A fascinante história dos retratos do casal renascentista que se reencontraram após 125 anos

Retratos separados de marido e mulher da alta sociedade do século XVI finalmente voltam a ficar juntos.

Um casal pintado pelo artista renascentista Bartholomäus Bruyn, o Velho, antes do casamento em 1539, finalmente se reuniu depois que um historiador de arte virou detetive, passando duas décadas reunindo pistas de toda a Europa para reunir novamente o retrato de dois painéis.

Jakob e Elisabeth Omphalius, descendentes da alta sociedade de Colônia do século 16, se encaravam há mais de 350 anos de seus respectivos painéis de madeira antes de serem inexplicavelmente separados durante uma venda em uma casa de leilões de Londres em 1896.

Com as telas separadas, os retratos que compunham o díptico seguiram seu próprio caminho, e as identidades do homem e da mulher já perdidas de memória na época do leilão pareciam ser esquecidas para sempre.

A misteriosa jovem, com tranças no cabelo e um raminho agridoce nas mãos – duas possíveis indicações artísticas de um casamento iminente – terminou na coleção Rijksmuseum em Amsterdã em 1912 antes de ser emprestada ao museu Mauritshuis em Haia em 1951.

A presença na parte de trás da pintura do brasão de armas de Peter Bellinghausen, professor de direito civil em Colônia, sugeriu que a mulher provavelmente seria uma das quatro filhas se passando antes do casamento, mas ninguém sabia onde ela poderia estar ou mesmo quem ele poderia ser.

Há apenas 20 anos, surgiram as primeiras pistas vitais quando Ariane van Suchtelen, curadora do Mauritshuis – um museu dedicado à arte da Idade de Ouro holandesa – descobriu um catálogo do leilão de Londres nos arquivos do RKD – Instituto Holandês para História da Arte.

Lá, ela encontrou os registros de venda de um díptico atribuídos como errados pelo pintor holandês Jan Gossaert, mas também esboços dos braços da família do casal de destaque que criavam um vínculo com a misteriosa mulher nos Mauritshuis.

Havia também uma fotografia antiga do retrato do homem. Armada com isso e com o brasão da família do homem, Van Suchtelen foi ao Museu da Cidade de Colônia, onde descobriu que o brasão do homem pertencia a Jakob Omphalius, um respeitado advogado que se tornou chanceler de sua cidade em 1545.

Os registros civis da cidade – ainda bem intactos na época das pesquisas de Van Suchtelen – revelaram ainda que Jakob havia sido casado com Elisabeth Bellinghausen em 8 de fevereiro de 1539.

Mas então a pista ficou fria. “No leilão, eles foram separados, talvez para ganhar mais dinheiro – no ramo de arte que você nunca conhece”, disse Van Suchtelen. “O homem foi vendido para um negociante inglês, Ralph Brocklebank, e o outro retrato acabou na coleção de Cornelis Hoogendijk, que o deixou em Rijksmseum em 1912. Portanto, tínhamos tudo além da pintura de Omphalius. Eu tive que manter meus olhos abertos.

Os registros mostraram que a pintura do homem havia sido leiloada pela última vez em 1955, mas nada foi visto desde então. Não foi até maio de 2019 que Jakob reapareceu como um “retrato de um homem desconhecido” em uma pequena casa de leilões em Paris.

A colecionadora de arte Galerie De Jonckheere havia comprado a pintura sem conhecer a identidade da pessoa que ela exibia. Mas quando ele exibiu a pintura em Genebra, ela foi vista por um curador de arte em um museu alemão como o retrato que o Mauritshuis estava procurando.

Com a ajuda da Associação Rembrandt, da loteria holandesa e de um doador particular, o retrato de Omphalius foi comprado este ano por 250 mil euros. “E quando você os vê um ao lado do outro, você vê o quão bem eles combinam – todos os detalhes combinam muito bem”, disse Van Suchtelen.

Sabe-se que Jakob estudou em Utrecht, Paris e Toulouse antes de retornar a Colônia para se casar com Elisabeth aos 39 anos. Acredita-se que ela tivesse 21 anos na época do retrato por Bruyn O Velho, um mestre alemão cujas obras aparecem na Galeria Nacional em Londres e no Louvre em Paris.

O casal teve 13 filhos, seis dos quais sobreviveram à infância. Após a morte de Jakob em 1567, aos 67 anos, Elisabeth se casou novamente e teve um 14º filho.

“Tínhamos a obrigação de reuni-los”, disse Van Suchtelen sobre sua busca. “Para mim, faz sentido. Fico feliz por termos tido a paciência para este momento.

Fonte e tradução: The Guardian

Compartilhar:
Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …