Christo, que transformou paisagens ao redor do mundo com obras públicas monumentais, morreu aos 84 anos

Wrapped Reichstag Copyright Christo 1995 Photo: Wolfgang Volz

Christo, o artista búlgaro que cativou o público em todo o mundo por mais de cinco décadas, com enormes instalações de arte pública, morreu. Um representante do estúdio do artista disse que ele estava em sua casa na cidade de Nova York quando morreu de causas naturais na manhã de domingo 31/05/2020.

RELEMBRE AQUI a entrevista que o artista cedeu à DASartes, juntamente com sua esposa e companheira de trabalho Jeanne-Claude.

“Christo viveu sua vida ao máximo, não apenas sonhando com o que parecia impossível, mas percebendo isso”, dizia uma declaração do estúdio. Juntamente com sua falecida esposa e colaboradora, Jeanne-Claude, Christo criou obras de arte que “aproximavam as pessoas em experiências compartilhadas em todo o mundo, e seu trabalho permanece em nossos corações e memórias”.

Ao longo dos anos, Christo levou suas ambiciosas visões para a arte monumental a locais tão distantes quanto a costa australiana e o Parlamento Alemão, sempre procurando despertar a imaginação do público e inspirá-los a se envolverem de maneira diferente. Sua carreira foi definida por sua decisão de abandonar amplamente o espaço tradicional da galeria, optando por armar cortinas através de vales e tecer tecidos em torno de pontes. Ele tinha a visão e ambição de um artista, a exatidão e especificidade de um engenheiro, e um nível de determinação e insistência que poucos poderiam igualar.

Juntos, ele e Jeanne-Claude embrulharam o Pont Neuf em Paris e o Reichstag em Berlim; instalaram 7.503 portões com painéis de nylon cor de açafrão no Central Park; e cercaram 11 ilhas na Baía de Biscayne, Miami, com tecido colorido Pepto-Bismol. Ele costumava gostar de lembrar às pessoas que essas intervenções mágicas temporárias eram o produto de algumas décadas de trabalho sem glamour. Enquanto ele e Jeanne-Claude concluíram 23 projetos juntos por mais de 50 anos, eles foram impedidos de realizar mais de 47.

Christo e Jeanne-Claude durante a obra de arte The Gates, Central Park, Nova York (2005).  Foto de Wolfgang Volz, © Christo, 2005.

Christo e Jeanne-Claude durante a obra de arte The Gates , Central Park, Nova York (2005). Foto de Wolfgang Volz, © Christo, 2005.

 

Depois que sua esposa morreu de um aneurisma cerebral em 2009, Christo continuou trabalhando para mudar essa proporção. Um de seus planos de longa data – embrulhar o Arco do Triunfo em Paris, originalmente proposto em 1962 – estava prestes a ser concluído pouco antes de sua morte. O Arco do Triunfo, Wrapped, deve ser realizado em setembro de 2021, após um atraso de um ano causado pela atual situação de saúde pública. O estúdio de Christo confirmou que o projeto “ainda está em andamento”, observando que a dupla “sempre deixou claro que suas obras de arte em andamento continuariam após a morte”.

Christo Vladimirov Javacheff nasceu em Gabrovo, Bulgária, em 1935. Estudou na Academia Nacional de Arte do país antes de fugir de seu governo comunista, infiltrando-se em um vagão de carga para a Europa Ocidental. Após passagens por Viena e Suíça, ele chegou a Paris em 1958, onde viveu pintando retratos de socialites enquanto criava pequenos objetos embrulhados com tecido e barbante em particular.

Sua trajetória mudou quando ele conheceu Jeanne-Claude Denat de Guillebon, que o ajudou a realizar projetos mais ambiciosos fora da galeria e do espaço do estúdio. Em 1961, a dupla criou sua primeira obra de arte ambiental temporária ao ar livre, uma pilha de barris de óleo empilhados e rolos de papel industrial coberto de lona instalados no porto de Colônia. A escultura resultante parecia humanizar as pilhas, como se elas estivessem tentando visivelmente tornar-se invisíveis, cobrindo-se com um lençol.

Christo e Jeanne-Claude, <i> Dockside Packages, Porto de Colônia </i> (1961).  Foto: Stefan Wewerka.  © 1961 Christo

Christo e Jeanne-Claude, Dockside Packages, Porto de Colônia (1961). Foto: Stefan Wewerka. © 1961 Christo.

Em uma entrevista à Artnet News publicada em março, Christo disse que muitos de seus projetos foram definidos pela experiência de ser um nômade e um refugiado. “O pano é o elemento principal para traduzir isso”, disse ele. “Os projetos têm muitas partes resistentes, mas o tecido é muito rápido de instalar, como as tendas de beduínos em tribos nômades.”

Sua reputação cresceu quando ele e Jeanne-Claude bloquearam ilegalmente a Rue Visconti em Paris em 1962 com o Wall of Oil Barrels – The Iron Curtain, um muro de 89 barris de petróleo empilhados com 5 metros de altura, para protestar contra a construção do Muro de Berlim. Este projeto, assim como os outros criados durante os anos de formação que o casal passou juntos na Cidade das Luzes, é objeto de uma exposição futura (embora atualmente adiada) no Centro Pompidou.

Os projetos da dupla tornaram-se ainda maiores depois que se mudaram para Nova York em 1964. Décadas depois, The Gates, que foi instalado no Central Park em 2005 e que o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg chamou de “um dos projetos de arte pública mais interessantes de todos os tempos em qualquer lugar do mundo”, os tornou famosos além dos limites do mundo da arte.

Christo e Jeanne-Claude, fotografia documental da Surrounded Islands Biscayne Bay, Grande Miami, Flórida (1980-83). Foto: Wolfgang Volz © Christo 1983.

 

Embora Christo às vezes estivesse associado a movimentos como Novo Realismo e Land Art, ele preferia não estar vinculado a nenhum grupo mais amplo, ou mesmo a um meio específico. Para ele, a definição de arte era abrangente. Os detalhes do tecido que ele usou – onde foi fabricado, a contagem de fios, a história do matiz – foram tão importantes quanto os obstáculos burocráticos pelos quais ele passou e as longas declarações de impacto ambiental que ele e sua equipe reuniam para obter aprovação. “A obra de arte é revelada através do processo de obtenção de permissão”, disse ele na entrevista de março.

Ao longo dos anos, Christo se opôs a ambientalistas que insistiam em que alguns de seus projetos – como  Over the Riverseu plano abandonado de flutuar 42 milhas de tecido prateado acima do rio Arkansas – danificariam permanentemente a vida selvagem local. Algumas obras também resultaram em desastres: duas pessoas morreram enquanto interagiam com o projeto The Umbrellas, de 1991 (uma mulher da Califórnia morreu quando um guarda-chuva voou de sua base; um trabalhador no Japão foi eletrocutado durante a desinstalação).

Christo e Jeanne-Claude recusaram-se a trabalhar em comissão, vender sua arte pública ou aceitar dinheiro diretamente para um projeto público, optando por financiá-lo de forma independente através da venda de desenhos preparatórios, maquetes e outros trabalhos menores. (“Sou marxista educado”, disse Christo à Artnet News. “Utilizo o sistema capitalista até o fim. É econômico, inteligente e é estúpido não fazê-lo.”)

Os números de visitantes dos Píeres Flutuantes de Christo (2016) sobrecarregaram as autoridades locais.  Foto: MARCO BERTORELLO / AFP / Getty Images.

Os visitantes lotaram os Cais Flutuantes de Christo (2016). Foto: MARCO BERTORELLO / AFP / Getty Images.

Ele era conhecido como um falador rápido, um gesticulador selvagem e um defensor de detalhes. (Em uma peculiaridade reveladora, ele e o site extremamente detalhado de Jeanne-Claude têm três subseções na página “Sobre” : “Vida e obra”, “Perguntas frequentes” e “Erros mais comuns”.) Mas a mágica do trabalho de Christo veio quando toda essa papelada, engenharia e preparação resultaria em um produto acabado com o qual o público poderia se envolver, tirando os sapatos para caminhar ao longo dos Cais Flutuantes, que ele montou no lago Iseo, na Itália, em 2016, ou sentindo o vento em seus cabelos como eles caminharam sob a cortina de açafrão criada por The Gates, em 2005.

“Todos os nossos projetos são totalmente irracionais, totalmente inúteis. Ninguém precisa deles. O mundo pode viver sem eles. Eles existem no seu tempo, impossíveis de repetir ”, disse ele em março, repetindo um refrão comum que empregava em entrevistas há anos. “Esse é o poder deles, porque eles não podem ser comprados, não podem ser possuídos … Eles não podem ser vistos novamente.”

Fonte e tradução: Artnet News

Compartilhar:
Notícias - 27/01/2021

Exposição de Luiz Zerbini em Londres ganha tour virtual

Justapondo formas orgânicas e geométricas, as pinturas de Luiz Zerbini exploram a relação entre cor, luz e movimento. Inspirada nas …

Notícias - 27/01/2021

Lixo do Monte Everest transformado em arte?

O Monte Everest é talvez mais conhecido por alguns dos números surpreendentes associados a ele. Ele se eleva quase 30.000 …

Notícias - 26/01/2021

Christal Galeria inaugura em Recife

A Christal Galeria, novo espaço cultural do Recife, abrirá ao público no dia 28 de fevereiro, no bairro do Pina, …

Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …