Ai Weiwei está processando a Volkswagen

Ai Weiwei, Soleil Levant (2017). Foto de David Stjernholm, cortesia do Kunsthal Charlottenborg, em Copenhague.

Ai Weiwei está levando a Volkswagen ao tribunal na Dinamarca por violação de direitos autorais depois que um anúncio da montadora publicado em 2017 usou uma instalação de seu trabalho como pano de fundo.

O anúncio, que apresenta um carro laranja, é colocado em frente à sua obra Soleil Levant (2017), uma instalação de 3.500 coletes salva-vidas laranja, usados ​​por migrantes que fugiram da perseguição e desembarcaram em Lesvos, na Grécia. O trabalho foi criado para o Dia Mundial do Refugiado e foi apresentado na fachada do Kunsthal Charlottenborg em Copenhague.

“Eu não fui creditado como o artista, e minha imagem de arte foi … recortada sem permissão”, escreveu Ai no Instagram em março. “O material infrator circulou para mais de 200.000 pessoas, dando a falsa impressão de que eu autorizei a Volkswagen a usar meu trabalho artístico em seu anúncio”. Ele acrescentou: “Fiquei surpreso com as descaradas violações da minha propriedade intelectual e dos direitos morais da Volkswagen”.

Enquanto o artista chinês se preparava para ir a Copenhagen para o julgamento, ele postou uma selfie dando o dedo do meio para a Volkswagen no Instagram.

O artista afirmou ter recorrido ao processo depois de mais de um ano de “negociações infrutíferas”, durante o qual a empresa “apenas se engajou em gestos arrogantes para banalizar sua culpa e rejeitar o assunto”.

Ai também está criticando o Volkwagen pelo que ele vê como hipocrisia, pois parece aumentar sua fatia de mercado na China, enquanto supostamente fecha os olhos para os abusos dos direitos humanos.

O artista citou uma reportagem na Hong Kong Free Press, que disse que “a montadora alemã está tão profundamente investindo na China e que duas fontes confiáveis ​​confirmam que figuras proeminentes associadas à Volkswagen pressionaram informalmente o ministro alemão das Relações Exteriores, Heiko Maas, para não mencionar o programa da China de internamento em massa de muçulmanos e outros inimigos ideológicos em Xinjiang, quando ele visitou seu homólogo Wang Yi em novembro de 2018”.

“O público não deve ser informado sobre esses fatos ao mesmo tempo em que a VW coopta forçosamente os coletes salva-vidas dos refugiados – os símbolos mais pungentes do sofrimento e da esperança humanos – como adereços compatíveis com a cor em seu mais novo anúncio da VW?” diz Ai Weiwei no Instagram .

Um representante da empresa disse à agência de notícias dinamarquesa Ritzau que o uso da obra de arte de Ai foi apenas uma “coincidência” depois de um dia fotografando o carro em “locais bonitos” em torno de Copenhague.

View this post on Instagram

I am suing Volkswagen in Denmark for violating my intellectual property and moral rights. My artwork “Soleil Levant” (2017), which I created for World Refugee Day, was installed at Copenhagen's Kunsthal Charlottenborg from June 20 to October 1, 2017. The work comprises 3,500 lifejackets used by refugees who fled to Lesvos, Greece, escaping persecution and conflict. In October 2017 Volkswagen Denmark used an unauthorized photo of “Soleil Levant” in an ad for its VW Polo campaign. I was not credited as the artist, and my artwork image was uncredited and cropped without permission. The infringing material was circulated to over 200,000 people, giving the false impression that I had authorized Volkswagen to use my artwork in its ad for the new Polo. I was astonished by Volkswagen’s brazen violations of my intellectual property and moral rights. Since November 2017 I have been trying to resolve the matter with Volkswagen. In more than one year of fruitless negotiation, they only engaged in arrogant gestures to trivialize their guilt and dismiss the matter. Intellectual property protection lies at the heart of a society that values human invention and makes our useful accumulation of knowledge possible. Respect of intellectual property law is one cornerstone of a functioning international legal system. As one of the largest European companies, Volkswagen should understand these same laws. Volkswagen and other multinational corporations have tremendous bargaining power in intellectual property protection as well as environmental and human rights. They are not above the law. Human rights, like intellectual property, is a popular concept but one that is difficult to enforce. We should remember that Germany took in one million refugees in 2015, a powerful humanitarian act in a divided world. As one of Germany’s internationally most visible companies, Volkswagen’s disregard for fair play and humanitarian issues is truly disturbing.

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Ai não está comprando isso. “Esse tipo de bullying corporativo adquire o fruto do trabalho dos outros, intimida os indivíduos que tentam impor seus direitos e demonstra desprezo pelo comportamento humanitário e ético”, escreveu ele.

Fonte: Artnews

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …