Guillaume Cousin, Le silence des particules, portrait de la machine et homme - FOTO Guillaume Cousin

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! Aquele que se define como um “experimentador-construtor” cria uma obra com um dispositivo minimalista. Carregado por uma convicção comunicativa; a arte é feita de eventos, não de coisas. A ser verificado de 8 a 19 […]

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! Aquele que se define como um “experimentador-construtor” cria uma obra com um dispositivo minimalista. Carregado por uma convicção comunicativa; a arte é feita de eventos, não de coisas. A ser verificado de 8 a 19 de setembro em Stereolux (Nantes).

A imaterialidade feita presença

Foi no Instagram que em outubro passado nossa atenção foi atraída por um pequeno vídeo. Tendo como pano de fundo a suntuosa arquitetura gótica extravagante da igreja de Saint-Eustache, no coração de Les Halles, a aparente tranquilidade começa a ser perturbada de uma forma estranha e surpreendente. No vazio da igreja, um som como um tiro corta o silêncio. Vem de uma máquina que Leonardo da Vinci provavelmente não teria negado. Foi instalada e não escondida. Aos poucos, vindo deste curioso instrumento-catapulta, voa lentamente e flutua nas alturas da nave central um anel de fumaça branca, depois outros que vão vagar e gradualmente se dissolvem. Pode-se imaginar a maravilha que deve ter sido vivida pelos visitantes de La Nuit Blanche 2020, onde o artista Guillaume Cousin convidou o público a descobrir “O despertar da memória”, uma instalação nascida de um encontro com o ateliê olfativo Magique. Tudo parece dito nesta simplicidade de uma arte que floresce brilhantemente com a desmaterialização.

À beira do inferno?
Imaginação, rainha,
Mantém as asas estendidas,
Mas o vestido que ela arrasta
Tem peso frenético.
Enquanto pensava,
Borboleta, voa e voa,
Rosa e preto claro, esguio
Fora da cabeça frívola.
Imaginação, localizada
Em seu trono, este lugar orgulhoso!
Assistir, como se estivesse indeciso,
Com todo esse ágil carrossel,
Paul Verlaine (1844-1896), Les limbes.

Esse rastro de memória nos lembra este poema de Verlaine. Também nos faz imaginar uma interpretação dos círculos do Inferno de Dante Alighieri (1265 – 1321) descritos na primeira parte da Divina Comédia. Os anéis de fumaça envolvem completamente a progressão do espectador e não podem deixá-lo indiferente. Em cada círculo podem ser punidos aqueles cujas vidas foram contaminadas por um tipo definido de pecado. Limbo refere-se a um estado do além à margem do “inferno”. Outras vias inspiradas na leitura de Pascal Quignard citada por Guillaume Cousin se abrem: “O visível não é suficiente, o visível só pode ser interpretado com referência ao invisível. ”

Guillaume Cousin, Le silence des particules Photo – FOTO Guillaume Cousin, 2019

A arte é feita de eventos, não de coisas

Como evidenciado por muitos artistas como Susanna Fritscher, Bill Fontana, Stéphane Thidet, … a arte já não nasce apenas de uma relação entre um objeto fixo e um espectador, mas também de uma experiência holística, onde todo o corpo do espectador está associado à expansão da obra no espaço. “O mundo é feito de acontecimentos, não de coisas”: o que Carlo Rovelli, físico teórico italiano e filósofo da ciência, um dos fundadores da gravidade quântica em loop, afirma estar implementado na obra de Guillaume Cousin. Quem se define como “experimentador-construtor” faz parte dessa dinâmica evolutiva, borrando as fronteiras do visível e do invisível, do físico e da aura, alimenta-se das mais recentes descobertas científicas. Seu ambicioso projeto artístico é inventado como uma obra global para permitir que todos soltem sua imaginação.

