"Charles Wilp, 1978" - Joseph Beuys

Tempus Fugit – Arena

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê de Vargem Grande, Teresópolis, nesta ainda fria madrugada. Assemelhavam-se a estampas fantasmagóricas, aparições bruxuleantes que só se materializam em sonhos. A necessidade de representar as coisas do mundo real ou onírico sempre foi um dos […]

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê de Vargem Grande, Teresópolis, nesta ainda fria madrugada. Assemelhavam-se a estampas fantasmagóricas, aparições bruxuleantes que só se materializam em sonhos. A necessidade de representar as coisas do mundo real ou onírico sempre foi um dos nossos credos para superar o efêmero, o constante rompimento da velocidade do tempo e o entendimento de mudanças em nossas vidas. Mesmo em épocas imemoriais, imobilizar o instante através da imagem é a sutil evidência de que o registro tem como função primordial «guardar momentos », como se fossem fotogramas ou segredos a serem vistos num futuro desconhecido, no qual não estaremos mais. Imagens são sedimentos, extratos de sucessivas camadas superpostas no solo em sua verticalidade.

Lembro das fotografias de Jacques Henri Lartigue. Reportavam a um passado impreciso borrado por grãos de prata. Recordo-me também da enigmática e dionisíaca figura do artista alemão Joseph Beuys (1921-1986) sob o sol de Diani, praia da costa do Quênia, em 1974. Essas imagens foram feitas pelo fotógrafo Charles Wilp e graças a elas temos o registro das intervenções de Beuys sobre as areias do litoral africano, acontecimento que em mim suscitou um grande desejo de evasão. Beuys cria sobre a areia uma construção cósmica, de concepção primitiva, rudimentar e xamanista, em que a gramática da representação de alces, bisontes, nus femininos, esqueletos e até mesmo uma trama geométrica, que faz recordar currais de peixe, padrões de tecidos do Senegal ou edificações de adobe e bambu se engastam no mundo como fósseis contemporâneos.

“Charles Wilp, 1978” – Joseph Beuys

Todo este deslumbrante firmamento de imaginação arcaica e primitiva, coberto de sal e areia, é acariciado pelo vento que sopra do mar e alcança os recortes, as falésias e os coqueirais da costa africana, criando o fluxo de um sopro que me conduz à liberdade, ao irracional, à mitologia e às remotas cavernas de Altamira e Lascaux.

Beuys, nessas imagens fotográficas contrastadas e saturadas, assemelha-se ao ícone de um grande inseto, talvez um gafanhoto incrustado em pedra vulcânica ou outro bicho qualquer a extrair do solo um verme ou inserir nele algo que a providência divina apagará de Diani pelo ciclo lunar e os movimentos das marés.

Pintura em caverna de Altamira

A natureza transforma esses desenhos de Diani em frágeis e efêmeras efígies do inefável. Em Altamira, temos as imagens das palmas das mãos de nossos ancestrais e elas nos dizem : « Estivemos aqui ». Joseph Beuys esteve em Diani. Deixou-nos o legado de seus desenhos sobre a areia e sob o sol que a maré montante veio apagar na escura e silenciosa noite do mundo.

 

Vargem Grande, 8 de dezembro de 2020
Gonçalo Ivo

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os desenhos-instalações de Odonchimeg Davaadorj carregam utopias para mudar o mundo

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia …

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

ALTO FALANTE

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Notícias da França

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …