Saturno, Francisco de Goya y Lucientes,

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam de luz prata a púrpura escuridão. Vêm de sítios ocultos, partem bem antes da aurora, para nunca mais. Deixam suas luminescências nas trevas, como orações a nos sussurrarem segredos ocultos. Traçam efêmeras teias de luz, […]

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam de luz prata a púrpura escuridão. Vêm de sítios ocultos, partem bem antes da aurora, para nunca mais. Deixam suas luminescências nas trevas, como orações a nos sussurrarem segredos ocultos. Traçam efêmeras teias de luz, de vida e de morte, como parcas a
nos imporem um destino já traçado.

Diante da sala negra de Francisco José de Goya y Lucientes (1746 – 1828) em Madrid no Museu do Prado, contemplo as pinturas da Quinta del Sordo. Foram concebidas para não serem vistas; são obras de culto pessoal. Esse é um de seus inúmeros enigmas. São imagens nascidas em águas turvas, que em seu negrume dificilmente revelam significados. Submergimos como num sonho ruim, no tênue limite entre o delírio e a pretensa realidade. E, como em um mar de sargaço, filtram a luz do dia a esconder seixos, grãos de areia e conchas, que se fecham ocultando mistérios.

El aquelarre o El gran cabrón, Francisco de Goya y Lucientes.

Foram executadas com tinta a óleo diretamente sobre as paredes da Quinta del Sordo . São essência e testamento de uma alma plástica conturbada. Francisco de Goya foi um artista eclético, inovador, contraditório, capaz de representar os opulentos e sublimes seios da marquesa de Santa Cruz, o libidinoso sorriso das majas, ao mesmo tempo que retratou Dos viejos comiendo sopa , terrível e sarcástica caricatura do homem em seu fim e decrepitude. Para André Malraux, o que chamamos de arte moderna teve início com a poliédrica obra desse artista aragonês. Em seu ofício, percorreu do picaresco ao inexplicável, do sonho à bruxaria, do delírio à loucura. Sua arte guarda toda poesia, miséria e mistério da vida e do mundo.

Dos viejos comiendo, Francisco de Goya y Lucientes.

Goya foi uma estrela negra e fulgurante, e transitou nos mundos, dos vivos e dos mortos. Em sua pintura El tres de mayo de 1808 en Madrid o Los fusilamientos en la montaña del Príncipe Pio, datada de 1814, estampa a dramática cena de um homem prestes a ser executado, ajoelhado com os braços abertos para o alto, suplicando redenção. No chão encharcado de sangue, jaz uma figura morta, como se fosse sua sombra ou o rebatimento temporal, como numa épura.

El tres de mayo de 1808 en Madrid o Los fusilamientos en la montaña del Príncipe Pio, Francisco de Goya

John Berger, escritor inglês, em seu livro Berger on Drawing, de 2005, afirma que, « quando as palavras se aplicam às artes  visuais, tanto umas como as outras perdem precisão. Ponto morto «. No mesmo livro, reflete sobre Van Gogh e questiona se é possível escrever algo sobre esse artista: « Penso em todas as palavras que foram escritas, inclusive as minhas, e a resposta é não. »

Porém, sempre que visito a sala negra, uma pintura me intriga e causa espanto. É a imagem de um cão de perfil. Minha grande dúvida, quando me aproximo de El perro semihundido, é saber o porquê e para onde olha o acanhado cão. Estaria mirando algo transcendental, melancólico, uma estrela, um vagalume ou um simples osso?

Perro semihundido, Francisco de Goya y Lucientes.

 

Gonçalo Ivo,
Vargem Grande, 18 de dezembro de 2020.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Dinastia: a família Yunes, três gerações de Stakhanovistas do mundo de arte

Esta é a história de uma dinastia cultural. Após a morte de Jorge Yunes, a coleção da família tornou-se agora …

Iluminuras

UMA CONCHA

Há artistas que revelam o mistério e a incerteza. Vagam em universos colisivos, como a noite dos sonhos, o sublime …

Notícias da França

Os jardins memoriais ​​de Rachid Koraïchi conectam a humanidade à sua história

Nutrido pela mística sufi, Rachid Koraïchi desenvolve uma obra universal inspirada nos números e na caligrafia. Enquanto corre o mundo …

Iluminuras

PER UN AMICO

One of these days
I’m gonna sit down and write a long letter
To all the good friends I’ve known
Neil Young
Conheci o …

Notícias da França

O desenho de Ernest Pignon-Ernest infunde uma ética humanista na arte urbana

Um pioneiro da arte urbana comprometida, Ernest Pignon-Ernest afirma “causar algo” na rua com seus desenhos. Por mais de 50 …

Iluminuras

NA ESCURIDÃO

O hálito do imóvel. Um vulto rígido
de animal no azul, sua santidade.
Poderoso é o silêncio da pedra…
Georg Trakl
 

Alfred Leopold Isidor …

Notícias da França

Françoise Pétrovitch nos leva para o outro lado do espelho

Com um bestiário animado e ambivalente, próximo à imaginação peculiar de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, Françoise …

Iluminuras

2 de abril de 2021

Datas. Desde que regressei de Bethany, nos últimos dias de maio do ano passado, são hoje 311 dias de um …

Notícias da França

Os desenhos-instalações de Odonchimeg Davaadorj carregam utopias para mudar o mundo

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia …

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

ALTO FALANTE

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …