Uma escultura sonora de Bill Fontana para a Notre Dame de Paris

[Descobrindo os artistas de hoje] Inspirada em uma reconstrução da Notre-Dame de Paris, que ainda está para ser imaginada, muitas propostas artísticas surgiram. A instalação do escultor sonoro americano Bill Fontana continua sendo a mais surpreendente: “Ecos Silenciosos – Notre Dame” ou a exploração do silêncio dos 10 sinos sobreviventes. Escutem!   “A música é […]

[Descobrindo os artistas de hoje] Inspirada em uma reconstrução da Notre-Dame de Paris, que ainda está para ser imaginada, muitas propostas artísticas surgiram. A instalação do escultor sonoro americano Bill Fontana continua sendo a mais surpreendente: “Ecos Silenciosos – Notre Dame” ou a exploração do silêncio dos 10 sinos sobreviventes. Escutem!

 

“A música é contínua, só a escuta é intermitente” (Henry-David Thoreau)

A França já teve o prazer de hospedar várias vezes esse gênio do som-escultural, nascido em 1947 em Cleveland, que agora vive e trabalha em São Francisco quando não está gravando ao redor do mundo. Em 1985, participou da 13ª Bienal de Paris, investida na Basílica de Saint-Denis em 1992. Sua “Ilha do Som 1994” para as celebrações do 50º aniversário dos desembarques do Dia D da chegada dos Aliados na Normandia e a libertação de Paris cristaliza seu trabalho. Ele transmitiu ao vivo na fachada do Arco do Triunfo as imagens e o som do mar de um penhasco na costa da Normandia, apagando assim qualquer outro ruído e cobrindo o cafarnaum do tráfego parisiense.

 

A integração da imprevisibilidade

Sempre fascinado pela música e com seu primeiro gravador em mãos já em 1967, ele imediatamente foi para Nova York para participar do curso de “composição musical experimental” do compositor-poeta americano John Cage (1912-1992), que alegou que um dos componentes mais interessantes da arte era o fator de imprevisibilidade, onde elementos externos se integram à obra de forma acidental. Por mais de 50 anos, com uma ampla gama de lugares e monumentos, pontes de aço, tanques de água, turbinas, árvores centenárias… Bill Fontana tem colocado seus fones de ouvido e agido como um corpo de ressonância do ambiente. O filme se ajusta às suas instalações sonoras com a ajuda de uma câmera fixa que concentra o olhar penetrando todos os detalhes do objeto ou local examinado.

Dos acelerômetros aos ouvidos

Hoje, o escultor de som viaja com seu estúdio de gravação portátil, microfones, hidrofones e acelerômetros que pertencem apenas a ele. São “transdutores”, normalmente utilizados por engenheiros estruturais para medir vibrações em estruturas como pontes. Mas a técnica não basta, como diz bem Bill Fontana: “os equipamentos mais importantes são, de fato, meus ouvidos”.

Os sons realocados

“Com base na premissa de que o ato de ouvir é uma forma de fazer música, tenho uma abordagem musical e científica para gravar e apresentar sons que eu realoco e justaponho com arquitetura, paisagens e situações históricas ao redor do mundo. Isso me levou a explorar não só os sons que vêm diretamente aos meus ouvidos, mas também aqueles, a descobrir, que habitam o mundo físico”, confidencia. “Em 2006, criei “Harmonic Bridge” no Tate Modern de Londres, onde transformei a Ponte do Milênio de Norman Foster em um instrumento musical, ao vivo com uma rede de acelerômetros mapeando as vibrações ocultas desta ponte, que foram transmitidas para o Salão de Turbinas do museu”, ele dá como exemplo.

Explorando o som do silêncio

Em suas esculturas sonoras, Bill Fontana cria experiências físicas revelando outras formas de presença em objetos, arquiteturas, paisagens… sobre os quais trabalha. Através de suas obras, o público entra em uma terra de maravilhas invisíveis, as de interiores acústicos. “Minha ideia para Notre Dame de Paris é derivada de uma série de obras que exploram o som do silêncio. A primeira delas, antes do “Ressonant Silences” conhecer a Life Tower em Nova York, foi feita no Japão, onde eu tinha usado tecnologia de medição acústica em antigos Sinos dos Templos Budistas Nanzen-ji (Kyoto)”. Ele então revelou que mesmo quando eles não tocam, seu silêncio é apenas aparente. Seus sons e os de seu ambiente estão presentes. Seus sensores de alta resolução montados em cada um dos sinos ‘ouviram’ e gravaram os ecos harmônicos do local.

O batimento do coração de Notre Dame

Notre Dame é a alma de Paris. Após o trágico incêndio de 2019, os sinos ficaram em silêncio. Através de Silent Echoes – Notre Dame, Bill Fontana mostra que, na verdade, seus sinos sempre soam secretamente, como um batimento cardíaco da catedral ferida. Este som do produto é criado por sua resposta harmônica aos sons ambientais do bairro. A ideia é criar uma escultura sonora de transmissão ao vivo com os 10 sinos em que sensores de vibração de alta resolução serão montados em cada um deles. O trabalho que poderia ser transmitido em todos os lugares tem uma dimensão ‘curativa’, uma expressão de um tempo suspenso criado pela dupla combinação deste incêndio e a atual série de confinamentos devido ao coronavírus.

Esperemos que uma das grandes instituições culturais francesas capture sua dimensão poética, e aproveite a oportunidade para dar vida aos “Ecos Silenciosos – Notre Dame”.

https://resoundings.org/Movies/Primal_Energies.mp4?_=3

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Iluminuras

Avant-propos

Inverno de 1980, Madrid. Vivi nessa cidade por três meses. Morava no Hotel Londres, na calle de Galdo. Professava minha …