Myriam Boulos, Revolution 03 @ Myriam Boulos

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, a tímida Myriam Boulos mostra toda sua ousadia com a câmera. Seu trabalho fotográfico exibe uma empatia resiliente, sem concessão de poderes, nem artifício para capturar a humanidade. A artista consta na seleção da 5ª […]

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, a tímida Myriam Boulos mostra toda sua ousadia com a câmera. Seu trabalho fotográfico exibe uma empatia resiliente, sem concessão de poderes, nem artifício para capturar a humanidade. A artista consta na seleção da 5ª edição 2021 do Prêmio AWARE para as Mulheres Artistas do XX.

O desejo de fotografar a condição humana

“Não sou só mulher, não sou só árabe, é muito mais complexo que isso”. Myriam Boulos nos leva a suas demandas, destacando que já não é fácil definir a representação do Líbano desde seu nascimento, cuja própria essência permanece tão fragmentada e esquizofrênica. Fotografia? “É a única coisa na minha vida que tem sido fácil, porque a fotografia é um meio que faz tudo fluir. Foi (e ainda é) a coisa mais natural. Sou tímida e meu fascínio pelas pessoas se mistura ao medo. Fotografá-las é uma forma de alcançá-las e ao mesmo tempo ficar à vontade, é a minha linguagem”. Por mais de 10 anos, ela não hesitou em mostrar a revolução libanesa e o movimento cidadão em batalha contra um governo corrupto que por mais de 30 anos não foi capaz de atender às necessidades mais básicas de seu povo.

Myriam Boulos Deadend 02 @ Myriam Boulos

Sua maneira não filtrada de participar da vida

Myriam Boulos mostra a urgência da vida, da cidade, da história ancorando no lado do íntimo. Em suas fotos, amor e violência se misturam: “Como um questionamento interminável da intimidade de indivíduos combativos que nunca são realmente escravizados”. O tempo parece ter parado, mostrando rebeldia tanto quanto um beijo ou um simples olhar. “A fotografia sempre foi uma das minhas formas de participar da vida: através das minhas imagens documento e represento a minha forma de vivenciar a revolução. Algumas pessoas estão segurando cartazes com slogans, algumas pessoas estão gritando ou cantando, outras pessoas estão queimando pneus … Eu tiro fotos”.

Myriam Boulos, Tenderness 14 @ Myriam Boulos

A fotografia é sempre uma troca

Sua sede de curiosidade é alimentada por mergulhos sem ideias pré-concebidas em todas as realidades da cidade. Suas fotos são um espelho para sua geração e destacam a ambiguidade da relação entre verdade e simulação. “Para mim, a fotografia é uma forma de resistir a qualquer forma de opressão normalizada. Um exemplo muito simples: Uma noite, eu estava voltando para meu carro depois de fotografar. Um homem grudou na minha janela, me olhou nos olhos e começou a se masturbar. Peguei minha câmera, fotografei (com meu flash direto, obviamente) e fui embora”. Sem tabu, entre arte, fotografia de rua e resistência, sem escolha e sem tempo para hesitar!

A fotografia, o meio ideal para preservar vestígios de vida

Myriam Boulos nasceu após o fim da guerra, em 1992, na cidade de Beirute, onde continua a viver. Vestígios de guerra aparecem em sua obra, que denuncia sobretudo as desigualdades sociais e econômicas, o peso do patriarcado, a imobilidade da sociedade, sem nunca hesitar em mergulhar nestas questões. “Sempre tentei explorar a complexidade da sociedade libanesa por meio da fotografia. Sempre foi uma forma de sair da minha pequena bolha e questionar as contradições e a fragmentação da sociedade da qual faço parte”, ela conta. Essa artista de vocação precoce especifica: “Aos 16 anos conheci uma garota que tinha uma câmera sofisticada. Quando eu disse aos meus pais que queria o mesmo, minha mãe disse que eu precisava começar desenvolvendo meu olho, meu olhar. Desde aquele momento, a foto se tornou a coisa mais óbvia da minha vida. Desde minhas primeiras fotos, minha abordagem foi uma mistura de documentário e diário”.

Myriam Boulos, Post Explosion 07 @ Myriam Boulos

A tentativa de pensar já é, em si, um esboço de fuga

Algumas de suas fotos aproximam-na do fotógrafo alemão Wolfgang Tillmans (1968-) que, ao abordar assuntos ligados ao estilo de vida de seus contemporâneos, também investe em temas tradicionais da fotografia para renovar sua abordagem e percepção. Mas os mentores que Boulos cita são muito diferentes: “Gilles Deleuze (1925-1995)! E as pessoas ao meu redor, minha família, meus amigos. Do contrário, os encontros, com estranhos, com filmes, com sons, com objetos…”. Compreendemos melhor o que a liga ao filósofo quando a introdução da webdeleuze afirma: “Deleuze é também este ato de resistência. Na regressão política generalizada que nos cerca, entre a estupidez sufocante e a servidão voluntária da maioria, a tentativa de criar um espaço diagonal, simplesmente a tentativa de pensar, já é, em si, um esboço de fuga. “

Fotografando com coragem, a lição da modelo Lisette

Em entrevistas anteriores, a artista também citou o extenso trabalho documental sobre a sociedade ocidental juntamente com uma sátira da vida contemporânea desmascarando o grotesco no banal do artista inglês Martin Parr (1952-). Evocou também Bruce Gilden (1946-), um ‘fotógrafo de rua’ (um conceito abrangente, um tanto mal definido, que se cruza com a fotografia documental, social e fotojornalística), assim como as imagens intransigentes mas carregadas de humanidade da modelo Lisette (1901-1983). Esta última costumava dizer aos seus alunos: “Fotografem com as tripas”. Myriam Boulos aprendeu a lição. “Em geral, gosto de artistas que têm uma grade de leitura particular. Amo o trabalho de Romy Alizée (1989-)”. Outra artista intransigente que se define sem rodeios em seu site como “cadela e fotógrafa”, que encena seus encontros e, entre outras coisas, mostrou as comunidades queer e lésbica.

A capacidade aguda de empatia resiliente

Uma de suas principais séries, Nightshift at Byblos Bank, foi projetada para revelar os impulsos e identidades reprimidas da vida noturna. Mostra os corpos narcisistas de jovens libaneses se misturando às ruas, jogando-se de corpo e alma nos braços da noite, os perplexos que reivindicam sua liberdade e o direito de errar em uma sociedade libanesa patriarcal. Fábricas, estações, carros nos corredores laterais, depósitos e hangares recebem esse público adolescente em necessidade de uma explosão, que sai para dançar, cantar, beber, fumar e se amar. Myriam Boulos fotografa, desta vez em preto e branco, essa tribo mutante e indefinida entre imagens flagradas e outras previamente combinadas. Ela os acompanha nessa deriva, nessa contra-cultura que, ao se abandonar, nem sempre parece saber para onde vai. Sem julgamento de Myriam, ela captura um momento, uma história. Isso cria uma “empatia resistente”.

Myriam Boulos, Nightshift 06 @ Myriam Boulos

Grandes e pequenos momentos sem artifícios ou maquiagem

Em séries como Tenderness (em cores) e Dead End (em preto e branco), os corpos ignoram o espectador e se oferecem sem limites, exibindo traços de resistência à exclusão social e econômica. O prazer da transgressão e a violência de viver à margem se manifestam sem artifícios ou maquiagens. Na revolução em curso no Líbano e no Líbano-Beirute-pós-explosão (mistura de preto e branco e cor) a artista nos mergulha na rua, na dor, no medo, no espanto, mas também em pequenos piscar de olhos, respirações.

Myriam Boulos, Deadend 03 @ Myriam Boulos

Trabalho aberto a tudo que vive

“Beirute é tanto a cidade de Nahda/renascimento quanto da revolução/Thawra permanente, a de um povo da diáspora (os libaneses estão em todo o globo) presos no estrangulamento psicológico de uma cidade-mundo que que destrói e reconstrói. Myriam simboliza essencialmente para mim a possibilidade de redescobrir um profundo vínculo de solidariedade e um futuro entre Paris e Beirute, graças à sua trajetória meteórica, à sua forma de representar os sem voz ou os abandonados com empatia”, diz o historiador de arte Morad Montazami, que a está indicando ao Prêmio AWARE para mulheres artistas do século 20. “Claro que a insurgência do ano passado, as consequências da explosão (no mau sentido da palavra) de 4 de agosto de 2020, foram acontecimentos que ditaram a minha escolha, foi uma explosão tanto física como metafísica que me mergulhou pessoalmente em um vazio que durou várias semanas, o que foi, como diz Jalal Toufic (1962-), um desastre desproporcional”, acrescenta.

Myriam Boulos exacerba seus desejos e favorece a captura do caos. Ela fascina com sua habilidade, como todos os grandes artistas, de permanecer aberta a tudo que vive. E nos faz esperar por uma versão brilhante de 2021 do prêmio AWARE.

Myriam Boulos, Post Explosion 06 @ Myriam Boulos

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Notícias da França

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …

Iluminuras

O SÉTIMO SELO

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma
                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do
                                                            eterno começo, o mundo como …

Notícias da França

A Origem do Mundo

Juliana Notari revoluciona ‘A usina de Arte’ com sua “Diva”.
‘A Usina de Arte’ (aberta em 2015) é uma formidável iniciativa …

Iluminuras

Tempus Fugit - Arena

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê …

Notícias da França

Com Miguel Rio Branco, Deus perde o poder, e o homem já não é mais sua imagem e semelhança.

É a representação do irrepresentável que interessa a Miguel Rio Branco, e suas obras revelam o nada da humanidade. Ele …

Iluminuras

O TEMPO E A MARÉ

“ Já não existem “imagens da realidade”;
já não existem representações ideais;
só existe o deserto.”
Kasimir Malevitch. Manifesto do …

Notícias da França

Os krafts coloridos de Maxwell Alexandre, arauto inclusivo da emancipação negra brasileira

[Descobrindo os artistas de hoje] Da Rocinha, favela do Rio, aos muros da prestigiada galeria londrina David Zwirner (até 30 …

Iluminuras

Avant-propos

Inverno de 1980, Madrid. Vivi nessa cidade por três meses. Morava no Hotel Londres, na calle de Galdo. Professava minha …

Notícias da França

Uma escultura sonora de Bill Fontana para a Notre Dame de Paris

[Descobrindo os artistas de hoje] Inspirada em uma reconstrução da Notre-Dame de Paris, que ainda está para ser imaginada, muitas …