Arte censurada: Uma banana pra você!

Um museu polonês censurou o trabalho fálico de um artista feminista. Então um exército de manifestantes comedores de banana protestou.
Figuras proeminentes, incluindo Claire Bishop e Paulina Ołowska, assinaram uma carta aberta advertindo o museu.

Na Polônia, o simples ato de comer uma banana se tornou um ato de protesto subversivo. E esse protesto conseguiu persuadir o Museu Nacional de Varsóvia a devolver obras censuradas de arte feminista à exposição pública – pelo menos por enquanto.

O problema começou na sexta-feira, 27 de abril, quando a imprensa polonesa publicou relatos de que três obras de artistas femininas haviam sido removidas das galerias de coleções permanentes do Museu Nacional de Varsóvia. Entre eles estava o trabalho seminal da criadora de imagens feminista polonesa de vanguarda Natalia LL, Consumer Art (1972). A série fotográfica mostra um modelo sugestivamente comendo alimentos como uma banana ou um cachorro-quente, fazendo um comentário humorístico sobre os estereótipos femininos hipersexualizados na mídia.

Segundo relatos, o novo chefe da instituição, Jerzy Miziołek, decidiu remover os trabalhos em questão depois de ser convocado pelo Ministério da Cultura do país. Um porta-voz do ministério disse que eles não interferem nas atividades do museu, mas podem exigir uma explicação para as decisões da instituição quando acharem melhor. O porta-voz afirmou que o ministério recebeu uma queixa de uma mãe que visitou a exposição com uma criança pequena e considerou os trabalhos inadequados, informou a imprensa local.

Miziołek, que foi nomeado para o cargo pelo governo de direita da Polônia, defendeu sua decisão de remover as obras. “Certos tópicos relacionados ao gênero não devem ser explicitamente mostrados”, disse ele ao jornal polonês Gazeta Wyborcza.

O retorno foi imediato. Desde sexta-feira, os poloneses têm postado imagens de si mesmos comendo bananas, com a hashtag #bananaselfie se espalhando rapidamente nas redes sociais. Um evento no Facebook pedia um protesto em frente ao museu na segunda-feira, 29 de abril e listava mais de 7.000 participantes. A Deutsche Welle informou que centenas de manifestantes se reuniram para comer bananas em frente ao museu neste dia.

O alvoroço parece ter funcionado – mesmo que apenas temporariamente. O museu divulgou um comunicado na segunda-feira dizendo que as obras de arte seriam devolvidas às galerias onde elas estavam penduradas nos últimos seis anos, e permanecerão até o dia 5 de maio, quando o lançamento da coleção já estava programado para começar. No comunicado, Miziołek nega que ele tenha sido convocado pelo Ministério da Cultura e insiste que todas as decisões foram apenas dele. Não está claro se as obras em questão farão parte de um refluxo do museu depois de 5 de maio.

Natalia LL é considerada uma pioneira do conceitualismo feminista e da body art no movimento de vanguarda polonês do início dos anos 1970. Seus vídeos e trabalhos fotográficos tratam de questões relacionadas à desigualdade de gênero e à opressão das mulheres. Suas obras estão nas coleções de vários museus em toda a Polônia, assim como na Alemanha e na França. Nascida em 1937, ela ainda está produzindo trabalhos fotográficos.

Também foi censurado o vídeo em alemão The Appearance of Lou Salomé (2005), de Katarzyna Kozyra, originalmente encomendado para uma exposição no Kunsthalle Wien em Viena, e na Parte XL. Tele Game (2005), da dupla de artistas Aleksandra Kubiak e Karolina Wiktor. A Parte XL mostra uma performance que teve lugar em uma transmissão de TV ao vivo na qual os telespectadores podiam ligar de forma anônima e dizer aos artistas o que fazer. As ações exigidas deles rapidamente se tornaram sexuais e violentas.

A Polônia se tornou mais conservadora desde que o partido de extrema-direita na Polônia, PiS, se alinhou com a igreja em 2015 para conquistar a maioria no parlamento. Desde então, o governo tem promovido cada vez mais visões nacionalistas nas instituições culturais do país e substituiu muitos diretores em cargos-chave para remodelar a paisagem cultural. A retórica anti-aborto também está em ascensão no país, que já tem uma das mais rígidas leis de aborto na União Européia.

Na esteira da controvérsia, dezenas de figuras do mundo da arte – incluindo a historiadora de arte Claire Bishop, o diretor da Kunsthalle Zürich, Daniel Baumann, a curadora Catherine Morris, a artista Paulina Ołowska ea revendedora Magda Sawon – assinaram uma carta criticando a censura e incentivando o museu a mantenha os trabalhos à vista após o refluxo.

“Nós nos opomos à censura da cultura e à interferência no direito dos artistas à liberdade de expressão e ao direito dos telespectadores a uma escolha irrestrita em relação à arte que podem ver nas instituições de arte e em sua interpretação”, diz a carta. “Atos de censura privam os artistas da liberdade de expressão e, neste caso, também privam as mulheres de sua voz. Expressamos nossa esperança de que nos novos arranjos da galeria … as obras de mulheres, incluindo artistas feministas, não sejam censuradas, mas serão mostradas em seu lugar merecido”.

Fonte: Artnet

Compartilhar:
Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …