Géographie Transitoire

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a focar a nossa atenção. Sua tese de doutorado na Universidade de Paris Sciences et Lettres sobre ‘Percepção lenta: por uma estética da desaceleração’ e a exposição ‘Coalescence’ na galeria Iconoscope em Montpellier em março próximo, […]

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a focar a nossa atenção. Sua tese de doutorado na Universidade de Paris Sciences et Lettres sobre ‘Percepção lenta: por uma estética da desaceleração’ e a exposição ‘Coalescence’ na galeria Iconoscope em Montpellier em março próximo, nos permitirão entender melhor a profundidade visionária deste artista humanista.

Crítica da disseminação da atenção

Seu trabalho escultórico investe em formas invisíveis e inofensivas do cotidiano e em manifestações quase imperceptíveis de mudanças efêmeras e frágeis em seu material, como água, poeira ou folhas de grama. A busca de Benoit Pype pelo que alguns podem qualificar como “irrisório” não é a do infinitamente pequeno, mas uma crítica que é ao mesmo tempo poética, científica e política; É também a expressão fundamentada de “um certo diagnóstico atual que identifica uma crise da experiência estética, consecutiva a uma difusão da atenção”.

Benoit Pype, Géographie transitoire, 2011-2018 – Foto: Benoit Pype

Coalescência, ou a visão única da criação de pesquisas

Buscando unir ciência e filosofia, sua ambição de ‘coalescência’ é propositalmente desenvolvida para assumir motivos poéticos (em ambos os sentidos do termo): “Nas ciências físicas”, explica o doutorando em “Ciências, Artes, Criação”, Research ”da Universidade de Paris Sciences et Lettres, coalescência é o fenômeno pelo qual duas substâncias idênticas, mas dispersas, tendem a se unir. Se arte e ciência não são idênticas, entendo por extensão metafórica os possíveis encontros e convergências entre um artista e cientistas dentro de um laboratório de “microfluídica”. Este contexto de pesquisa é, na verdade, o lugar para reunir ferramentas, cujos usos eu desvio, mas também para colaborações, para compartilhar ideias específicas para a vida do laboratório. É importante frisar que esse princípio de coalescência, embora insista no encontro e no compartilhamento, não necessariamente apaga as diferenças, as distinções entre arte e ciência. É antes de tudo um ponto de vista, uma visão singular da pesquisa-criação. ”

Benoit Pype, Micro architecture (Béquilles), 2008 – Foto: Benoit Pype

As condições da experiência do mundo real, isoladas por um pedestal.

As instalações do museu de Benoit Pype, nascido em 1985 em Rouen e que vive e trabalha em Paris, fazem lembrar um laboratório de análises científicas ou, por vezes, uma coleção de pistas para investigação policial. O aluno do Math Sup coleta “amostras do mundo real”. Os resíduos que ele considera (fundos de bolso, gotas d’água, folhas…) são ordenados e observados com uma lupa. Cada “objeto” alcança o status de “escultura” pela criação de uma base ou montagem especial à escala da mesma. Os títulos extremamente poéticos que ele chama, no entanto, permanecem puramente descritivos: O cabaré do nada, Os balés furtivos, Como educar os pássaros…. “Eles descrevem uma situação, estabelecem as condições para a experiência”, nos confidencia a artista. “Raramente coloco a dimensão conceitual do meu trabalho nos títulos, porque ele se baseia principalmente em experiências sensíveis. É por meio dessa experiência, dessa abordagem sensível, por mais tênue que seja, que ganhamos acesso a uma dimensão conceitual mais reflexiva. ”

Benoit Pype, Digital Shadows expo. Le Cabaret du Néant 08.03 – 05.07.20 © Martin Argyroglo Château de Rentilly

Para uma estética de desaceleração

Diante da hiperaceleração do nosso ritmo de vida, da história, da cultura, da sociedade e até do próprio tempo, temos que nos (re)conectar ao mundo, desconectando o que nos afasta dele? Em uma sociedade onde os sentidos e o pensamento estão sobrecarregados, a modernidade tende a querer controlar tudo, inclusive o que não pode, criando a sensação de um universo inacessível. Romper com essa “fome temporal” constitui a dinâmica de sua tese de doutorado intitulada “Percepção lenta: por uma estética da desaceleração”.

Num contexto de profundas convulsões ecológicas, a necessidade urgente de construir uma nova relação com o nosso meio ambiente deve basear-se numa “ecologia da atenção”. “Parto da teoria da aceleração social do filósofo alemão Hartmut Rosa (1965-). O trabalho do teórico suíço Yves Citton (1962-) também me marcou. Eles guiam meu pensamento atual sobre o surgimento de ecologias de atenção. Outros autores alimentam minha pesquisa, em particular o romancista e crítico de arte Gilbert Lascault (1934-) e sua estética dispersa, ou mesmo Thimothy Morton (1968-) e seus hiperobjetos… É um pouco díspar, mas prefiro ver essas influências como uma rede de ideias, uma nebulosa, em vez de uma linha reta do mentor ao discípulo”, comenta.

Benoit Pype, Fabrique du résiduel verre © Aurelien Mole

Estamos dando às obras a atenção que elas merecem?

À questão que fecha o preâmbulo de sua tese, Benoit Pype oferece algumas pistas de Singular: “Um certo diagnóstico atual identifica uma crise na experiência estética, após uma disseminação da atenção. Nossa capacidade de concentração hoje seria diminuída por uma forma mais recente de atenção que a crítica literária americana Katherine Hayles (1943-) chama de hiperatenção: essa capacidade de lidar com vários assuntos ao mesmo tempo, associada ao desenvolvimento de tecnologias digitais. A preeminência desse tipo recente de atenção me questiona sobre a possibilidade de restaurar a experiência estética explorando novas modalidades de atenção profunda. Trata-se de explorar possíveis articulações por meio da prática artística. Alguns trabalhos requerem atenção sustentada, enquanto outros estimulam ainda mais essa atenção flutuante e reativa, específica para nosso estilo de vida atual”.

“Uma gota poderosa é o suficiente para criar um mundo e dissolver a noite” Gaston Bachelard

A surpreendente produção de Benoit Pype convida a perguntar-se, a “aterrar” em todos os sentidos da palavra. As suas dimensões reduzidas tornam necessário curvar-se, agarrar numa lupa, recuperar a consciência das próprias percepções para ver melhor o que está no limite do visível. A fragilidade de suas esculturas, que parecem sem peso, atua fisicamente no observador, obrigando-o a controlar a respiração, a se concentrar em outro ritmo, fora do tempo, próximo à meditação.

Benoit Pype, Désert de verre @ Benoit Pype

Para entender melhor sua abordagem, pegue, por exemplo, “Base para uma gota d’água” (também poderíamos ter considerado “Jóias da Água”). É uma gota ampliada como uma minúscula pedra preciosa, uma escultura formada por uma minúscula base de 1cm cúbico e uma gota d’água cuidadosamente depositada: “À primeira vista, o objeto está imóvel. Na verdade, a gota evapora com rapidez suficiente para desaparecer completamente após uma média de duas horas. Normalmente estamos aqui na frente de um objeto que requer atenção constante. Ele admite, maliciosamente omitindo que ele também oferece outra relação com o tempo.

Benoit Pype, Socle pour une goutte d’eau @ Benoit Pype

Um jogo de imagens lentas para nossa hiperatenção

Lúcido, Benoit sabe muito bem que nossa modernidade tem fome de velocidade. E não hesita em responder a isso. Em sua série de vídeos “Stealth Ballets” ele encena fluidos em movimento, formas de burst dinâmicas e simultâneas, propício para ativar nossa “hiper-atenção”. A origem deste projeto é baseada em uma hipótese científica que afirma que a vida apareceu há quatro bilhões de anos em uma gota d’água. A exploração de uma única gota talvez pudesse nos revelar os sinais da história das formas e da humanidade. Por meio de uma câmera de alta velocidade, a obra revela formas cujos contornos ressoam com a história da arte. Sua série de vídeos “The Butterfly Effect” revela as formas da água geradas por um impulso filmado em altíssima velocidade (10.000 imagens por segundo) em laboratório. Invisível a olho nu, o evento dura 30 milissegundos e revela figuras misteriosas. “Todo o desafio aqui é medir nossa capacidade de modular nossa atenção, de oscilar de um regime a outro, numa época em que é amplamente utilizada em uma economia da atenção muito bem analisada por Yves Citton, ou o filósofo francês Bernard Stiegler (1952-2020)”, dá como exemplo.

Benoit Pype, Ballets furtifs @ Benoit Pype

Mensagem política do uso da água

A estética deste artista humanista concilia a dimensão científica e filosófica do conhecimento como um Renascimento moderno. E não perde a dimensão política de nenhuma obra. O alcance da água em suas montagens poéticas nos convida a questionar seu interesse político no mundo; sobre o direito universal de acesso à água potável e saneamento, seus custos de operação e distribuição. Indiretamente, sua degradação também é mencionada; poluição dos mares e rios, sobre a exploração da água potável no Ocidente …“Descobri a arte através da land art, o que certamente forjou minha relação com a natureza. Os materiais com os quais trabalho muitas vezes se relacionam com a ecologia e essa gota d’água fala sobre isso também. Preciosa em algumas partes do mundo, a água é realmente desperdiçada em outras!” Ele lamenta.

Palais de Tokyo 2012 e The Residual Factory

“Não é preciso ir ao fim do mundo para viajar, a aventura está no meu bolso, no meu jardim, em volta da minha casa”. Foi em 2012 que conhecemos Benoît Pype pela primeira vez. Ele então mudou seu ‘laboratório-oficina’ para o Palais de Tokyo. Analisou e deu aos resíduos e outras poeiras encontradas ao longo dos seus caminhos ou no fundo dos bolsos o estatuto de esculturas. À maneira de Xavier de Maistre (1763-1852), explorador das pequenas coisas, mas também elegante cantor das memórias que suscita segundo o seu devaneio no romance ‘Viagem por meu quarto’, Benoit nos convidou “a descobrir o fazer da poesia desde o enigma do familiar”. Acima de tudo, ele aboliu qualquer hierarquia entre o cientista, o historiador da arte, o neófito e uma certa visão da vida cotidiana, abrindo-se para interpretações livres onde cada um pode projetar sua própria história.

Sculptures de fonds de poche 2

Deixe em mente … a estética do devaneio

O acaso e o controle, o acaso provocado, a coincidência ou a revelação, poderia o artista científico e filósofo dos sonhos levar-nos sutilmente a posteriori a uma prática divinatória? Isso é eloqüente nessas “Quedas Livres” que lembram a existência de “molibelly”, uma prática de adivinhação encontrada em muitas culturas que consiste em despejar chumbo derretido na água. É então uma questão de interpretar os ruídos e assobios que o metal produz ao esfriar na água, ou as formas obtidas. Quais são os sinais que podem ser extraídos dos desenhos formados por esse chumbo fundido? Quais são os sonhos causados ​​pela desaceleração e as observações dos fenômenos quase imperceptíveis propostos por Benoit Pype? Cabe a você experimentar, sem pressa!

Benoit Pype, Chutes libres © Pierre LExcellent

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …

Iluminuras

O SÉTIMO SELO

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma
                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do
                                                            eterno começo, o mundo como …

Notícias da França

A Origem do Mundo

Juliana Notari revoluciona ‘A usina de Arte’ com sua “Diva”.
‘A Usina de Arte’ (aberta em 2015) é uma formidável iniciativa …

Iluminuras

Tempus Fugit - Arena

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê …

Notícias da França

Com Miguel Rio Branco, Deus perde o poder, e o homem já não é mais sua imagem e semelhança.

É a representação do irrepresentável que interessa a Miguel Rio Branco, e suas obras revelam o nada da humanidade. Ele …

Iluminuras

O TEMPO E A MARÉ

“ Já não existem “imagens da realidade”;
já não existem representações ideais;
só existe o deserto.”
Kasimir Malevitch. Manifesto do …

Notícias da França

Os krafts coloridos de Maxwell Alexandre, arauto inclusivo da emancipação negra brasileira

[Descobrindo os artistas de hoje] Da Rocinha, favela do Rio, aos muros da prestigiada galeria londrina David Zwirner (até 30 …

Iluminuras

Avant-propos

Inverno de 1980, Madrid. Vivi nessa cidade por três meses. Morava no Hotel Londres, na calle de Galdo. Professava minha …

Notícias da França

Uma escultura sonora de Bill Fontana para a Notre Dame de Paris

[Descobrindo os artistas de hoje] Inspirada em uma reconstrução da Notre-Dame de Paris, que ainda está para ser imaginada, muitas …