Novo projeto de Yoko Ono pede paz sobre tema da imigração

Os fãs que esperavam ter um vislumbre de Yoko Ono na inauguração do seu projeto Add Color (Refugee Boat) em 19 de junho no River to River Festival do Conselho Cultural da Baixa Manhattan de 2019 ficaram desapontados ao descobrir que o artista não estava presente. Por outro lado, o trabalho em si evoca precisamente as vibrações que levaram a lendária artista experimental à fama nos anos 60. Para melhor ou pior, Add Color (Refugee Boat) é exatamente o tipo de projeto que Ono poderia ter completado durante seu apogeu hippie: uma declaração sobre paz e amor transmitida através de simbolismo digerível sem qualquer pico real crítico.

Add Color é um projeto participativo que convida o público a desenhar, pintar e rabiscar em um barco a remo branco, ou sobre as paredes brancas ao redor e o piso abaixo dele. Pincéis e latas de tinta azul (para simbolizar o mar) aguardam visitantes, que são incentivados por um docente para adicionar sua contribuição.

Mas o projeto merece atenção pelas mesmas razões que deixa a marca de um golpe político: pedir às pessoas para pintarem um barquinho simbólico (não um verdadeiro barco de refugiados) pode ser um gesto manso para a morte e a miséria causadas pela crise de refugiados, a confiança de Add Color na interação humana e participação do público tem mais impacto como um comentário sobre o trabalho coletivo de imigrantes sobre os quais os Estados Unidos são fundados.

Um texto de parede descreve a instalação como uma “colaboração entre o espectador e o artista” e um estágio para praticar “opiniões coletivas, esperanças e sonhos relacionados a todas as formas da crise internacional de refugiados”. O Refugee Boat chega em Nova York depois de ser mostrado na Alemanha, Grécia e Inglaterra. O projeto é a mais recente iteração da série Add Colour Painting de Ono, apresentada pela primeira vez em 1961, na qual ela convida os espectadores a improvisar com a pintura sobre superfícies brancas, incluindo tela, globo e outros objetos simples.

A instalação de Ono está simbolicamente abrigada em um espaço de galeria no distrito de Seaport, em Nova York, nas margens da cidade, e não muito longe da Estátua da Liberdade e do ponto de entrada histórico da imigração da Ilha Ellis. Negligenciada pelos críticos e apreciadores de arte do mundo da arte, a exposição tem sido frequentada principalmente por visitantes aleatórios que entraram e saíram dos cafés e restaurantes do Mercado Fulton, como evidenciado pelo número de pessoas caminhando até a galeria segurando potes de sorvete.

No segundo dia da instalação, as paredes já estavam cheias de mensagens de resistência política e mensagens anti-guerra em uma infinidade de idiomas. Slogans incluíam “SEM MUROS”, “Vidas negras importam”, “Cada barco de refugiados é um Mayflower”, e “Somos todos humanos”. Houve declarações de solidariedade expressas com ativistas no Sudão, Hong Kong, Síria, Palestina e outros zonas de conflito em todo o mundo. Alguns visitantes simplesmente marcaram seus nomes ou os nomes de seus entes queridos. No verdadeiro espírito Yoko, abundavam os sinais de paz, assim como os rabiscos da palavra “amor” em várias línguas e formulações.

Pegue qualquer amostra de nova-iorquinos e você encontrará imigrantes entre eles. Layla Tabatabaie, uma americana-iraniana de primeira geração que trabalha como supervisora ​​de contas e gerente de crises em uma empresa de mídia, estava escrevendo seu nome em farsi no chão em grandes letras azuis em negrito quando falou com Hyperallergic. “Eu tenho amigos que estão em programas Ph.D. na Alemanha que queriam vir para cá, mas obviamente não podiam ”, disse ela, referindo-se ao Banimento Muçulmano de Trump, que nega aos cidadãos do Irã e seis outros países a entrada nos Estados Unidos. Os pais de Tabatabaie vieram aos EUA aos 30 anos para buscar educação superior e escapar da tirania do regime aiatolá iraniano, uma oportunidade que seus amigos tiveram que procurar em outro lugar. “Meus amigos estão fazendo doutorado em inteligência artificial e medicina, literalmente tentando curar o câncer através de algoritmos, e nós não os vimos por causa da proibição muçulmana”, disse ela. “Agora a Europa obtém essa inteligência que teria chegado aqui”.

Fonte: Hyperallergic.

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …