Agreste Lenticular: artista resgata técnica do século 19

A técnica lenticular há tempos foi incorporada pela indústria e pode ser vista em brinquedos, agendas, cadernos, e quadros decorativos, em especial naqueles de temática religiosa. Pouco gente sabe nominá-la e quase ninguém compreende sua lógica de funcionamento e histórico no universo das artes visuais. A pesquisa Agreste Lenticular, apoiada pelo Funcultura, idealizada e capitaneada pela artista, professora de Artes Visuais e doutoranda do PPGDesign da UFPE, Marcela Camelo, visa justamente esmiuçar e resgatar essa técnica secular de composição de imagem.

O termo lenticular significa “o que tem forma de lente”. A lenticularidade é uma técnica aplicada para obtenção de imagens em movimento ou imagens que se transmutam. O lenticular está entre as técnicas de autoestereoscopia, aquelas que permitem uma imagem em 3D sem a necessidade de uso de óculos. Também estão nessa categoria o scanimation e o Efeito Moiré, que podem ser entendidos como uma derivação do lenticular. Trata-se de um estudo de percepção visual. Duas ou mais fotografias são tiradas para uma composição. Depois as fotos são codificas em linhas, impressas e, posteriormente, a lente é aplicada sobre essas impressões.

“No seu modo mais artesanal, a construção de um lenticular se dá a partir da junção de duas imagens. Ambas são “cortadas” em tiras e uma imagem única é composta a partir da disposição das tiras intercaladas. Desta forma, o movimento e a mudança da imagem é obtida a partir do ponto de vista de quem a observa ou no movimento sobre o material no qual ela está gravada, impressa ou pintada”, explica Marcela Camelo.

O surgimento da técnica Lenticular remete ao primeiro cinema, mas há registros de pinturas do século XVII com a aplicação do modo lenticular de compor imagens, como no díptico do pintor francês Gaspar Antoine de Bois-Clair. “É um cinema em papel, quando você coloca a lente, é como se tivéssemos fazendo a transição, a fusão da imagem, do canal A para o canal B. Só que isso é feito de modo analógico. Me dedico a pesquisar essa técnica associando a um conteúdo específico: mulheres de uma comunidade rural”, detalha.

A família da pesquisadora é natural de Iati, no Agreste pernambucano, onde está situada a comunidade do Trapiá. As mulheres desta comunidade mantêm viva há anos a realização de uma novena e são as grandes protagonistas da estruturação e organização social do lugar. Essa configuração já havia chamado a atenção de Marcela, que documentou esse contexto da comunidade liderada pela ação das mulheres em dois curtas-metragem. Foi nessa convivência com essas mulheres que a pesquisadora se viu intrigada pelo objeto lenticular. “No interior, as pessoas costumam ter em casa quadros com lenticulares de santos e imagens bíblicas. Essa questão do sagrado, do mágico, do Jesus que se transforma em Maria. Esses quadros chamaram minha atenção. Um dia resolvi ir à feira e comprei um desses para mim. Abri e fui tentar entender como era seu funcionamento”.

A partir daí surgiu a ideia de investigar a técnica pouco conhecida, e muito sofisticada do ponto de vista técnico, e tornar as mulheres que desenvolviam o protagonismo religioso o tema representado no processo de pesquisa. “Juntando esses dois pontos, além de resgatar técnicas que me parecem ter enorme potencialidade nas artes visuais e também no ensino, eu poderia buscar também a minha ancestralidade e também a daquelas mulheres. Fazendo isso eu também fomentaria a permanência dessa novena-festa, valorizando essas práticas, esse catolicismo anárquico produzido por essas mulheres e a relação que elas mantém com a natureza, que é uma forma de resistência e uma forma de política”, pontua a pesquisadora que passou a fotografar essas figuras femininas de referência e usar as imagens nas 30 composições lenticulares que compõem a pesquisa.

Como a técnica foi incorporada ao universo kitsch e é dominada pelos chineses, Marcela trilhou um longo caminho para compreender o seu funcionamento e criar uma espécie de manual para quem deseja produzir um lenticular, além da grande dificuldade de conseguir adquirir a lente para a sua execução – foi preciso importá-la dos EUA.

A pesquisa, que contou com o apoio do Funcultura e que faz parte de uma investigação maior para o doutorado de Marcela Camelo, terá como culminância uma vivência com alunos da Escola Miguel Arraes de Alencar, em Garanhuns, entre os dias 20 e 24 de maio. Os alunos terão contato com todos os conceitos explorados na pesquisa – imagens lenticulares, scanimation, autoestereoscopia, Efeito Moirè, optical arte, primeiro cinema – e poderão colocar “a mão na massa”, produzindo imagens nessas técnicas. As imagens produzidas pela pesquisadora, que é professora do Instituto Federal de Alagoas – Campus Santana do Ipanema, também circularão no Santuário de Santa Quitéria de Frexeiras, em Garanhuns, para onde muitos fiéis fazem romarias, muitas vezes levando ex-votos e os lenticulares religiosos. Posteriormente, as imagens também serão exibidas na comunidade do Trapiá, em Iati, e futuramente no Recife.

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …