Apokalypse | Alex Flemming

Guggenheim

Quadros de marcantes e conhecidos monumentos espalhados pelo mundo ocidental e oriental em coloridas explosões e implosões são catástrofes ao mesmo tempo impressionantes e provocativas, contextualizadas na atualidade de atentados, incêndios e destruição.  Essas são as questões que a nova série “Apokalypse” do artista brasileiro Alex Flemming tematiza em 22 composições, expostas na igreja evangelista Kirche am Hohenzollenplatz, em Berlim, Alemanha, de 15 de junho a 11 de novembro de 2019.

As telas atestam sua preocupação e indignação com o que vem acontecendo e se repetindo no mundo: “Vivemos o final de uma era que está se esfumaçando a olhos vistos”, reporta-se ele sobre essas construções que são emblemas e símbolos de nossa civilização.

Casa Branca

Nos quadros Flemming apresenta duas camadas de representação: o monumento construído e o monumento destruído. Um fim e um novo começo? A destruição seria então a premonição de um novo recomeço, como está no Apocalipse, último livro da Bíblia, escrito por João?

Apokalypse, Revelação, Fim de Mundo. No texto do apóstolo João, o apocalipse trata da revelação divina das coisas que permaneciam secretas e fala de um novo mundo que vai surgir das cinzas do velho. Na Bíblia, Deus diz: “Veja, Eu faço tudo novo”.  Essa premonição é sugerida pelo artista na representação dos patrimônios culturais que estão morrendo.

As pinturas apresentadas numa igreja criam desconforto na medida em que entre as telas, 8 retratam outras instituições religiosas destruídas, inclusive a Kirche am Hohenzollenplatz, local da exposição. Além disso, a escolha da exposição “Apokalypse” num país que promoveu guerras mundiais e que criou um muro separando politicamente as pessoas foi fundamental para o conceito do ciclo.

Recombinando texturas, vazamentos e espessuras, o artista provoca e inquieta o visitante em um momento em que há a preocupação com o mundo atual, sua civilização e cultura, e com o que virá a ser.

Em quadros de mais de dois metros há a sobreposição das construções e seu estilhaçamento através dos índices das cores e das figuras que aparecem em pedaços, translúcidos. Ao redor delas, pinceladas em tons de vermelho ou tons claros sobre um fundo escuro e mesclado de preto, prata e cinza. A técnica usada pelo artista é a pintura com estêncil que ele havia usado anteriormente na série Caos. Sobre esse fundo sombrio, uma explosão de cores, porque “toda obra de arte tem que ser bela”, reflete Flemming sobre a questão cromática. “A destruição, então, na tela é linda!”, ele completa.

A Mesquita Azul de Istambul, a Notre Dame de Paris, o Portal de Brandemburgo de Berlim, o Empire State de Nova Iorque ou a Catedral de Brasília em estilhaços e diafanados, entre outros, encenam o fim de uma época, de uma cultura, ao mesmo tempo que apontam para as mudanças políticas, sociais e culturais que já se fazem perceber no mundo contemporâneo. Esse estado das pinturas, seus apocalipses, também pode ser reportado e uma advertência às demolições das instituições brasileiras promovidas pela condução política do país.

Índices de nuvens ou fumaça em tons claros, de poeira, de rastros de fogo, num jogo de saturação de cores e transparências apontam tanto para o fim, como para a festa colorida de um recomeço.

Flemming fala de seu trabalho de modo obsessivo e apaixonado, de suas reflexões e preocupações sócio-político-culturais, assim como seus quadros as encarnam e refletem. Sua trajetória sempre esteve politicamente engajada contra as desigualdades, os conflitos e as guerras. Em séries anteriores, por exemplo, como “Bodybuilders”, grandes e coloridas fotos-pinturas de corpos “sarados” e nus, masculinos e femininos, são estampadas com mapas de diferentes áreas em conflitos de guerra. Ou a série “Flying Carpets”, que reflete o 11 de setembro, apresentando tapetes orientais em formato de aviões. Suas telas chocam e orientam o visitante para o trabalho das cores, para a técnica e o recorte, para a textura da tela e para o viés da visão do artista. Segundo Flemming, as pinturas do ciclo Apokalypse são belas metáforas do mundo contemporâneo.

Empire State

 

Texto:  Maria Teresa Santoro Dörrenberg
Fotos: Henrique Luz

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …