As icônicas esculturas de aranhas de Louise Bourgeois têm uma história surpreendente, veja 4 curiosidades

Uma edição de Maman de Louise Bourgeois no Museu Guggenheim em Bilbao, Espanha. LUIS TEJIDO / EPA-EFE / SHUTTERSTOCK

A arte de Louise Bourgeois assumiu muitas formas diferentes e frequentemente explorava tópicos como memória, sexo e trauma. Mas os trabalhos que vieram para definir a carreira da artista tardia são suas esculturas de aranhas, algumas das quais se erguem até 10m de altura no ar e como de fosse ameaças pairam sobre as cabeças dos espectadores. Abaixo está um guia para a prática escultural de Bourgeois e por que mais tarde em sua vida ela escolheu a aranha como o tema de seu trabalho.

Traumas na infância e experimentos no início da carreira lançaram o interesse para as aranhas.
Nascida em Paris em 1911, Bourgeois começou a fazer desenhos para o negócio de restauração de tapeçaria de seus pais desde o início. Ela lembrava com frequência que, quando criança, percebeu que seu pai estava tendo um caso com sua tutora. Depois de estudar nas mais importantes escolas de arte de Paris, ela se mudou para Nova York em 1938 para estudar na Art Students League. Enquanto suas primeiras peças eram pinturas e gravuras, ela começou a criar esculturas na década de 1940, concentrando-se primeiro em trabalhos em madeira e preparando as bases para suas esculturas de aranha décadas depois.

Em 1949, Bourgeois realizou uma exposição solo dedicado a suas esculturas na Peridot Gallery, em Nova York. A exposição apresentou suas esculturas de madeira, “Personnages”, que ela criou de 1945 a 1955. Esses esbeltos trabalhos abstratos possuem características idiossincráticas, como curvas e fendas. A artista disse que essas obras serviam de veículo através do qual ela lutava com lembranças de pessoas de sua infância e juventude em Paris – comentários que prenunciam os que ela mais tarde faria sobre suas aranhas.
Imagem carregada preguiçosa

Vista da instalação de uma exposição de Louise Bourgeois no Centre Pompidou em Paris em 2008. PAUL COOPER / SHUTTERSTOCK


Nas décadas seguintes, o trabalho burguês expandiu-se dramaticamente em escala.

Após sua primeira mostra solo em Nova York, Bourgeois continuou empurrando sua arte em novas direções. Nos anos 50, espirais começaram a aparecer com frequência em suas esculturas. Uma vez, ela descreveu a forma retorcida, que se tornaria um tema central em muitas de suas esculturas, gravuras e pinturas posteriores, como uma representação de “controle e liberdade” para ela. O artista começou a usar materiais como bronze, gesso e mármore na década de 1960 para fazer esculturas baseadas na anatomia humana, de membros e seios a genitais.

Essas obras acabaram estabelecendo o sentimento de inquietação e estranheza que seria sentido em grande parte da arte burguesa a partir de então. Com a série “Cells”, que Bourgeois começou a criar em 1989, vários anos após sua retrospectiva de 1982 no Museu de Arte Moderna, a artista abordou a noção de armadilha. Ela formou barreiras impenetráveis ​​com seus ambientes enjaulados, contendo esculturas e itens diversos, como móveis, tapeçarias e roupas. Essas esculturas psicologicamente carregadas visam estados de isolamento.

Imagem carregada preguiçosa

Uma edição de Spider III de Louise Bourgeois. WILL OLIVER / EPA / SHUTTERSTOCK

 

Bourgeois começou a criar suas esculturas icônicas de aranhas no final de sua carreira.
Bourgeois começou a criar suas famosas esculturas de aranhas de aço nos anos 1990. A artista já havia experimentado formas aracnídeas em dois desenhos a tinta e carvão feitos em 1947, mas sua série escultural levaria essas ideias a uma escala monumental. Talvez influenciada em parte por seus primeiros anos no ramo de restauração de tapeçaria, Bourgeois explicou uma vez que escolheu a aranha como um tema, porque seus traços a faziam lembrar a mãe. “Ela foi deliberada, inteligente, paciente, calmante, razoável, delicada, sutil, indispensável, pura e tão útil quanto uma aranha”, disse a artista.

Maman, que foi criada para a inauguração da Tate Modern em Londres em 2000 e permanece na coleção da instituição, é a maior das aranhas de Bourgeois. Os visitantes podem navegar pelas oito pernas abertas da criatura e espiar seu corpo, um elegante nó de formas em espiral. Sob o corpo, a aranha em grande escala carrega um saco de ovos de mármore. Um dos seis moldes de bronze da siderurgia original fica grandemente em uma praça externa no Guggenheim Bilbao, na Espanha. Edições de Maman também podem ser encontradas nas coleções da Galeria Nacional do Canadá, em Ottawa, no Museu de Arte Americana Crystal Bridges, em Bentonville, Arkansas e em outras instituições internacionais.

Imagem carregada preguiçosa

Uma edição de Maman exibida em Genebra, Suíça, em 2011. SALVATORE DI NOLFI / EPA / SHUTTERSTOCK


As aranhas de Bourgeois continuam sendo fontes de intrigas duradouras para muitos

Tendo sido objeto de uma exposição pública no Rockefeller Center, em Nova York, em 2001, uma exibição de longo prazo no Museu de Arte Moderna de São Francisco, a partir de 2017, e muitos outros espaços ao redor do mundo. Bourgeois criou aranhas de todos os tamanhos diferentes, incluindo de pequena escala e séries sobrepostas de pernas e corpos nos anos 2000. Um corpo crítico de trabalho em uma longa prática de exploração da psicologia, da emoção e das complexidades das relações humanas, as aranhas de Bourgeois tornaram-se algumas das esculturas mais amplamente reconhecidas no mundo.

Fonte e tradução: ArtNews

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …