Apokalypse | Alex Flemming

Guggenheim

Quadros de marcantes e conhecidos monumentos espalhados pelo mundo ocidental e oriental em coloridas explosões e implosões são catástrofes ao mesmo tempo impressionantes e provocativas, contextualizadas na atualidade de atentados, incêndios e destruição.  Essas são as questões que a nova série “Apokalypse” do artista brasileiro Alex Flemming tematiza em 22 composições, expostas na igreja evangelista Kirche am Hohenzollenplatz, em Berlim, Alemanha, de 15 de junho a 11 de novembro de 2019.

As telas atestam sua preocupação e indignação com o que vem acontecendo e se repetindo no mundo: “Vivemos o final de uma era que está se esfumaçando a olhos vistos”, reporta-se ele sobre essas construções que são emblemas e símbolos de nossa civilização.

Casa Branca

Nos quadros Flemming apresenta duas camadas de representação: o monumento construído e o monumento destruído. Um fim e um novo começo? A destruição seria então a premonição de um novo recomeço, como está no Apocalipse, último livro da Bíblia, escrito por João?

Apokalypse, Revelação, Fim de Mundo. No texto do apóstolo João, o apocalipse trata da revelação divina das coisas que permaneciam secretas e fala de um novo mundo que vai surgir das cinzas do velho. Na Bíblia, Deus diz: “Veja, Eu faço tudo novo”.  Essa premonição é sugerida pelo artista na representação dos patrimônios culturais que estão morrendo.

As pinturas apresentadas numa igreja criam desconforto na medida em que entre as telas, 8 retratam outras instituições religiosas destruídas, inclusive a Kirche am Hohenzollenplatz, local da exposição. Além disso, a escolha da exposição “Apokalypse” num país que promoveu guerras mundiais e que criou um muro separando politicamente as pessoas foi fundamental para o conceito do ciclo.

Recombinando texturas, vazamentos e espessuras, o artista provoca e inquieta o visitante em um momento em que há a preocupação com o mundo atual, sua civilização e cultura, e com o que virá a ser.

Em quadros de mais de dois metros há a sobreposição das construções e seu estilhaçamento através dos índices das cores e das figuras que aparecem em pedaços, translúcidos. Ao redor delas, pinceladas em tons de vermelho ou tons claros sobre um fundo escuro e mesclado de preto, prata e cinza. A técnica usada pelo artista é a pintura com estêncil que ele havia usado anteriormente na série Caos. Sobre esse fundo sombrio, uma explosão de cores, porque “toda obra de arte tem que ser bela”, reflete Flemming sobre a questão cromática. “A destruição, então, na tela é linda!”, ele completa.

A Mesquita Azul de Istambul, a Notre Dame de Paris, o Portal de Brandemburgo de Berlim, o Empire State de Nova Iorque ou a Catedral de Brasília em estilhaços e diafanados, entre outros, encenam o fim de uma época, de uma cultura, ao mesmo tempo que apontam para as mudanças políticas, sociais e culturais que já se fazem perceber no mundo contemporâneo. Esse estado das pinturas, seus apocalipses, também pode ser reportado e uma advertência às demolições das instituições brasileiras promovidas pela condução política do país.

Índices de nuvens ou fumaça em tons claros, de poeira, de rastros de fogo, num jogo de saturação de cores e transparências apontam tanto para o fim, como para a festa colorida de um recomeço.

Flemming fala de seu trabalho de modo obsessivo e apaixonado, de suas reflexões e preocupações sócio-político-culturais, assim como seus quadros as encarnam e refletem. Sua trajetória sempre esteve politicamente engajada contra as desigualdades, os conflitos e as guerras. Em séries anteriores, por exemplo, como “Bodybuilders”, grandes e coloridas fotos-pinturas de corpos “sarados” e nus, masculinos e femininos, são estampadas com mapas de diferentes áreas em conflitos de guerra. Ou a série “Flying Carpets”, que reflete o 11 de setembro, apresentando tapetes orientais em formato de aviões. Suas telas chocam e orientam o visitante para o trabalho das cores, para a técnica e o recorte, para a textura da tela e para o viés da visão do artista. Segundo Flemming, as pinturas do ciclo Apokalypse são belas metáforas do mundo contemporâneo.

Empire State

 

Texto:  Maria Teresa Santoro Dörrenberg
Fotos: Henrique Luz

Compartilhar:
Notícias - 16/04/2021

As pinturas de Cézanne e Degas podem render milhões em leilão

Obras dos artistas franceses Paul Cézanne e Edgar Degas são os sucessos de um leilão em Nova York e podem …

Notícias - 15/04/2021

Arte pelos Oceanos reúne artistas visuais em prol da preservação das praias cariocas

Não é novidade que as praias cariocas, que eternizaram o Rio de Janeiro no imaginário turístico mundial, sofrem com a …

Notícias - 14/04/2021

Passagem - por Maria Fernanda Paes de Barros

Que é a arte, afinal, do ponto de vista emotivo, senão a linguagem das forças inconscientes que atuam dentro de …

Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …