Le ciel s'effondre

Os desenhos-instalações de Odonchimeg Davaadorj carregam utopias para mudar o mundo

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia fez do elo – em forma de desenhos, instalações, vídeos ou poemas – o fio condutor de sua obra para aproximar culturas e pessoas da natureza. Antes de ser rotulada como artista, ela quer ser […]

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia fez do elo – em forma de desenhos, instalações, vídeos ou poemas – o fio condutor de sua obra para aproximar culturas e pessoas da natureza. Antes de ser rotulada como artista, ela quer ser julgada pelas linhas que ajuda a mover. A sua exposição Phusis na galeria Backslash, apresentada de forma virtual até 17 de abril, permite-nos penetrar na sua estética radical.

Uma sede insaciável de liberdade

1990, nascimento na Mongólia em Darkhan, perto da fronteira com a Rússia, em uma família modesta. Odonchimeg Davaadorj se muda aos 17 anos e vai se juntar a sua irmã na República Tcheca, onde fica por dois anos. Forçada a deixar o país com destino à França, sem falar a língua e sem documentos, por seis anos, sua vida foi feita de biscates para sobreviver… enquanto abandonava seus estudos como economista para iniciar uma prática artística.

Sua seleção no 65º show de Montrouge e o prêmio revelação ADAGP em 2018 marcam o início do reconhecimento. A artista agora mora em Saint Gratien, na Ile-de-France, em um pequeno estúdio… Se ainda há muito o que escrever sobre o futuro dessa jornada quase romântica que alguns podem idealizar, em primeiro lugar, há de se sublinhar a incrível determinação de uma artista em se expor, apesar de sua situação irregular.

Manifestations, 6B, 2018


Em meu punho cerrado, 
flui linhas de rios e
Eu mergulho na palma da minha mão
Eu como o sabor da vida
Eu não acredito no destino, 
mas no momento
Eu não pediria outra luz além da do sol
Nenhum outro telhado além do céu
Porque estou finalmente visível entre o resto e igual a tudo o mais
Se a vida é a água do rio
Estou com uma sede terrível
Odonchimeg Davaardorj

O pássaro, um animal que sempre pode fugir

Le ciel s’effondre

Recusando-se a jogar nas suas (des) aventuras de aculturação, esta personalidade “resiliente”, como diria Boris Cyrulnik, aposta nos aspectos positivos da liberdade conquistada para estar sempre pronta para “decolar”. Ela é um dos pássaros que voam em seu trabalho? “O único animal que sempre pode fugir”, como ela gosta de descrever. Ela prefere primeiro integrar as culturas que a acolhem, começando por aprender a sua língua. Checo e francês, se a sua obra contrasta com as suas raízes, estas línguas permitem-lhe apreciar e compreender as diferenças e, paradoxalmente, assimilar melhor a cultura do seu país de origem.

Libere sua memória emocional

Des hommes, les bois, 2014

Personagens deslocados e às vezes sem cabeça. Tudo tem sentido: “Acho que tem muita gente sem cabeça, que segue os movimentos e que são apenas corpos”, confessa numa aguda crítica social às cidades onde nasceu e viveu. Todos os seus personagens estão intimamente ligados ao seu cotidiano e convivem com ela. Então, quando está apaixonada, ela cria casais. Se está triste, as figuras estão agachadas. “Eu sempre desenhei. Cresci em um ambiente sem tela, museu ou galeria, mas rodeada de animais e belas paisagens. Comecei a desenhar todos esses animais muito jovem e, mais tarde, na adolescência, a criar roupas. A minha mãe era costureira”. Desenhados e construídos a partir da sua memória emocional, seus trabalhos falam de pátrias e tentativas de enraizamento, mas também de figuras maternas que se fundem e devoram mutuamente. Contra o pano de fundo de uma natureza machucada.


Ele está dormindo
Ele está acordado
De repente ele pinta
Ele pega uma igreja e pinta com a igreja
Ele pega uma vaca e pinta com uma vaca
Com uma sardinha
Com cabeças, mãos, facas...
Blaise Cendrars, Retrato de Chagall 1919

Uma crença na relação entre os seres e a natureza

Mother, 2016

“Mesmo não sendo crente nem praticante de uma religião, acredito nas relações entre os seres e a natureza que a prática do xamanismo exige. Isso se reflete nos meus desenhos onde reúno corpo e natureza”, acrescenta como uma visão de mundo. Em uma obra figurativa, os personagens de suas aquarelas ou tintas chinesas renascem em diferentes formas, vegetais ou animais, em folhas livres e sem moldura. Os versos de Blaise Cendrars para um “retrato de Chagall” correspondem bem à sua abordagem criativa. Nesse universo de imagens, mais oníricas do que narrativas, entre o céu e a terra, os corpos flutuam. As composições concentram-se entre realidades íntimas e temas universais. Usando bordados, corpos femininos nus com membros às vezes deslocados são conectados com fios de algodão vermelho.

Togloom#2, 2013-2014

Seus vídeos são mais leves. A artista acaricia as estrelas ali, tenta pegar a lua nos dedos ou até inventa pequenas cenas curtas em calçadas com uma rara economia de meios: ali planta folhas; coloca um, depois dois e depois três barquinhos de papel. Além de um casal de cisnes brancos para completar esta paisagem de sonho. Faz uma pequena casa de papel emergir perto da grama selvagem, sob uma parede azul. Está nevando. Mais uma vez, ela adiciona flores de papel coloridas a um tufo de grama… É simples, eficaz e maravilhosamente poético.

Faça sua parte para mudar o mundo

Sans titre \ Untitled, 2017

“Minha única preocupação é tornar os homens absoluta e incondicionalmente livres”. Odonchimeg poderia adotar para si esta citação de Jiddu Krish Namurti (1895-1986), um grande filósofo indiano ‘cidadão do mundo’ que ela gosta de ler; assim como Pierre Rabhi (1938-), o visionário ecologista-espiritualista que, com seu movimento Colibris, incentiva todos a ‘fazerem a sua parte’.

Odonchimeg também escreve, principalmente poemas que exalam um desejo irresistível pela vida. Ela faz isso diretamente em francês e não importa se não for perfeito. Ela segue seus instintos e não regras. Ela tenta, se funcionar, tanto melhor. Caso contrário, ela acha que não importa. A artista se joga com todo o corpo e sua energia pulsante em suas performances e obras plásticas. O futuro e os outros decidirão o valor para ela. Ela já avançou, talvez pensando em Rabhi: “São nas utopias de hoje que estão as soluções de amanhã”.

Referências que não são

La forêt qui s’effondre, 2016

Não vamos perder de vista o fato de que Odonchimeg nasceu em uma cidade onde não havia galeria ou museu e que ela descobriu o mundo da arte tarde na vida. Se ela foi para a escola Paris-Cergy e, claro, trabalhos como os de Louise Bourgeois chamaram sua atenção, isso continua sendo “informativo” para ela. Se a relação com o corpo, com o erotismo, com a sensualidade, mas também com a dor e o ferimento ‘faz sentido’ a partir de sua irmã mais velha, o que lhe interessa acima de tudo é sua força interior, e esse desejo de ser acima de tudo uma artista contra tudo e todos.

Na verdade, a autodidata não olha para o trabalho dos outros. Ela treinou sozinha e não precisa de nenhuma referência. Quando citada Shiharu Shiota (1972-), suas performances e a dimensão onírica de uma obra caracterizada por um entrelaçamento de teias de aranha reais ou o estranho e poético mundo de Kiki Smith (1954), ela mostra interesse, com certeza, mas desapegada.

Seu trabalho se coloca mais ao lado de artistas como Bispo de Rosario (1911-1989), o brasileiro que expressou incansavelmente por meio de colagens e poemas bordados sua experiência do universo sem interferir no mundo exterior. Outros artistas, especialmente performers, também a tocam, como Marina Abramovic (1946-) que nunca hesita em se colocar em perigo com uma arte real, única e efêmera, ou Francis Alys (1959-) artista belga morando no México…

Ser um artista é uma verdadeira luta

Jupe Volcano, 2013-2014

“Eu nem me apresento como artista. Serei capaz de entender no final da minha vida se fui artista ou não. Todos são capazes de realizar projetos criativos. Todos nós temos emoções. Mesmo as pessoas que fazem negócios podem estar fazendo arte também. Ser artista faz parte do cotidiano”, explica, acrescentando com voz suave mas, no entanto, firme e convicta: “ser artista é uma verdadeira luta, é dizer que não basta”. E essa luta é para restabelecer o vínculo entre o Homem e a Natureza. E para ela tudo está conectado. Se o mundo é feito de diferentes culturas e línguas, hoje tudo também está interligado. Precisamos aprender com nossas diferenças. Quando a floresta amazônica queima, onde quer que estejamos, não podemos mais ficar indiferentes porque é também a nossa casa, uma parte de nós que queima! Lembre-se de seus fios que amarram os diferentes elementos de suas composições ou bordam sua poesia nas roupas que ela desenha.

Com este distanciamento que a caracteriza, nada mais coerente para quem procura ligar culturas ou pessoas, que continue a trabalhar ao longo da sua vida como artista, como modelo ou através da criação de joias. É menos para sobreviver agora do que para manter uma oportunidade preciosa de mergulhar em outros círculos, para manter uma perspectiva eterna sobre tudo. Esta exigente e impaciente poeta artista recusa-se tanto a ser (re) enjaulada como a ficar presa a uma única trajetória.

Sans titre \ Untitled, 2014

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

O desenho de Ernest Pignon-Ernest infunde uma ética humanista na arte urbana

Um pioneiro da arte urbana comprometida, Ernest Pignon-Ernest afirma “causar algo” na rua com seus desenhos. Por mais de 50 …

Iluminuras

NA ESCURIDÃO

O hálito do imóvel. Um vulto rígido
de animal no azul, sua santidade.
Poderoso é o silêncio da pedra…
Georg Trakl
 

Alfred Leopold Isidor …

Notícias da França

Françoise Pétrovitch nos leva para o outro lado do espelho

Com um bestiário animado e ambivalente, próximo à imaginação peculiar de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, Françoise …

Iluminuras

2 de abril de 2021

Datas. Desde que regressei de Bethany, nos últimos dias de maio do ano passado, são hoje 311 dias de um …

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

ALTO FALANTE

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …