A ascensão recente do mercado de arte africano suportará a pandemia? Concessionárias dizem que há esperança

As concessionárias dizem que o mercado é sustentado por preços acessíveis

O mercado de arte contemporânea da África tem crescido constantemente nos últimos cinco anos, mas, como a pandemia causa estragos nas economias de todo o mundo, mercados locais voláteis podem deixar muitas partes do continente vulneráveis ​​à instabilidade em curso.

Os revendedores sediados na África estavam entre os que expressaram o maior otimismo em relação a 2020, segundo o relatório anual do mercado de arte da economista Clare McAndrews, divulgado no início do ano. Um aumento na visibilidade global – em parte devido a plataformas como a feira de arte africana contemporânea 1-54 e um interesse especulativo do mercado secundário em artistas africanos – foram algumas das razões pelas quais  90% dos entrevistados previram que as vendas continuariam a crescer nos próximos cinco anos.

Mas, embora os indicadores comuns sugiram que o interesse pela arte africana contemporânea tenha persistido, ainda não está claro se haverá a infraestrutura de mercado necessária para apoiá-la.

Incerteza justa

A edição 2020 da feira 1-54 em Nova York foi adiada por um ano e substituída por uma edição virtual em maio. Os organizadores dizem que excederam as expectativas nessas circunstâncias, com 70% das galerias vendendo entre um e três trabalhos com preços entre US$ 3- 12 mil – uma faixa relativamente baixa que pode ter sido melhor preparada para atrair compradores no mercado em baixa.

“A atitude geral em relação à arte no momento é uma desaceleração global, e posso imaginar que também sofreremos impacto”, disse Touria El Glaoui, fundadora e diretora da 1-54. “Mas, ao mesmo tempo, como o preço do acesso é muito menor do que a maioria das outras regiões, estamos em uma posição melhor para estarmos mais acessíveis on-line do que muitas das obras de arte com preços muito mais altos.”

Vista de instalação “Paraboles d’un règne sauvage” de Serigne Ibrahima Dieye. Imagem cedida por Galerie Cécile Fakhoury

A galerista Cécile Fakhoury, da Costa do Marfim, que tem espaços em Dakar e Abidjan e um showroom em Paris, diz que seu foco também será o crescimento dos mercados locais. A galeria continuou a fazer vendas on-line através de seu site, mas continua a ser uma batalha difícil para convencer colecionadores do Ocidente a transferir dinheiro para a África.

“Na mente de muitas pessoas, ainda não é seguro enviar dinheiro para a África”, diz Fakhoury, acrescentando que está trabalhando no desenvolvimento de soluções para tranquilizar os colecionadores.

Embora a falta de acesso ao mercado internacional tenha limitado o alcance da galeria, também reduziu os custos normalmente associados à participação em eventos externos e feiras de arte. Como resultado disso, e como a exposição da galeria da artista Serigne Ibrahima Dieye foi vendida bem antes do fechamento (os preços  variaram de 4.500 a 15.000 €),  Fakhoury diz que o déficit “se equilibrou” em sua galeria.

“Tenho a sensação de que a crise trará mais foco, mais esforço e energia para o mercado local”, diz Fakhoury. “De certa forma, se estamos fazendo menos fora, temos mais tempo e mais dinheiro para fazer mais dentro”.

‘Pausando o acelerador’

Uma tensão mais severa pode ser sentida quando se trata de galerias emergentes, particularmente aquelas localizadas em países com economias mais frágeis. Janire Bilbao, fundadora da galeria MOVART em Luanda, Angola, disse que a pandemia catapultou o país para o caos social. A economia está sofrendo desde a crise do petróleo de 2014, e os preços em queda neste ano tiveram um efeito terrível no país, onde o petróleo representa 90% de suas exportações.

Enquanto a MOVART conseguiu reabrir após dois meses de bloqueio, Bilbao diz que não viu colecionadores voltarem à galeria. ” Tememos que os colecionadores locais sejam mais impactados do que nossos clientes internacionais à medida que a crise se aprofunda em Angola”.

Ainda assim, Bilbao está otimista sobre o futuro da venda de arte on-line, depositando suas esperanças em tecnologias que permitem que clientes remotos imaginem obras de arte em suas casas. “É claro que também continuaremos a organizar exposições e participar de feiras de arte sempre que possível, mas essa pausa foi um acelerador de novas tecnologias e investimentos remotos que também se aplicam ao mundo da arte”, diz ela.

Vista da instalação de Julio Rizhi, “Chakafukidza”, na First Floor Gallery Harare. Imagem cortesia da galeria.

Valerie Kabov, diretora da First Floor Gallery em Harare, Zimbábue, disse que espera que os preços acessíveis da arte africana continuem a atrair colecionadores. “A arte africana ainda é um segmento sub-explorado e crescente do mercado, no qual retornos notáveis ​​podem ser alcançados”, diz ela.

Kabov também acredita na resiliência de longa data da região diante das adversidades. “As prefeituras na maioria dos países africanos operam em condições que exigem flexibilidade e adaptabilidade a condições e crises imprevisíveis”, diz ela.

Além disso, o acerto de contas global em andamento com o movimento Black Lives Matter também pode se traduzir em mais espaços sendo criados para artistas sub-representados, diz ela, que definiriam um caminho para o sucesso muito além das preocupações imediatas da pandemia.

Fonte e tradução: Artnet news

Compartilhar:
Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …