UMA CONCHA

Há artistas que revelam o mistério e a incerteza. Vagam em universos colisivos, como a noite dos sonhos, o sublime ou o infortúnio. São delicados e sutis, como os finos grãos de areia de litorais imaginários. Caminhamos com eles na fronteira entre o seco e o úmido, sem saber jamais onde estaremos. Nossos passos nos […]

Há artistas que revelam o mistério e a incerteza. Vagam em universos colisivos, como a noite dos sonhos, o sublime ou o infortúnio. São delicados e sutis, como os finos grãos de areia de litorais imaginários. Caminhamos com eles na fronteira entre o seco e o úmido, sem saber jamais onde estaremos. Nossos passos nos levam a lugares de arbitrários e entrópicos julgamentos, e nos
deparamos, no dia claro, com o acaso e a espuma e a concha, abandonadas na praia pela maré alta. Ainda menino, um dos meus divertimentos era olhar as estampas de um velho livro da biblioteca de meus pais sobre a obra do artista francês Odilon Redon [1840– 1916]. Cativava-me o falso colorido das reproduções e o mundo etéreo de seus jarros de flores, paisagens imprecisas e as figuras oriundas de sonhos bons. Saltava as páginas que atormentavam-me, repletas de imagens sombrias, pesadelos e um mundo que não compreendia e só era real, quando, à noite, sonhava.

Odilon Redon, Spirit of the forest

No início dos anos 1970, eu copiava, a óleo ou pastel, várias de suas naturezas-mortas. Em visitas sazonais aos ateliês de José Paulo Moreira da Fonseca, Iberê Camargo, Abelardo Zaluar e tantos outros amigos de meus pais, eu levava comigo uma pasta esverdeada com meus trabalhos, que mostrava a esses “quase-pais” de ofício. O mais doce de todos, José Paulo Moreira da Fonseca, que
também era poeta, como meu pai, amava música e se espantava com minhas precoces e juvenis descobertas: Mahler, Scarlatti, Bach, Brahms e muitos outros.

Odilon Redon, Flowers in blue vase

Música e pintura, artes que atormentaram a alma, o corpo e o espírito do menino que fui entre os anos de 1960 e 1970, ainda me fascinam.

A concha, obra de Odilon Redon, pequeno pastel sobre papel, hoje pertencente ao Musée d’Orsay, é uma clara evocação do mar e da carne feminina. Considero essa imagem ambígua, preciosidade de uma das várias possíveis histórias da pintura, da capacidade de ligar a natureza, nossos arquétipos e o medo que espreita em toda cavidade oculta deste mar e de mares, como os de Turner, Hopper, Castagneto, Monet e tantos outros. Esta concha, provavelmente trazida das ilhas Seychelles por um dos primos Leblond, ocupava um lugar de destaque sobre a lareira do apartamento de Odilon Redon na avenue de Wagram, no 8° arrondissement de Paris.

Odilon Redon, Shell

Seychelles, este nome com musicalidade poética e erótica, como uma peça de Debussy, Janáček ou, tardiamente, Federico Monpou, recanto distante, insular, ao longo da África oriental, é a  metáfora da pintura de Odilon Redon. Arquipélago de sonhos, poucos foram os que viveram e presenciaram suas águas turmalinas e suas verdes florestas.

Gonçalo Ivo.

Vargem Grande, 7 de maio de 2021.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …

Iluminuras

OS VERDES ANOS

“De todo meu passado, só possuo o que carrego
diante de mim. Nesse momento, todo o resto me é
inacessível. Porém nossa …

Notícias da França

A indisciplina de Michel Paysant, uma simbiose de todos os campos estéticos

A meio caminho entre o artista plástico digital e o técnico utópico, Michel Paysant define a arte como um projeto …

Iluminuras

Marcas da Maldade III

O HOMEM ARMADO
L’Homme armé
L’homme armé doibt on doubter.
On a fait partout crier
Que chascun se viengne armer
D’un haubregon de fer.
L’homme armé …

Notícias da França

A curiosidade insaciável de Xavier Veilhan

Xavier Veilhan mostra uma curiosidade insaciável e multiplica intervenções esteticamente estimulantes. Unindo ciência e arte, seu vocabulário criativo, com instalações …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE II - BABEL

Kyrie Eleison (Gregorian)
Kyrie eleison.
Christe eleison.
Kyrie eleison.
 

Desde o princípio queria ter sido pedra, inseto ou pássaro. Talvez um alto e longilíneo …

Notícias da França

Híbrido e desinibido, Pascale Marthine Tayou aspira a uma nova humanidade

Concebidos como uma experiência a ser vivida, os assemblages de Pascale Marthine Tayou combinam símbolos africanos e europeus. Sem complexo, …

ALTO FALANTE

Maria Bonomi, gravura impura

Recentemente, em meio aos abundantes motivos de tristeza e apreensão, tive a alegria de receber de Maria Bonomi dois importantes …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE I

Tudo é mal. Isto é, tudo o que existe é mal; a existência de cada coisa é um mal; o …