Artefatos indígenas falsos estão sendo vendidos por museus e galerias canadenses

Um negociante canadense admitiu vender arte indígena fraudulenta a várias lojas de museus e outras empresas de arte na Colúmbia Britânica depois que as obras levantaram suspeitas dentro das comunidades indígenas. O Museu de Antropologia da University of British Columbia e o Audain Art Museum, ambos em Vancouver, estão entre as instituições que realizaram as obras de “Harvey John”, suposto artista haida e membro da Nuu-Chah-Nulth Nation. As esculturas em madeira de cedro foram avaliadas em US $ 500 a US $ 5.000.

A maioria das biografias online do artista foi excluída desde que a notícia foi divulgada no início desta semana, mas uma galeria de Banff descreveu John como “um artista da costa noroeste nascido na nação Nuu-Chah-Nulth em Nootka, Ilha de Vancouver, Colúmbia Britânica, em 1953”, e disse que sua linhagem poderia “ser rastreada até Jimmy John (1876-1978) (Nuu-Chah-Nulth / Yuquit) – um descendente direto do Chefe Maquinna, do Povo Nootka”.

Membros de um grupo online dedicado a discutir obras de arte indígenas falsas compartilharam suas preocupações em março, afirmando que as esculturas comprovadamente não eram obras de arte haida e que John não era um nome haida. Um membro confessou ter trabalhado em uma loja de presentes que vendia as esculturas, que foram vendidas pelo negociante de arte Steve Hoffmann, e disse que lhe disseram que “Harvey John” opera em uma oficina em Langley City, na Colúmbia Britânica.

Em uma declaração à Canadian Broadcasting Corporation, Hoffmann se desculpou e explicou que acreditava que John era um escultor indígena quando começou a representá-lo. No entanto, ele reconheceu que mais tarde descobriu a verdade e continuou a vender as obras sob o pseudônimo de Harvey John. “Uma maneira de ver isso é, eu estava ajudando alguém a ganhar a vida”, disse ele. “Mas outra maneira de ver é que era um pseudônimo. Não era preciso. ”

Hoffmann diz que não revelou o nome verdadeiro do artista porque não queria “delatar ninguém” e que planeja restituir as instituições afetadas. Alguns sites sugerem que o revendedor começou a vender as obras por volta de 2010.

O Audain Art Museum emitiu um comunicado esta semana declarando que comprou as obras “de boa fé de um fornecedor atacadista cujo produto era respeitado na comunidade artística da Colúmbia Britânica”, e que “rompeu imediatamente os laços” com o fornecedor após saber sobre a falsidade. O museu diz que fornecerá um reembolso total para os compradores.

Uma investigação conduzida em 2019 que catalogou 260 itens em 40 lojas descobriu que 75% da arte indígena nas lojas de presentes em Vancouver eram fraudulentas ou não puderam ser identificadas. Apenas 25% das lojas pesquisadas vendem totalmente objetos autênticos.

A deturpação da arte indígena é ilegal nos EUA de acordo com a Lei de Artes e Ofícios Indígenas de 1990 e punível com pena de prisão de cinco anos ou multas de até US $ 1 milhão. No entanto, uma lei semelhante não existe no Canadá, e nos EUA a lei foi aplicada em apenas um caso, quando um comerciante baseado em Albuquerque foi processado com seis meses de prisão e condenado a pagar $ 9.000 em restituição pela venda de joias indígenas fraudulentas feitas nas Filipinas.

 

FONTE: The Art Newspaper

Compartilhar:
Notícias - 05/07/2022

Exposição apresenta as inspirações reais de Walt Disney para criar as artes de seu estúdio

Após aparições no Metropolitan Museum of Art em Nova York e na Wallace Collection em Londres (até 16 de outubro …

Notícias - 05/07/2022

Itaú Cultural lança chamamento de projetos de arte e cultura no metaverso

No ano em que comemora 35 anos, o Itaú Cultural segue em sua trajetória consolidada no cenário brasileiro por sua …

Notícias - 04/07/2022

FBI confisca e retira de exposição obras falsas de Basquiat

Na sexta-feira, 24 de junho, agentes do FBI entraram no Museu de Arte de Orlando, removendo todas as pinturas de …

Notícias - 04/07/2022

Manifestantes colam a si mesmos em obras de museus

Dois ativistas climáticos se colaram em uma pintura de Vincent van Gogh em um museu de Londres, um dia depois …

Notícias - 04/07/2022

Documentário sobre a trajetória de Claudia Andujar com os Yanomami estreia nos cinemas

A fotógrafa suíça Claudia Andujar, de 90 anos, atravessou a guerra na Hungria, fugiu da perseguição nazista em Viena e, …

Notícias - 01/07/2022

Margaret Keane, pintora de "Big Eyes", morre aos 94 anos

A artista Margaret Keane, cujas pinturas de crianças de olhos grandes eram incrivelmente populares nos anos 50 e 60, morreu …

Notícias - 01/07/2022

Grandes Mestras recebem o Pride of Place, em Londres

Pinturas de mulheres estarão entre as descobertas mais interessantes apresentadas na Masterpiece deste ano. A feira de arte de Londres …

Notícias - 01/07/2022

Banksy recebe cátedra honorária

A BBC informou nesta quinta-feira (30), que o anônimo artista de rua britânico Banksy será premiado com uma cátedra honorária. …

Notícias - 01/07/2022

MARGS lança Projeto de Digitalização de seu Acervo Documental

A Secretaria de Estado da Cultura do RS (Sedac), através do MARGS, anuncia o pré-lançamento do “Projeto de Digitalização do …

Notícias - 30/06/2022

Capa do disco de Beyoncé tem comparações com a famosa pintura de Lady Godiva

Após semelhança com fotografia de performance da artista Berna Reale, na tarde de quinta-feira 30 de junho, Beyoncé revelou a …

Notícias - 30/06/2022

Abre em São Paulo o Museu das Culturas Indígenas

Abriu no último dia 29/6, em São Paulo, o Museu das Culturas Indígenas.

Localizado na capital de São Paulo, o Museu …

Notícias - 30/06/2022

A fotógrafa Sibylle Bergemann ganha retrospectiva na Berlinische Galerie

A fotógrafa Sibylle Bergemann (1941–2010) captou as histórias de pessoas e lugares de uma forma especial. Durante seu período criativo, …