"Charles Wilp, 1978" - Joseph Beuys

Tempus Fugit – Arena

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê de Vargem Grande, Teresópolis, nesta ainda fria madrugada. Assemelhavam-se a estampas fantasmagóricas, aparições bruxuleantes que só se materializam em sonhos. A necessidade de representar as coisas do mundo real ou onírico sempre foi um dos […]

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê de Vargem Grande, Teresópolis, nesta ainda fria madrugada. Assemelhavam-se a estampas fantasmagóricas, aparições bruxuleantes que só se materializam em sonhos. A necessidade de representar as coisas do mundo real ou onírico sempre foi um dos nossos credos para superar o efêmero, o constante rompimento da velocidade do tempo e o entendimento de mudanças em nossas vidas. Mesmo em épocas imemoriais, imobilizar o instante através da imagem é a sutil evidência de que o registro tem como função primordial «guardar momentos », como se fossem fotogramas ou segredos a serem vistos num futuro desconhecido, no qual não estaremos mais. Imagens são sedimentos, extratos de sucessivas camadas superpostas no solo em sua verticalidade.

Lembro das fotografias de Jacques Henri Lartigue. Reportavam a um passado impreciso borrado por grãos de prata. Recordo-me também da enigmática e dionisíaca figura do artista alemão Joseph Beuys (1921-1986) sob o sol de Diani, praia da costa do Quênia, em 1974. Essas imagens foram feitas pelo fotógrafo Charles Wilp e graças a elas temos o registro das intervenções de Beuys sobre as areias do litoral africano, acontecimento que em mim suscitou um grande desejo de evasão. Beuys cria sobre a areia uma construção cósmica, de concepção primitiva, rudimentar e xamanista, em que a gramática da representação de alces, bisontes, nus femininos, esqueletos e até mesmo uma trama geométrica, que faz recordar currais de peixe, padrões de tecidos do Senegal ou edificações de adobe e bambu se engastam no mundo como fósseis contemporâneos.

“Charles Wilp, 1978” – Joseph Beuys

Todo este deslumbrante firmamento de imaginação arcaica e primitiva, coberto de sal e areia, é acariciado pelo vento que sopra do mar e alcança os recortes, as falésias e os coqueirais da costa africana, criando o fluxo de um sopro que me conduz à liberdade, ao irracional, à mitologia e às remotas cavernas de Altamira e Lascaux.

Beuys, nessas imagens fotográficas contrastadas e saturadas, assemelha-se ao ícone de um grande inseto, talvez um gafanhoto incrustado em pedra vulcânica ou outro bicho qualquer a extrair do solo um verme ou inserir nele algo que a providência divina apagará de Diani pelo ciclo lunar e os movimentos das marés.

Pintura em caverna de Altamira

A natureza transforma esses desenhos de Diani em frágeis e efêmeras efígies do inefável. Em Altamira, temos as imagens das palmas das mãos de nossos ancestrais e elas nos dizem : « Estivemos aqui ». Joseph Beuys esteve em Diani. Deixou-nos o legado de seus desenhos sobre a areia e sob o sol que a maré montante veio apagar na escura e silenciosa noite do mundo.

 

Vargem Grande, 8 de dezembro de 2020
Gonçalo Ivo

Compartilhar:

Confira outras matérias

Iluminuras

O SÉTIMO SELO

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma
                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do
                                                            eterno começo, o mundo como …

Notícias da França

A Origem do Mundo

Juliana Notari revoluciona ‘A usina de Arte’ com sua “Diva”.
‘A Usina de Arte’ (aberta em 2015) é uma formidável iniciativa …

Notícias da França

Com Miguel Rio Branco, Deus perde o poder, e o homem já não é mais sua imagem e semelhança.

É a representação do irrepresentável que interessa a Miguel Rio Branco, e suas obras revelam o nada da humanidade. Ele …

Iluminuras

O TEMPO E A MARÉ

“ Já não existem “imagens da realidade”;
já não existem representações ideais;
só existe o deserto.”
Kasimir Malevitch. Manifesto do …

Notícias da França

Os krafts coloridos de Maxwell Alexandre, arauto inclusivo da emancipação negra brasileira

[Descobrindo os artistas de hoje] Da Rocinha, favela do Rio, aos muros da prestigiada galeria londrina David Zwirner (até 30 …

Iluminuras

Avant-propos

Inverno de 1980, Madrid. Vivi nessa cidade por três meses. Morava no Hotel Londres, na calle de Galdo. Professava minha …

Notícias da França

Uma escultura sonora de Bill Fontana para a Notre Dame de Paris

[Descobrindo os artistas de hoje] Inspirada em uma reconstrução da Notre-Dame de Paris, que ainda está para ser imaginada, muitas …