No Whitney Museum, artista fotografa a aura dos visitantes

Por apenas US$ 40, você pode comprar um retrato original em um dos mais prestigiados museus de Nova York. Desde abril, a artista Christina Lonsdale está presente no saguão do Whitney Museu de Arte Americana, capturando a energia eletromagnética das pessoas em coloridas fotografias de aura.

A artista está acampada no saguão, criando discretamente retratos extraordinários de visitantes como parte de seu projeto Radiant Human.

“Como seres humanos, transportamos eletricidade dentro de nós”, disse Lonsdale. “Ele irradia além da nossa pele no que é conhecido como um campo eletromagnético”.

Ela é capaz de capturar essa energia através de dois sensores de metal. Uma câmera Polaroid especialmente projetada e modificada manualmente analisa os comprimentos de onda da energia eletromagnética do sujeito. Usando um algoritmo, a câmera traduz esses comprimentos de onda em cores, que aparecem como uma sobreposição impressa no topo da fotografia normal.

“É traduzir sua energia em uma aura, para que possamos ver”, explicou Lonsdale. “É basicamente um filtro – em vez de orelhas de cachorrinho, você tem a cor da sua energia.”

Fotografia radiante da aura humana por Christina Lonsdale. Foto cedida por Radiant Human.

Fotografia radiante da aura humana por Christina Lonsdale. Foto cedida por Radiant Human / o Whitney Museum of American Art.

 

Inventado na década de 1970, a câmera de aura especial tem sido mais tradicionalmente associada a feiras psíquicas, lojas de cristais e cura da Nova Era – há também uma loja popular, a Magic Jewelry, que as coloca na Chinatown de Nova York e em Flushing, Queens.

Desde que a artista começou a Radiant Human há seis anos, a aura tornou-se uma espécie de fenômeno de mídia social – em novembro, o site da Ringer publicou um artigo chamado “Como a Aura Invadiu o Instagram”, acusando a plataforma de compartilhamento de fotos e dando-lhe um novo brilho moderno.”

Mas Lonsdale não se preocupa com o fato de que uma busca por gostos possa ofuscar a verdade pessoal existencial que a aura fotografa pretende representar. “Este processo é verdadeiramente uma representação de si mesmo, então eu acho que você consegue o que você coloca nele”, disse ela. “Se você vem com intenções superficiais, você vai obter um resultado superficial.”

Nos últimos seis anos, ela capturou cerca de 39.000 auras de pessoas. Lonsdale trabalha em uma tenda abobadada portátil, que cria um ambiente consistente para todos os seus retratos. O que distingue Lonsdale do típico fotógrafo de aura é que, como artista, ela está tão interessada na imagem do sujeito quanto na colorida sobreposição.

A autora obtendo sua aura fotografada por Christina Lonsdale, da Radiant Human, no Whitney Museum of American Art. Foto de Mary Anne Stetts.

Sarah Cascone obtém sua aura fotografada pela Christina Lonsdale da Radiant Human no Whitney Museum of American Art. Foto de Mary Anne Stetts.

 

“Tradicionalmente, a forma como as pessoas usam essa câmera, a imagem geralmente fica borrada. Você não pode ver seu rosto. Os fotógrafos não são artistas e não estão interessados ​​em como você se parece na imagem. Eles estão mais focados na cor da energia, então podem ajudar a guiá-lo ”, explicou Lonsdale. “Eu queria dar largura de banda igual ao corpo físico e ao corpo energético”.

Lonsdale é claro que ela não é uma curandeira ou psíquica. Cada fotografia da aura vem com uma lista de possíveis significados, mas “é uma interpretação de origem coletiva, não apenas minha opinião”, ela foi rápida em apontar.

E outros fotógrafos de aura não são tipicamente convidados a se instalar em museus de arte. A primeira residência da Radiant Human no Whitney foi por dez dias em 2016, depois um longo compromisso para o artista itinerante. As pessoas viajaram pelo país com o propósito expresso de fazer o retrato delas. (Uma família de cinco pessoas veio de San Jose, na Califórnia, para o Whitney para sua nomeação.)

Fotografia radiante da aura humana por Christina Lonsdale. Foto cedida por Radiant Human.

Fotografia radiante da aura humana por Christina Lonsdale. Foto cedida por Radiant Human.

 

Aura Photography by Radiant Human está em exposição no Whitney Museum of American Art, 99 Gansevoort Street, Nova York, 3 de abril a 5 de agosto de 2019.

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …