. Os sarsens são as pedras de sílica maiores no anel externo e no centro de Stonehenge, cada um com cerca de um metro e meio de altura e dois metros de largura. Existem 52 no local hoje, mas os especialistas acreditam que havia originalmente 80.

As outras pedras menores dentro do círculo interno são conhecidas como pedras azuis, erguidas por volta de 3.000 aC. Em 2015, especialistas encontraram evidências de que essas pedras vieram das Colinas Preseli , a 280 quilômetros de distância, no oeste do País de Gales. Os locais exatos, Carn Goedog e Craig Rhos-y-felin, foram identificados em 2019, após oito anos de pesquisa. Mas as investigações sobre as sarsens, erguidas por volta de 2.500 aC, haviam ficado para trás.

Este núcleo de pedra, perfurado durante reparos em 1958, ajudou a desvendar um dos mistérios imortais de Stonehenge. Foto cedida por English Heritage.

A nova pesquisa foi possível graças a um ex-cortador de diamantes, Robert Phillips, que esteve envolvido em reparos realizados na estrutura pré-histórica em 1958. Para reerguer um trilithon caído, uma das pedras de três peças, Phillips e sua a equipe fez furos e inseriu parafusos de metal para reforçar a pedra rachada do lintel.

Phillips mantinha um dos núcleos cilíndricos de um metro e meio de altura, que deveria ser descartado, como lembrança, pendurado em seu escritório. 60 anos depois, Phillips, na véspera de seu aniversário de 90 anos, devolveu o núcleo à English Heritage, que supervisiona Stonehenge. (Metade de um foi redescoberta no ano passado no Salisbury Museum, mas o paradeiro dos núcleos e meio restantes é desconhecido.)

Em 1958, os trabalhadores ergueram uma pedra permanente em Stonehenge que havia caído um século atrás. Agora, uma amostra central perfurada durante o trabalho de reparo ajudou a identificar as origens do monumento misterioso. Foto cedida por English Heritage.

Imediatamente, os arqueólogos perceberam que essa era uma rara oportunidade de investigar as origens do marco – hoje é proibido perfurar as pedras em Stonehenge. “É a hora dos sarsens, na verdade”, disse Robert Ixer, geólogo do Instituto de Arqueologia da University College London, à  revista Science . “Elas foram negligenciados por muito tempo.”

Ao contrário das pedras no local, o núcleo não apresenta intempéries, o que pode afetar as leituras de sua composição química. Mais importante, a equipe foi autorizada a usar amostras destrutivas, pulverizando cerca de metade da amostra para uma análise completa, criando uma “impressão digital geoquímica”. Em seguida, eles usaram um espectrômetro portátil de raios-x para fazer leituras não invasivas da superfície de todas as 52 pedras no local.

Jake Ciborowski usando um espectrômetro portátil de fluorescência de raios-x. para realizar leituras de superfície em uma das 52 pedras duras de Stonehenge. Foto de David Nash.

Todos, exceto dois, compartilharam uma composição química quase idêntica com a amostra principal, sugerindo uma origem comum. As pedras são 99% de sílica, com traços de alumínio, carbono, ferro, potássio e magnésio.

Comparando a assinatura química com as leituras de espectroscopia de massa em amostras de 20 campos de rochas no sul e no leste da Inglaterra, os pesquisadores identificaram o West Woods como uma combinação com quase 100% de certeza.

“Não estávamos realmente procurando a fonte de Stonehenge”, disse Nash ao Irish Times . “Escolhemos 20 áreas e nosso objetivo era tentar eliminá-las, encontrar áreas que não correspondessem. Não achamos que conseguiríamos uma correspondência direta. Foi um verdadeiro momento. ”

O geomorfólogo da Universidade de Brighton, David Nash, examina uma amostra central removida de Stonehenge durante os reparos na década de 1950. Foto de Sam Frost, cortesia da English Heritage

Mesmo com essa tão esperada descoberta, no entanto, Stonehenge ainda guarda muitos segredos. Os especialistas ainda precisam determinar, por exemplo, exatamente como os construtores escolheram onde obter as pedras. Além disso, “ainda não sabemos de onde vieram dois das 52 sarsens restantes no monumento”, disse Nash à NBC News. “Ainda existem mistérios para resolver.”

Fonte e tradução: Artnet news

 

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …