A fascinante história dos retratos do casal renascentista que se reencontraram após 125 anos

Retratos separados de marido e mulher da alta sociedade do século XVI finalmente voltam a ficar juntos.

Um casal pintado pelo artista renascentista Bartholomäus Bruyn, o Velho, antes do casamento em 1539, finalmente se reuniu depois que um historiador de arte virou detetive, passando duas décadas reunindo pistas de toda a Europa para reunir novamente o retrato de dois painéis.

Jakob e Elisabeth Omphalius, descendentes da alta sociedade de Colônia do século 16, se encaravam há mais de 350 anos de seus respectivos painéis de madeira antes de serem inexplicavelmente separados durante uma venda em uma casa de leilões de Londres em 1896.

Com as telas separadas, os retratos que compunham o díptico seguiram seu próprio caminho, e as identidades do homem e da mulher já perdidas de memória na época do leilão pareciam ser esquecidas para sempre.

A misteriosa jovem, com tranças no cabelo e um raminho agridoce nas mãos – duas possíveis indicações artísticas de um casamento iminente – terminou na coleção Rijksmuseum em Amsterdã em 1912 antes de ser emprestada ao museu Mauritshuis em Haia em 1951.

A presença na parte de trás da pintura do brasão de armas de Peter Bellinghausen, professor de direito civil em Colônia, sugeriu que a mulher provavelmente seria uma das quatro filhas se passando antes do casamento, mas ninguém sabia onde ela poderia estar ou mesmo quem ele poderia ser.

Há apenas 20 anos, surgiram as primeiras pistas vitais quando Ariane van Suchtelen, curadora do Mauritshuis – um museu dedicado à arte da Idade de Ouro holandesa – descobriu um catálogo do leilão de Londres nos arquivos do RKD – Instituto Holandês para História da Arte.

Lá, ela encontrou os registros de venda de um díptico atribuídos como errados pelo pintor holandês Jan Gossaert, mas também esboços dos braços da família do casal de destaque que criavam um vínculo com a misteriosa mulher nos Mauritshuis.

Havia também uma fotografia antiga do retrato do homem. Armada com isso e com o brasão da família do homem, Van Suchtelen foi ao Museu da Cidade de Colônia, onde descobriu que o brasão do homem pertencia a Jakob Omphalius, um respeitado advogado que se tornou chanceler de sua cidade em 1545.

Os registros civis da cidade – ainda bem intactos na época das pesquisas de Van Suchtelen – revelaram ainda que Jakob havia sido casado com Elisabeth Bellinghausen em 8 de fevereiro de 1539.

Mas então a pista ficou fria. “No leilão, eles foram separados, talvez para ganhar mais dinheiro – no ramo de arte que você nunca conhece”, disse Van Suchtelen. “O homem foi vendido para um negociante inglês, Ralph Brocklebank, e o outro retrato acabou na coleção de Cornelis Hoogendijk, que o deixou em Rijksmseum em 1912. Portanto, tínhamos tudo além da pintura de Omphalius. Eu tive que manter meus olhos abertos.

Os registros mostraram que a pintura do homem havia sido leiloada pela última vez em 1955, mas nada foi visto desde então. Não foi até maio de 2019 que Jakob reapareceu como um “retrato de um homem desconhecido” em uma pequena casa de leilões em Paris.

A colecionadora de arte Galerie De Jonckheere havia comprado a pintura sem conhecer a identidade da pessoa que ela exibia. Mas quando ele exibiu a pintura em Genebra, ela foi vista por um curador de arte em um museu alemão como o retrato que o Mauritshuis estava procurando.

Com a ajuda da Associação Rembrandt, da loteria holandesa e de um doador particular, o retrato de Omphalius foi comprado este ano por 250 mil euros. “E quando você os vê um ao lado do outro, você vê o quão bem eles combinam – todos os detalhes combinam muito bem”, disse Van Suchtelen.

Sabe-se que Jakob estudou em Utrecht, Paris e Toulouse antes de retornar a Colônia para se casar com Elisabeth aos 39 anos. Acredita-se que ela tivesse 21 anos na época do retrato por Bruyn O Velho, um mestre alemão cujas obras aparecem na Galeria Nacional em Londres e no Louvre em Paris.

O casal teve 13 filhos, seis dos quais sobreviveram à infância. Após a morte de Jakob em 1567, aos 67 anos, Elisabeth se casou novamente e teve um 14º filho.

“Tínhamos a obrigação de reuni-los”, disse Van Suchtelen sobre sua busca. “Para mim, faz sentido. Fico feliz por termos tido a paciência para este momento.

Fonte e tradução: The Guardian

Compartilhar:
Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …

Notícias - 16/10/2020

Famoso artista chinês desafia fronteira EUA-México para pintar e mostra processo em vídeo

Para o artista contemporâneo Liu Xiaodong, a história pessoal é a maior fonte de inspiração. Sua infância na China rural e …

Notícias - 16/10/2020

Foto impressionante de Vik Muniz é uma homenagem a um grande artista americano

Se você está familiarizado com a arte americana contemporânea, a imagem de uma estação da Standard Oil pode trazer imediatamente …

Notícias - 16/10/2020

A história de vida de Artemisia Gentileschi será tema de uma série de tv

A vida de Artemisia Gentileschi (1593-1652), a grande pintora barroca que é o tema da tão aclamada exposição da London National Gallery, será …

Notícias - 15/10/2020

Exposição na Paulista chega à sexta edição com o tema “Liberdade e Democracia”

Uma realização da União Geral dos Trabalhadores – UGT, A Exposição na Paulista traz 15 obras de 18 artistas de …

Notícias - 13/10/2020

Artistas colorem empenas em BH e marcam maior mural assinado por uma artista indígena no mundo

Em menos de duas semanas, artistas negros e indígenas pintaram empenas gigantes na capital de Minas Gerais levando resistência e afeto …