Christo, que transformou paisagens ao redor do mundo com obras públicas monumentais, morreu aos 84 anos

Wrapped Reichstag Copyright Christo 1995 Photo: Wolfgang Volz

Christo, o artista búlgaro que cativou o público em todo o mundo por mais de cinco décadas, com enormes instalações de arte pública, morreu. Um representante do estúdio do artista disse que ele estava em sua casa na cidade de Nova York quando morreu de causas naturais na manhã de domingo 31/05/2020.

RELEMBRE AQUI a entrevista que o artista cedeu à DASartes, juntamente com sua esposa e companheira de trabalho Jeanne-Claude.

“Christo viveu sua vida ao máximo, não apenas sonhando com o que parecia impossível, mas percebendo isso”, dizia uma declaração do estúdio. Juntamente com sua falecida esposa e colaboradora, Jeanne-Claude, Christo criou obras de arte que “aproximavam as pessoas em experiências compartilhadas em todo o mundo, e seu trabalho permanece em nossos corações e memórias”.

Ao longo dos anos, Christo levou suas ambiciosas visões para a arte monumental a locais tão distantes quanto a costa australiana e o Parlamento Alemão, sempre procurando despertar a imaginação do público e inspirá-los a se envolverem de maneira diferente. Sua carreira foi definida por sua decisão de abandonar amplamente o espaço tradicional da galeria, optando por armar cortinas através de vales e tecer tecidos em torno de pontes. Ele tinha a visão e ambição de um artista, a exatidão e especificidade de um engenheiro, e um nível de determinação e insistência que poucos poderiam igualar.

Juntos, ele e Jeanne-Claude embrulharam o Pont Neuf em Paris e o Reichstag em Berlim; instalaram 7.503 portões com painéis de nylon cor de açafrão no Central Park; e cercaram 11 ilhas na Baía de Biscayne, Miami, com tecido colorido Pepto-Bismol. Ele costumava gostar de lembrar às pessoas que essas intervenções mágicas temporárias eram o produto de algumas décadas de trabalho sem glamour. Enquanto ele e Jeanne-Claude concluíram 23 projetos juntos por mais de 50 anos, eles foram impedidos de realizar mais de 47.

Christo e Jeanne-Claude durante a obra de arte The Gates, Central Park, Nova York (2005).  Foto de Wolfgang Volz, © Christo, 2005.

Christo e Jeanne-Claude durante a obra de arte The Gates , Central Park, Nova York (2005). Foto de Wolfgang Volz, © Christo, 2005.

 

Depois que sua esposa morreu de um aneurisma cerebral em 2009, Christo continuou trabalhando para mudar essa proporção. Um de seus planos de longa data – embrulhar o Arco do Triunfo em Paris, originalmente proposto em 1962 – estava prestes a ser concluído pouco antes de sua morte. O Arco do Triunfo, Wrapped, deve ser realizado em setembro de 2021, após um atraso de um ano causado pela atual situação de saúde pública. O estúdio de Christo confirmou que o projeto “ainda está em andamento”, observando que a dupla “sempre deixou claro que suas obras de arte em andamento continuariam após a morte”.

Christo Vladimirov Javacheff nasceu em Gabrovo, Bulgária, em 1935. Estudou na Academia Nacional de Arte do país antes de fugir de seu governo comunista, infiltrando-se em um vagão de carga para a Europa Ocidental. Após passagens por Viena e Suíça, ele chegou a Paris em 1958, onde viveu pintando retratos de socialites enquanto criava pequenos objetos embrulhados com tecido e barbante em particular.

Sua trajetória mudou quando ele conheceu Jeanne-Claude Denat de Guillebon, que o ajudou a realizar projetos mais ambiciosos fora da galeria e do espaço do estúdio. Em 1961, a dupla criou sua primeira obra de arte ambiental temporária ao ar livre, uma pilha de barris de óleo empilhados e rolos de papel industrial coberto de lona instalados no porto de Colônia. A escultura resultante parecia humanizar as pilhas, como se elas estivessem tentando visivelmente tornar-se invisíveis, cobrindo-se com um lençol.

Christo e Jeanne-Claude, <i> Dockside Packages, Porto de Colônia </i> (1961).  Foto: Stefan Wewerka.  © 1961 Christo

Christo e Jeanne-Claude, Dockside Packages, Porto de Colônia (1961). Foto: Stefan Wewerka. © 1961 Christo.

Em uma entrevista à Artnet News publicada em março, Christo disse que muitos de seus projetos foram definidos pela experiência de ser um nômade e um refugiado. “O pano é o elemento principal para traduzir isso”, disse ele. “Os projetos têm muitas partes resistentes, mas o tecido é muito rápido de instalar, como as tendas de beduínos em tribos nômades.”

Sua reputação cresceu quando ele e Jeanne-Claude bloquearam ilegalmente a Rue Visconti em Paris em 1962 com o Wall of Oil Barrels – The Iron Curtain, um muro de 89 barris de petróleo empilhados com 5 metros de altura, para protestar contra a construção do Muro de Berlim. Este projeto, assim como os outros criados durante os anos de formação que o casal passou juntos na Cidade das Luzes, é objeto de uma exposição futura (embora atualmente adiada) no Centro Pompidou.

Os projetos da dupla tornaram-se ainda maiores depois que se mudaram para Nova York em 1964. Décadas depois, The Gates, que foi instalado no Central Park em 2005 e que o ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg chamou de “um dos projetos de arte pública mais interessantes de todos os tempos em qualquer lugar do mundo”, os tornou famosos além dos limites do mundo da arte.

Christo e Jeanne-Claude, fotografia documental da Surrounded Islands Biscayne Bay, Grande Miami, Flórida (1980-83). Foto: Wolfgang Volz © Christo 1983.

 

Embora Christo às vezes estivesse associado a movimentos como Novo Realismo e Land Art, ele preferia não estar vinculado a nenhum grupo mais amplo, ou mesmo a um meio específico. Para ele, a definição de arte era abrangente. Os detalhes do tecido que ele usou – onde foi fabricado, a contagem de fios, a história do matiz – foram tão importantes quanto os obstáculos burocráticos pelos quais ele passou e as longas declarações de impacto ambiental que ele e sua equipe reuniam para obter aprovação. “A obra de arte é revelada através do processo de obtenção de permissão”, disse ele na entrevista de março.

Ao longo dos anos, Christo se opôs a ambientalistas que insistiam em que alguns de seus projetos – como  Over the Riverseu plano abandonado de flutuar 42 milhas de tecido prateado acima do rio Arkansas – danificariam permanentemente a vida selvagem local. Algumas obras também resultaram em desastres: duas pessoas morreram enquanto interagiam com o projeto The Umbrellas, de 1991 (uma mulher da Califórnia morreu quando um guarda-chuva voou de sua base; um trabalhador no Japão foi eletrocutado durante a desinstalação).

Christo e Jeanne-Claude recusaram-se a trabalhar em comissão, vender sua arte pública ou aceitar dinheiro diretamente para um projeto público, optando por financiá-lo de forma independente através da venda de desenhos preparatórios, maquetes e outros trabalhos menores. (“Sou marxista educado”, disse Christo à Artnet News. “Utilizo o sistema capitalista até o fim. É econômico, inteligente e é estúpido não fazê-lo.”)

Os números de visitantes dos Píeres Flutuantes de Christo (2016) sobrecarregaram as autoridades locais.  Foto: MARCO BERTORELLO / AFP / Getty Images.

Os visitantes lotaram os Cais Flutuantes de Christo (2016). Foto: MARCO BERTORELLO / AFP / Getty Images.

Ele era conhecido como um falador rápido, um gesticulador selvagem e um defensor de detalhes. (Em uma peculiaridade reveladora, ele e o site extremamente detalhado de Jeanne-Claude têm três subseções na página “Sobre” : “Vida e obra”, “Perguntas frequentes” e “Erros mais comuns”.) Mas a mágica do trabalho de Christo veio quando toda essa papelada, engenharia e preparação resultaria em um produto acabado com o qual o público poderia se envolver, tirando os sapatos para caminhar ao longo dos Cais Flutuantes, que ele montou no lago Iseo, na Itália, em 2016, ou sentindo o vento em seus cabelos como eles caminharam sob a cortina de açafrão criada por The Gates, em 2005.

“Todos os nossos projetos são totalmente irracionais, totalmente inúteis. Ninguém precisa deles. O mundo pode viver sem eles. Eles existem no seu tempo, impossíveis de repetir ”, disse ele em março, repetindo um refrão comum que empregava em entrevistas há anos. “Esse é o poder deles, porque eles não podem ser comprados, não podem ser possuídos … Eles não podem ser vistos novamente.”

Fonte e tradução: Artnet News

Compartilhar:
Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …

Notícias - 16/10/2020

Famoso artista chinês desafia fronteira EUA-México para pintar e mostra processo em vídeo

Para o artista contemporâneo Liu Xiaodong, a história pessoal é a maior fonte de inspiração. Sua infância na China rural e …

Notícias - 16/10/2020

Foto impressionante de Vik Muniz é uma homenagem a um grande artista americano

Se você está familiarizado com a arte americana contemporânea, a imagem de uma estação da Standard Oil pode trazer imediatamente …

Notícias - 16/10/2020

A história de vida de Artemisia Gentileschi será tema de uma série de tv

A vida de Artemisia Gentileschi (1593-1652), a grande pintora barroca que é o tema da tão aclamada exposição da London National Gallery, será …

Notícias - 15/10/2020

Exposição na Paulista chega à sexta edição com o tema “Liberdade e Democracia”

Uma realização da União Geral dos Trabalhadores – UGT, A Exposição na Paulista traz 15 obras de 18 artistas de …

Notícias - 13/10/2020

Artistas colorem empenas em BH e marcam maior mural assinado por uma artista indígena no mundo

Em menos de duas semanas, artistas negros e indígenas pintaram empenas gigantes na capital de Minas Gerais levando resistência e afeto …

Notícias - 02/10/2020

Como a arte inspira o cinema e o cinema inspira a arte?

Como os artistas contemporâneos do cinema conseguiram trazer os temas e técnicas das maiores pinturas para o grande ecrã

O 77º …