Não caia, nem no ego nem na superfície

“Se tu me cativas…”, tem sido desde o outono passado a relação “Saint-Exupériana” com esta raposa artista nascida em Tours em 1978, que agora vive em Longeville-sur-Mer. Ele não tem pressa e obviamente ama aqueles que dedicam seu tempo para conhecê-lo. Esse é o mesmo tipo de abordagem que este graduado em iluminação de espetáculos tem com seu trabalho. Você pode senti-lo corar de timidez ao chamá-lo de artista. Ele nos conta: “Há 20 anos acompanho artistas à sombra do meu trabalho como designer de iluminação e cenógrafo, mudar de posição, falar em meu nome, me causa muitos questionamentos. Em primeiro lugar, tenho visto tantos artistas incorporarem questões de ego…. Eu não queria reproduzir isso e então queria encontrar meu caminho, meu ponto. De qualquer forma, sou um artista, talvez eu coloque dessa forma para insistir em não estar acima do solo”. Com uma ética de responsabilidade, a de “fazer parte da imaginação dos outros”, como Tunga escreve lindamente.

Guillaume Cousin, Expansion – FOTO: Guillaume Cousin

Desça às profundezas do desconhecido para encontrar algo novo (Rimbaud)

Esta lenta maturação, longe de ser uma desvantagem, é reivindicada no processo de gestação: “Vou numa aventura em pistas experimentais. O resultado geralmente é desconhecido e sempre tem uma parte aleatória. Os princípios de construção também fazem parte desse processo. Eu construo tudo. Não subtraio nada porque dá sentido ao objeto, representa uma imagem do meu saber fazer, uma lógica que é visível. Tudo ainda está muito fresco. Minhas obras demoram muito para serem concluídas; se o “silêncio das partículas” foi apresentado em 2018, os primeiros testes datam de 2012… Trabalho no “Soudain toujours” desde 2019, será apresentado no dia 21 de setembro ”.

Janelas sobre o mistério

Pensamos no ícone da supremacia de Malevich (1879-1935), seu “Quadrado preto sobre fundo branco”. Esta obra, como a de Guillaume Cousin, é uma porta de entrada para algo que só podemos ver na sombra, como janelas para o mistério e o mundo espiritual. Eles destacam o jogo entre “é” e “não é”. É um quadrado? É preto? É um simples anel de fumaça?… Você está convidado a reservar um tempo para se olhar, questionar-se e descobrir.

Malevitch Carre noir sur fond blanc Le Quarangle (1915)

Por que não iniciar uma revolução artística quântica?

O humilde artista sabe nos conduzir às descobertas e belezas da física quântica que desencadeiam nele um fascínio estético: “No momento em que uma mudança de paradigma nos parece tão ilusória quanto essencial, o que pode ser a revolução cultural que vai desencadear isso? Por que não uma revolução quântica? Ele conta. “A beleza poética e filosófica da física quântica me cativou. Além disso, redefine as noções de espaço e tempo, o que já é fundamental para redefinir a noção de realidade. Por exemplo, ainda vivemos na representação do tempo pensada por Newton, uma longa linha reta com uma flecha que fluiria por toda parte e para todos da mesma maneira. A realidade da ciência estabelecida é bem diferente: o Tempo Universal não existe. Cada um de nós tem seu próprio tempo e não é contínuo, mas granular. Nossa percepção é apenas devido à nossa percepção ‘difusa’, nosso nível de precisão de certa forma. É, portanto, uma questão de nosso ponto de vista, que deve ser questionado, movido. “

Para uma desmaterialização da arte?

Guillaume faz parte dos reflexos de uma arte que desde a segunda metade do século XX, tendeu a prescindir de todo o material, ou mesmo se libertar completamente dele. No final da década de 1950, Yves Klein (1928-1962), conhecido entre outros por sua “exibição do vazio” de 1958, defendeu o intangível e multiplicou as atuações e propostas voltadas à espiritualização e desmaterialização de todo o processo plástico.

No rastro da arte minimalista e conceitual que se desenvolveu nos Estados Unidos por artistas como Bruce Nauman (n.1941), tenta-se “diminuir a importância do que se vê”. Em 1985, a exposição Les Immatériaux, projetada pelo filósofo Jean-François Lyotard (1924-1998), considera a maneira como as novas mídias e as novas tecnologias estão transformando a matéria. O material se transmuta em um fluxo energético, inspirando artistas com novos dispositivos (videoarte, arte computacional, etc.). Guillaume Cousin também gosta de citar o grande artista californiano James Turrell (1943), referência mundial para questões relacionadas à luz e ao espaço, mas também a artistas mais confidenciais, mas igualmente interessantes, como o artista suíço especialista em esculturas sonoras Zimoun (1977-) ou o lituano Zilvinas Kempinas (1969-) que usa fitas magnéticas em sua obra e cuja obra Double O de 2008, mostra dois grandes ventiladores elétricos direcionados a dois laços de fita magnética causando seu voo perpétuo e sua dança entre os fluxos de ar.

Zilvinas Kempinas, Slow Motion, 2013

Coisas, interações quânticas mais ou menos longas

“Há na leitura uma expectativa que não pretende acabar. Ler é errar. Ler é divagar. ” Substitua ‘ler’ e ‘ler’ por ‘assistir’, nesta citação de Pascal Quignard (1948-) e você terá uma definição bastante boa da filosofia de Guillaume Cousin, que frequentemente cita o vencedor do prêmio Goncourt de 2002… Citemos novamente para captar o que está em jogo na arte: “Faça da poesia o desiderium. Uma forma como uma maré … Um único fluxo rítmico. Um único flato. Um fluxo. Uma fluência. Uma influência. Uma luz. Um único influxo crescente. Como desejo. O descendente é diversão”. “O mesmo vale para o material”, continua Guillaume Cousin. Tudo o que conhecemos e consideramos como coisas são, na verdade, eventos, interações quânticas mais ou menos longas. Os menores grãos de matéria, que constituem tudo, são partículas quânticas mais ou menos desde o momento do bigbang. Eles estão em um estado (energia, porção de velocidade) de probabilidade, perto do caos, ou estabilizados quando estão em interação. A interação é, portanto, o limiar da matéria, pois é o limiar da evolução de nossa espécie, uma grande simbiose”. Não importa se Guillaume Cousin ainda tem poucos trabalhos, apenas a intensidade deles conta. Também aprendemos que ele sabe aproveitar o momento certo. Aprenderemos, portanto, a domar nossa impaciência para aguardar as próximas aparições de suas obras, pelo menos até a apresentação desta criação, marcada para Stereolux (Nantes) de 8 a 9 de setembro de 2021.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Com seu livro-objeto Flor no Asfalto, Claudia Jaguaribe inspira o simbiótico

Em busca de um trabalho comprometido com as fronteiras da fotografia, design gráfico e editorial, Claudia Jaguaribe desenvolve uma narrativa …

Iluminuras

SEMPRE EUROPA / FRANÇA e ITÁLIA

Biarritz, 20 de janeiro de 1991
Denise escolheu Biarritz para pernoitarmos. Lembrou das antigas fotografias de Jacques Henri Lartigue, nas quais …

Iluminuras

A MÁRIO E ROBERTO

Azeitão, sábado, 21 de janeiro de 1989
Nazaré é uma cidade costeira. Há uma pequena enseada e um ancoradouro de pedras …

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …

Iluminuras

OS VERDES ANOS

“De todo meu passado, só possuo o que carrego
diante de mim. Nesse momento, todo o resto me é
inacessível. Porém nossa …

Notícias da França

A indisciplina de Michel Paysant, uma simbiose de todos os campos estéticos

A meio caminho entre o artista plástico digital e o técnico utópico, Michel Paysant define a arte como um projeto …

Iluminuras

Marcas da Maldade III

O HOMEM ARMADO
L’Homme armé
L’homme armé doibt on doubter.
On a fait partout crier
Que chascun se viengne armer
D’un haubregon de fer.
L’homme armé …

Notícias da França

A curiosidade insaciável de Xavier Veilhan

Xavier Veilhan mostra uma curiosidade insaciável e multiplica intervenções esteticamente estimulantes. Unindo ciência e arte, seu vocabulário criativo, com instalações …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE II - BABEL

Kyrie Eleison (Gregorian)
Kyrie eleison.
Christe eleison.
Kyrie eleison.
 

Desde o princípio queria ter sido pedra, inseto ou pássaro. Talvez um alto e longilíneo …