A África do Sul de Fairule Muholi

Em meio à infinidade de ensaios no catálogo da próxima retrospectiva de Zanele Muholi na Tate Modern, há um testemunho comovente de Lungile Dladla, uma lésbica sul-africana. Intitulado “I Am Not a Victim but a Victor”, ela conta como, em uma noite de fevereiro de 2010, foi abordada com um amigo por um estranho armado, que os levou para um campo e ordenou que eles se deitassem de bruços com as mãos nas costas.

“Fizemos o que disse”, ela escreve, “porque temíamos por nossas vidas, pois ele tinha uma arma na mão e ameaçou usá-la se não fizéssemos. Ele nos despiu e disse: ‘Hoje ngizoni khipha ubutabane’ (“Hoje eu vou livrar você dessa homossexualidade”).

O que se segue é um relato visceral de um tipo particular de agressão sexual violenta, cujos agressores, do sexo masculino, chamam de “estupro corretivo”. Neste caso, como acontece com muitos ataques semelhantes na África do Sul, a polícia local não fez uma investigação adequada. Um ano depois, quando o suspeito foi finalmente preso, ele foi acusado de 17 casos de estupro. Logo depois, Dladla foi diagnosticada hiv-positivo e hospitalizada por dois meses com um ataque quase fatal de pneumonia.

“Uma coisa que ainda preciso superar”, conclui ela, “é o fato de que sempre que tomo minha medicação, me lembro do que o bastardo fez comigo! No entanto, meu eu interior é forte, eu vou vencer isso. HIV não é minha vida, não vou deixar isso me pegar. Eu não sou uma vítima, mas uma vencedora”.

A história de Dladla é um lembrete do que está em jogo para os membros da comunidade LGBTQ+ na África do Sul, cujos direitos estão consagrados na Constituição, mas cujas vidas são, no entanto, marcadas pela exclusão e perseguição. Seu testemunho corta o cerne da obra de Muholi como ativista-artista cujo projeto central, a série épica “Faces and Phases”, é um arquivo contínuo das vidas e histórias pessoais de lésbicas, indivíduos a-gênero e homens trans, que muitas vezes foram marginalizados pela injustiça e opressão.

Muholi, que se identifica como não-binário e usa pronomes, está imerso nessa comunidade e faz trabalhos de dentro que refletem suas lutas e sua resiliência, mas também sua visibilidade crescente e senso de comunidade auto empoderada. “O ativismo faz parte da minha vida”, diz o artista. “Passamos por tanto como seres humanos, que forçaram tantos de nós a se tornarem ativistas – aqueles que sobreviveram ao racismo, que sobreviveram a crimes de ódio, que sobreviveram a deslocamentos de muitos tipos. Está em andamento e não se pode fazer uma pausa ou relaxar ou apenas ser. Não se pode simplesmente ignorar suas responsabilidades”.

Por essa mesma razão, o extraordinário corpo de trabalho de Muholi possui uma poderosa ressonância política e cultural. As imagens têm uma presença palpável, mas difícil de descrever: uma complexa corrente de intimidade e desafio. Faces e Fases é tanto testemunho quanto arquivo, os retratos acompanhados de declarações pessoais que falam de luta, mas também de auto-compostura e orgulho. É, como Sarah Allen, co-curadora da exposição na Tate Modern, observa: “um grande álbum de família, e uma homenagem ao indivíduo e ao coletivo”.

Pergunto a Muholi, que está em uma viagem pela África do Sul com seu gerente de estúdio quando falamos, se eles tinham alguma ideia do que seria quando começaram o projeto em 2016. “Na verdade, não”, vem a resposta. “Fiz isso porque era necessário – não tínhamos algo assim. Comecei pequeno com talvez 20 fotos e continuei. E continuarei enquanto houver pessoas que concordem em participar.”

Com o passar do tempo, sugiro, os retratos anteriores inevitavelmente se tornaram mais ressonantes, tanto em termos de história individual quanto coletiva. “Sim, eu sei. As pessoas seguem em frente, mudam, se casam, fazem a transição. Alguns sobrevivem, outros perdem. Essas são as fases a que nos referimos no título.”

Nascido em Durban em 1972, Muholi cresceu sob o apartheid, é o caçula de oito filhos. Seu pai morreu quando eram jovens, e sua mãe, Bester Muholi, uma empregada doméstica, trabalhou longas horas para sustentar a família. Na entrevista ao catálogo, Muholi homenageia a “força, a coragem e a resiliência” de Bester.

Quando Muholi inicialmente se voltou para a fotografia era uma espécie de auto-cura e uma maneira de lidar com suas próprias lutas pessoais. “Eu estava passando por um período difícil e, quando comecei a fotografar, ficou melhor. Descobri que a câmera era uma ferramenta através da qual eu podia falar sobre o que estava dentro – os sentimentos, a dor, as experiências pessoais que eu tinha passado. Descobri que a fotografia era um meio de articulação.”

Em 2002, Muholi começou a documentar as vítimas de crimes de ódio na África do Sul para o que se tornaria a primeira série do fotógrafo, Only Half the Picture. As imagens se tornaram a base de uma exposição solo na Galeria de Arte de Joanesburgo em 2004. Em contraste direto, o projeto seguinte, Being, compreendeu retratos casualmente íntimos e às vezes sensuais de lésbicas negras.

“Apenas a existência cotidiana já é política em si mesma”, diz Muholi, “e a visibilidade também tem sua própria política especialmente para aqueles em um espaço onde algumas pessoas são consideradas depravadas. Dizem que podem existir, mas ao mesmo tempo há essa violência que também existe como uma ameaça constante que nega o direito de ser quem você é, ou quem você quer ser.”

Entre fazer as duas séries, Muholi participou do Market Photo Workshop em Joanesburgo, onde seu fundador, David Goldblatt, o grande cronista visual da África do Sul da era do apartheid, foi um importante mentor inicial. “Foi quando minha fotografia foi afinada e moldada para se tornar o que é”, elabora Muholi. “Aprendi a formalizar o que já estava trabalhando e também proporcionou um espaço para me envolver com outros fotógrafos. Através do engajamento, sua maneira de trabalhar muda.”

Muholi começou Faces e Fases em 2006. O projeto caracteriza a abordagem colaborativa do artista sobre seus temas. “É a forma como se comunica com os participantes do trabalho que é importante”, me dizem. “Por exemplo, quando estou fotografando pessoas com quem trabalhei por muito tempo, não há medo. Quando produzimos o trabalho, conversamos, nos comunicamos, falamos uns com os outros como colegas, amigos, como amigos de amigos. Isso é o que o torna diferente.

Em outros momentos, ao fotografar aqueles que são potenciais alvos de crimes de ódio por causa de sua visibilidade como ativistas ou simplesmente como indivíduos expressando livremente suas identidades, Muholi tem que andar com cuidado. “Esta é uma comunidade em que as pessoas estão arriscando suas vidas. Então, quando estamos lidando com assuntos que são arriscados de relatar, você tenta ser o mais cuidadoso possível, porque é complexo: você não quer provocar criminosos com seu trabalho, ou colocar as pessoas em perigo pela forma como você produz essas obras. Você tem que ter certeza de que você se mantém seguro o tempo todo, mas também precisa aconselhar as muitas pessoas com quem você trabalha, e que você está relacionado, para também estarem em alerta constantemente.”

Muholi se sentiu pessoalmente ameaçado ou em risco quando trabalhava? “Bem, eu não ouso fotografar à noite, porque eu sei que a noite não é segura para muitas pessoas. E eu não fotografo festas, porque eu tenho que pensar em como eu chegar em casa depois. Não deveria ser assim, é claro, mas é preciso ter muito cuidado ao produzir este trabalho. Quanto mais seguro o fizermos, melhor. Sobrevivência é a ordem do dia.”

Em 2012, Muholi começou a virar a câmera para si mesmo para uma série de autorretratos vividamente expressivos chamada Somnyama Ngonyama (“Salve a Leoa Negra”). Usando quaisquer materiais que estavam à mão, eles fazem referência à história e ao simbolismo das mulheres negras africanas ao longo dos tempos, bem como à própria jornada de Muholi – a série é dedicada à mãe. Por que a decisão de se fotografar? “Era necessário. Podemos nos pegar no mundo sem nunca termos olhado para nós mesmos”.

Muitos dos autorretratos foram feitos em quartos de hotel em Paris, Londres e outras cidades europeias na esteira imediata de encontros desanimadores com o domínio hostil. Eles são, em camadas de significado, tanto pessoais quanto metafóricos. “Já estive em tantos lugares e cruzei tantas fronteiras, onde você tem a experiência de ser tratado ou questionado como se fosse um assunto. É sempre diferente, mas há sempre a sensação de estar confinado ou deslocado em um espaço onde você deveria se sentir bem-vindo. Isso é quando você de repente pensa em si mesmo como o outro”.

Os autorretratos variam em tom, indo do lúdico ao provocativo, mas evidenciam um senso de desafio que permanece intacto. Pergunto a Muholi, em conclusão, se eles sucumbiram ao pessimismo. Uma pausa. “Às vezes, sim. É quando o medo me atrasa e eu não sinto vontade de continuar, mas sempre algo no fundo da minha mente diz: ‘Continue’.”

 

FONTE: The Guardian

 

Compartilhar:
Notícias - 30/11/2020

Instituto Bardi e Carbono Galeria lançam edição de personagem de Lina bo Bardi

Para celebrar os 35 anos do Polochon criado por Lina Bo Bardi, a Carbono Galeria e o Instituto Bardi têm …

Notícias - 30/11/2020

BNDES lança chamada para Patrimônio Cultural

Analisando o ano de 2020 e entendendo as necessidades da área de cultura, que também foi fortemente impactada pela pandemia, …

Notícias - 27/11/2020

Inscrições abertas para curso de introdução à arte-educação inclusiva

Já estão abertas as inscrições para a segunda turma do curso Introdução à Arte/Educação, Tecnologia Assistiva e Deficiência, do projeto …

Notícias - 27/11/2020

As obras cheias de tesouros de Sonia Gomes

Em seu estúdio São Paulo, a artista Sonia Gomes move-se de uma escultura para outra, embrulhando pano e dobrando arame …

Notícias - 27/11/2020

Galerias brasileiras se preparam para a Miami Art Week

A partir do dia 02 de dezembro a cidade de Miami, nos EUA, inicia sua semana dedicada à arte contemporânea, conhecida …

Notícias - 27/11/2020

Primeiro festival de realidade aumentada da América Latina acontece em São Paulo

Reconhecida mundialmente por sua relevância na cena de arte urbana, São Paulo recebe a primeira edição do Fest.AR – Graffitis …

Notícias - 27/11/2020

Sesc Piracicaba abre 15ª Bienal Naïfs do Brasil

Em 28 de novembro, o Sesc São Paulo abre ao público em sua unidade de Piracicaba a 15ª Bienal Naïfs …

Notícias - 25/11/2020

Estátua de Marilyn Monroe gera polêmica em Palm Springs

Uma escultura de Marilyn Monroe segurando sua saia desobediente é fonte de um debate acalorado em Palm Springs, Califórnia. O …

Notícias - 25/11/2020

Bicicleta desaparece de obra de Banksy

Uma bicicleta sem uma das rodas que acompanhava um mural de Banksy em Nottingham desapareceu, provocando tristeza e frustração na …

Notícias - 24/11/2020

Em meio a pico de casos de coronavírus, museus começam a fechar nos EUA

Em meio a uma onda de paralisações dos museus dos EUA, todas as oito instalações reabertas da Instituição Smithsonian na …

Notícias - 24/11/2020

7° Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel - Conheça os premiados

O Instituto Tomie Ohtake, com o apoio da AkzoNobel, divulga os três projetos premiados, via vídeo em suas redes sociais, …

Notícias - 24/11/2020

EAV Parque Lage lança edital para curso on-line com bolsas

Em resposta à pandemia de Covid-19, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV) atua de forma propositiva e …